O jogo performático de Oswald de Andrade no poema "Reivindicação"

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.165846

Palavras-chave:

Subjetividade lírica, Performances, Oswald de Andrade

Resumo

Este estudo objetiva discutir a subjetividade lírica no poema “reivindicação”, de Oswald de Andrade, escrito provavelmente na década de 1920. O poema “inédito” possibilita investigar a atuação do sujeito lírico em performances marcadas pela tensão ambígua entre o ficcional e o autobiográfico. Interessa evidenciar o vínculo sujeito lírico e sujeito empírico, disfarçado pelas máscaras do fingimento poético e que culmina no retorno do sujeito empírico ao poema, performando subjetividades como outro “eu”.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ellen Margareth Dias Ribeiro Araújo, Universidade Federal de Goiás

Mestra (2018) e doutoranda em Estudos Literários pelo Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística da Universidade Federal de Goiás (UFG).

Referências

ANDRADE, Oswald de. Poesias reunidas Oswald de Andrade. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

ANDRADE, Oswald de. Um homem sem profissão: sob as ordens de mamãe. São Paulo: Globo; Secretaria de Estado da Cultura, 1990a. (Obras Completas de Oswald de Andrade).

ANDRADE, Oswald de. Os dentes do dragão: entrevistas. Org. M. E. Boaventura. São Paulo: Globo; Secretaria de Estado da Cultura, 1990b. (Obras Completas de Oswald de Andrade).

CANDIDO, Antonio. Estouro e libertação. In: CANDIDO, Antonio. Vários escritos. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Duas Cidades, 1995.

COMBE, Dominique. A referência desdobrada: O sujeito lírico entre a ficção e a autobiografia. Tradução de Iside Mesquita e Vagner Camilo. Revista USP, São Paulo, n. 84, p. 112-128, dez./fev. 2009-2010.

FONSECA, Maria Augusta. Por que ler Oswald de Andrade. São Paulo: Globo, 2008. (Coleção Por que ler).

FRIEDRICH, Hugo. Estrutura da lírica moderna. São Paulo: Duas Cidades, 1991.

HAMBURGER, Michael. As máscaras. In: HAMBURGER, Michael. A verdade da poesia: tensões na lírica modernista desde Baudelaire. Tradução de Alípio Correia de Franca Neto. São Paulo: Cosacnaify, 2007. p. 89-115.

HEGEL, G. W. Friedrich. II. A poesia lírica. In: HEGEL, G. W. Estética. Tradução de Álvaro Ribeiro e Orlando Vitorino. Lisboa, PT: Guimarães Editores, 1993. p. 607-627.

MACIEL, Maria Esther. Poéticas da lucidez: notas sobre os poetas-críticos da modernidade. Revista Estudos de Literatura, Belo Horizonte, v. 2, p. 75-76, out. 94.

PADILHA, Fabíola. Que rest-t-il du sujet? Performances subjetivas na poesia brasileira contemporânea. In: CURTIS, Alexandre; CARVALHO, Raimundo; SALGUEIRO, Wilberth (Orgs.). Todos os poemas o poema. Vitória: EDUFES, 2014, p. 179-193.

RUFFATO, Luiz. A alegria é a prova dos nove: Oswald de Andrade. São Paulo: Globo, 2011.

SCHWARTZ, Jorge. Livro “Poesias reunidas”, de Oswald de Andrade, traz 22 poemas inéditos. O Globo, 28/01/2017. Entrevista concedida a Leonardo Cazes. Disponível em: <https://oglobo.globo.com/cultura/livros/livro-poesias-reunidas-de-oswald-de-andrade-traz-22-textos-ineditos-20835829>. Acesso em: 20/01/2020.

SÜSSEKIND, Flora. Ego trip. Uma pequena história da metamorfose do sujeito lírico. In: SÜSSEKIND, Flora. Papéis colados. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2003. p. 305-318.

Downloads

Publicado

2020-07-31

Como Citar

Araújo, E. M. D. R. (2020). O jogo performático de Oswald de Andrade no poema "Reivindicação". Opiniães, (16), 106-124. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.165846

Edição

Seção

Performatividade e Campo expandido na Literatura brasileira