Ficção à queima roupa

trepidação do tempo e ecos da história em O Marechal de costas, de José Luiz Passos

Palavras-chave: romance histórico, literatura brasileira contemporânea, teoria literária

Resumo

O esforço desta reflexão se orienta no sentido de pensar como O Marechal de costas, de José Luiz Passos (2016), problematiza e atualiza a velha forma do romance histórico. O que levaria necessariamente a uma segunda reflexão, mais arriscada: como a literatura opera em momentos de tensão político-social exacerbada, e quais são as possíveis respostas literárias aos embates da hora histórica. A partir da premissa de que todas as formas literárias são essencialmente históricas, a hipótese central desse trabalho entende que o romance histórico sempre operou como uma espécie de sismógrafo, que capta os abalos da época. A novidade do romance de Passos (2016) está em intensificar tal procedimento, ao fazer uma espécie de ficção à queima-roupa, assumindo como histórico o elemento contemporâneo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Vinícius Lima de Almeida, Mestre em Literatura e Crítica pela PUCSP, com bolsa FAPESP.

Mestrando em Literatura e Crítica Literária na PUCSP. Bolsista Fapesp. Membro do Grupo de Pesquisa "O narrador e as fronteiras do relato".

Publicado
2019-12-27
Como Citar
Lima de Almeida, M. (2019). Ficção à queima roupa. Opiniães, (15), 156-175. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2019.165106
Seção
Cultura brasileira em questão