Crises, desejos e formas: as faces da resistência na poesia de Max Martins

  • Elizier Araujo Santos Universidade Federal do Pará
  • Mayara Ribeiro Guimarães Universidade Federal do Pará
Palavras-chave: Max Martins, Resistência, poesia brasileira contemporânea.

Resumo

É possível considerar a poesia como um ato político de resistência? Seria a poesia, ela própria, um canal de imanente insubordinação? Tais questões nos levam a pensar, neste artigo, em um dos aspectos fulcrais da poesia de Max Martins: a abertura para uma postura crítica do poético. Assim, busca-se refletir sobre certo predicado de resistência que habita o pensamento do poeta paraense, nas faces constituintes de uma transgressão particular vinculada às acepções de metalinguagem, erotismo, visualidade e misticismo que encontramos em sua poesia. Neste percurso interpretativo, apoiamo- nos nos textos de Bosi (1977), Nunes (1992), Siscar (2010) e Barthes (2013), a fim de trazer à luz as crises, os desejos e as formas que conduziram Max Martins, da modernidade ao pensamento contemporâneo, às potências dos atravessamentos poéticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elizier Araujo Santos, Universidade Federal do Pará
Mestrando em Estudos Literários pelo Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGL) da Universidade Federal do Pará, com pesquisa direcionada à linha de pesquisa Interpretação, Circulação e Recepção, sob a orientação da Profa. Dra. Mayara Ribeiro Guimarães. Tem experiência na área de Letras, atuando principalmente nos seguintes temas: Literatura Brasileira Moderna e Contemporânea, Literatura Comparada e Teoria do Texto Poético. 
Mayara Ribeiro Guimarães, Universidade Federal do Pará
Atua também como professora no PPGL da UFPA na área de Estudos Literários, com ênfase em Literatura Brasileira do século XX, Teoria Literária e Tradução. Coordena o Grupo de Pesquisa Estudos de Literatura, Tradução e Imagem, certificado pelo CNPQ. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Letras, atuando principalmente nos seguintes temas: estudos da narrativa brasileira, literatura brasileira moderna e contemporânea, literatura comparada, tradução, entre outros.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O fim do poema. Trad. Sérgio Alcides. São Paulo: Revista Cacto, agosto, 2002.

BARTHES, Roland. O prazer do texto. Trad. J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2013.

______. “A morte do autor”. In: O rumor da língua. Trad. Mário Laranjeira. São Paulo: Editora Brasiliense, 1988.

BATAILLE, Georges. O Erotismo. Trad. Antonio Viana. Porto Alegre: L&PM, 1987. ______. A literatura e o mal. Trad. Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

BOSI, Alfredo. “Poesia Resistência”. In: O ser e o tempo da poesia. São Paulo: Cultrix, Ed. da Universidade de São Paulo, 1977.

COELHO, Marinilce Oliveira. Memórias literárias de Belém do Pará: o Grupo dos Novos, 1946-1952. São Paulo, s.n., 2003. 291p. Tese de Doutorado em Teoria e História Literária, Universidade Estadual de Campinas.

MARTINS, Max. O Estranho. Organização & notas Age de Carvalho; prefácio & entrevista Elis Ribeiro Pinto. Belém: ed.ufpa, 2015.

______. Caminho de Marahu. Organização & notas Age de Carvalho; prefácio Davi Arrigucci Jr.. Belém: ed.ufpa, 2015.

______. O risco subscrito. Organização & notas Age de Carvalho; prefácio Eduardo Sterzi. Belém: ed.ufpa, 2016.

______; CARVALHO, Age. A fala entre parêntesis. Belém: Edições Grapho, 1982.

NUNES, Benedito. “Max Martins, mestre-aprendiz”. In: A Clave do Poético. Organização e apresentação Victor S. Pinheiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

NANCY, Jean-Luc. Resistência da poesia. Lisboa: Edições Vendaval, 2005.

PAZ, Octavio. O Arco e a Lira. Trad. Ari Roitman e Paulina Wacht. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

RANCIÈRE, Jacques. “Será que a arte resiste a alguma coisa?”. In: Lins, D. (org.) Nietszche/Deleuze: arte, resistência. Rio de Janeiro/Fortaleza: Forense Universitária/ FCET, 2007.

SISCAR, Marcos. Poesia e crise. Campinas: Editora Unicamp, 2010.

______. “A cisma da poesia brasileira”. In: Sibila: Revista de Poesia e Cultura. São Paulo: Ateliê Editorial, ano 5, nº 8-9, p.41-60, set. 2005.

Publicado
2018-07-29
Como Citar
Santos, E., & Guimarães, M. (2018). Crises, desejos e formas: as faces da resistência na poesia de Max Martins. Opiniães, (12), 193-205. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2018.143398