A passagem do Sublime ao Belo em “Paisagem noturna”, de Manuel Bandeira

  • Hináh Esttela Pereira Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Palavras-chave: Manuel Bandeira, Paisagem noturna, Belo, Sublime, Immanuel Kant, Friedrich Schiller

Resumo

Neste artigo, pretendo analisar o poema “Paisagem noturna”, de 1912, pertencente ao livro A cinza das horas, de Manuel Bandeira (1886-1968). Inicialmente, exponho os conceitos teóricos kantianos e schillerianos para apresentar os instrumentos de trabalho analítico que serão utilizados. Em seguida, procedo aos estudos do texto poético propriamente dito, à luz da visada filosófica proposta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALIGHIERI, Dante. A Divina Comédia. Tradução de Italo Eugenio Mauro. Edição bilíngue. 15.ed. São Paulo: Editora 34, 2008.

ARRIGUCCI JR., Davi. Humildade, paixão e morte: a poesia de Manuel Bandeira. 2.ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

BANDEIRA, Manuel. Estrela da Vida Inteira. 20.ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

COSTA, Daniel. A representação do inferno dantesco: uma leitura de sua paisagem e de seus pecados. Revista Brasileira de História das Religiões, Maringá, PR, v. 7, n. 19, p. 279 – 292, maio de 2014. Disponível em: . Acesso em: 9 de julho de 2018.

CUNHA, Cilaine. O Sublime e o Humor Irônico. Gonçalves Dias, Sousândrade, Álvares de Azevedo, Manuel Antônio de Almeida e Machado de Assis. 350 f. Tese de Livre-Docência apresentada junto ao Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas, da Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas da USP, Área de Literatura Brasileira. São Paulo, setembro de 2016.

GOLDSTEIN, Norma. Do penumbrismo ao modernismo (o primeiro Bandeira e outros poetas significativos). São Paulo: Ed. Ática, 1983.

______. O primeiro Bandeira e sua permanência. In: LOPEZ, Têle. (Org.). Manuel Bandeira: Verso e reverso. São Paulo: T. A. Queiroz/ IEB/ FAPESP, 1987, p. 8-21.

KANT, Immanuel. Crítica da faculdade do juízo. Trad. Valerio Rohden e António Marques. 2.ed. Rio de Janeiro: Forense, 1993.

KAYSER, Wolfgang. Análise e interpretação da obra literária. Tradução de Paulo Quintela. 6. ed. Coimbra: Arménio Amado, 1985.

NUNES, Benedito. A visão romântica. In: GUINSBURG, Jacó. O romantismo. 4.ed. São Paulo: Ed. Perspectiva, 2013, p. 51-74.

ROSENBAUM, Yudith. Manuel Bandeira: uma poesia da ausência. Rio de Janeiro: Imago Editora, 1993.

SCHILLER, Friedrich. Teoria da Tragédia. Tradução de Flavio Meurer. 2.ed. São Paulo: EPU, 2008.

______. Do sublime ao trágico. Tradução de Pedro Süssekind e Vladimir Vieira. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

STAIGER, Emil. Conceitos fundamentais da poética. Tradução de Celeste Aída Galeão. 3.ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997.
Publicado
2018-12-21
Como Citar
Pereira, H. (2018). A passagem do Sublime ao Belo em “Paisagem noturna”, de Manuel Bandeira. Opiniães, (13), 170-190. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2018.148903