BrasilGaliza

Ensinar literatura brasileira na Galiza, algumas considerações

  • Vivian Rangel Universidade de Santiago de Compostela
Palavras-chave: Literatura brasileira, Galiza, Galícia, lusofonia, ensino

Resumo

Este artigo apresenta considerações sobre o ensino de literatura e culturas brasileiras na Galiza, a partir da experiência de um Leitor brasileiro na Faculdade de Filologia da Universidad de Santiago de Compostela (USC). Há 20 anos a USC conta com professores brasileiros que devem repensar estratégias didáticas para ensinar na Galiza, onde o ensino para estrangeiros tem uma série de especificidades, sobretudo no que se refere ao (quase) pleno entendimento da língua e à tradição histórico-cultural compartilhada. Neste percurso é sugerida uma construção de repertório baseada na experiência empírica e moldada a partir da interdisciplinaridade, sobretudo com a presença da Literatura Comparada (com ênfase na Lusofonia).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vivian Rangel, Universidade de Santiago de Compostela

Mestre em Literatura Comparada (Erasmus Mundus Crossways in European Humanities,Licenciada emComunicação Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Leitora de Português do Brasil naUniversidad de Santiago de Compostela (USC).

Referências

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

ADICHIE, Chimamanda. The danger of a single story. Disponível em https://www.ted.com/talks/chimamanda_adichie_the_danger_of_a_single_story?utm_campaign=social&utm_medium=referral&utm_source=facebook.com&utm_content=talk&utm_term=humanities. Acesso em 20 de julho de 2018.

Brasilgaliza. Disponível em < https://brasilgaliza.wixsite.com/brasilgaliza>. Acesso em 02 de julho de 2018.

CANDIDO, Antonio. Literatura de dois gumes. In: A Educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Ed. Ática, 2009.

CARVALHO, Bernardo. O mundo fora dos eixos. São Paulo: Publifolha, 2005.

CLARK, Lygia. Livro-Obra. Disponível em: . Acesso em 16 de julho de 2018.

CRISTÓVÃO, Fernando. Da Lusitanidade à Lusofonia. Coimbra: Almedina, 2008.

DOMÍNGUEZ, César. Literatura europea comparada. Madrid: Arco Libros, 2013.

European Comission. O Processo de Bolonha e o Espaço Europeu do Ensino Superior. Disponível em: . Acesso em 15 de julho de 2018.

FONSECA, Ana Margarida. Em português nos entendemos? Lusofonia, literatura-mundo e as derivas da escrita. Revista de Sociologia Configurações, n.12, 2013. Disponível em: . Acesso em 20 de junho de 2018.

GNISCI, Armando. Introducción a la literatura comparada. Barcelona: Crítica Letras de humanidade, 2002.

GUEDES, Luciana. “O acesso do leitor, hoje, à literatura brasileira nas bibliotecas e livrarias da Galiza”, Anuario Brasileño de Estudios Hispánicos, XXIV, pp. 185-196. Disponível em: http://www.mecd.gob.es/brasil/dms/consejerias-exteriores/brasil/2014/publicaciones/abehxxiv2.pdf. Acesso em 10 de dezembro de 2018.

HANNERZ, Ulf. Notes on the Global Ecumene. Public Culture, 1989, Disponível em < https://doi.org/10.1215/08992363-1-2-66>. Acesso em 13 de julho de 2018.

Instituto Galego de Estatística, Enquisa de condicións de vida das familias. Coñecemento e uso do galego, 2014. Disponível em Acesso em 13 de julho de 2018.

LABIANO, Javier. El Plan Bolonia, una asignatura difícil . Disponível em:. Acesso em 2 de julho de 2018.

LAPA, Manuel. Estudos Galego-Portugueses. Lisboa: Sá da Costa Editora, 1979.

LEDO, Margarita. Lusofonía, interactividad e interculturalidade - Informe final da investigación. Santiago de Compostela: Unidixital (USC), 2009.

NOLL, João Gilberto. João Gilberto Noll detalha sua forma de criação. Estado de São Paulo, 2010. Disponível em: https://cultura.estadao.com.br/noticias/geral,joao-gilberto-noll-detalha-sua-forma-de-criacao,618438. Acesso em 20 de junho de 2018.

PINA-CABRAL, João de. Lusotopia como ecumene. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol.25, n.:74, 2010. Disponível em: .

Portal da Língua Portuguesa. Dicionário de termos linguísticos. Disponível em . Acesso em 30 de julho de 2018.

Real Academia Galega. O galego no mundo. Disponível em: https://academia.gal/datos-uso. Acesso em: 10 de julho de 2018.

RODRÍGUEZ, José Luiz. Reflexões sobre o ensino do português para galego-falantes. Trabalho apresentado no Primero Encuentro de Lusitanistas Españoles, in Actas do Congreso Internacional de Historia y Cultura en la Frontera, 1999. Cáceres: Junta da Extremadura, pp. 1097-1116.

RUFFATO, Luiz. Galeguia. In: Revista Agália, nº 89-90 / 1º Semestre (2007): 213 - 214 / Issn: 1130-3557. Disponível em: . Acesso em 2 de julho de 2018.

______. Uma modesta sugestão. In: BrasilGaliza. Disponível em: . Acesso em 15 junho 2018.

SALGADO, Daniel. Território da Galeguia. Disponível em: https://elpais.com/diario/2011/02/04/galicia/1296818303_850215.html. Acesso em 2 de julho de 2018.

SANTALLA, José-Martinho. O nome da Galiza. E-book, 2002, AGAL, GZ e-ditora. Disponível em: . Acesso em 6 de julho de 2018.

SEVILLANO, Elena. Que há cambiando Bolonia? Disponível em: . Acesso em 28 de junho de 2018.

SINOPOLI, Franca, “La historia comparada de la literatura”. In GNISCI, Armando. Introducción a la literatura comparada, 2002, Barcelona: Crítica Letras de humanidad,2002.

VASCONCELLOS, Lisa. Literatura Atlântica: notas sobre o comparatismo em língua portuguesa. Via Atlântica, São Paulo, n. 25, p. 119-129, 2014. ISSN 2317-8086. Disponível em: . Acesso em 26 de junho de 2018.

VILLARINO, Carmen. Aproximação à obra de Nélida Piñon. A república dos sonhos. Tese (Doutorado em Letras) – Faculdade de Filologia Galego e Portuguesa, Santiago de Compostela: Universidad de Santiago de Compostela, 2002.

______. Outros modos do olhar estrangeiro sobre a literatura e a cultura brasileira, In: A primeira aula - Trânsitos da literatura brasileira no estrangeiro. São Paulo: Itaú Cultural, 2014, p. (190-197).

______. Produtos literários e práticas culturais de brasileiros sobre Santiago de Compostela: proposta de análise contrastiva dos corpora (romances e inquéritos). In Estudos da AIL em Teoria e Metodologia: Relacionamento nas Lusofonias I. Santiago de Compostela, Coimbra: AIL Editora, 2015. p. 90-104.

______. Guia docente e material didático, Literatura Brasileira 1. Disponível em: . Acesso em 16 de julho de 2018.
Publicado
2018-12-21
Como Citar
Rangel, V. (2018). BrasilGaliza. Opiniães, (13), 82-101. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2018.148641