O esgotado artista contemporâneo

Autores

  • Rafaela Alves Fernandes Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.168511

Palavras-chave:

Prosa

Resumo

Criação literária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafaela Alves Fernandes, Universidade de São Paulo

Mestranda em Filosofia (Estética) pela Universidade de São Paulo, bacharela em História da Arte pela Universidade Federal de São Paulo (2017) e Licenciada em Artes Cênicas pela Faculdade Paulista de Artes (2010). Atualmente integra o grupo de estudos em Estética Contemporânea do Departamento de Filosofia da Universidade de São Paulo. É professora titular de Arte no ensino fundamental e médio pela Secretaria Municipal de Educação de São Paulo.

Referências

AGAMBEN, G. Profanações. Tradução de Selvino J. Assmann. São Paulo: Boitempo, 2007.

BATAILLE, G. A mutilação sacrificial e a orelha cortada de Van Gogh. Lisboa: Hiena Editora, 1994.

BATAILLE, G. História do olho. Tradução de Eliane R. Moraes. São Paulo: Cosac Naify, 2003.

BELTING, H. O fim da história da arte – uma revisão dez anos depois. Tradução de Rodnei Nascimento. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

BENJAMIN, W. “Infância em Berlim por volta de 1900”. In: Rua de mão única (Obras escolhidas v. 2). Tradução de Rubens R. T. Filho e José Carlos M. Barbosa. São Paulo: Editora Brasiliense, 1993.

BENJAMIN, W. A modernidade – obras escolhidas. Tradução de João Barrento. Lisboa: Assírio & Alvim, 2006.

BENJAMIN, W. Baudelaire e a modernidade. Tradução de João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

BÜRGER, P. Teoria da vanguarda. Tradução de José Pedro Antunes. São Paulo: Cosac Naify, 2008.

DANTO, A. Após o fim da arte: a arte contemporânea e os limites da história. Tradução de Saulo Krieger. São Paulo: Edusp, 2010.

DELEUZE, G. Sobre teatro: um manifesto de menos – O esgotado. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. “Devir-Intenso, Devir-Animal, Devir-Imperceptível”. In Mil Platôs (Capitalismo e Esquizofrenia). Vol. 4. Tradução de Suely Rolnik. São Paulo: Ed. 34, 1997.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. “Como criar para si um corpo sem órgãos”. In Mil Platôs. Vol. 3. Tradução de Aurélio Guerra Neto et al. São Paulo: Ed. 34, 2008.

FERREIRA, G.; COTRIM, C. (orgs). Escritos de artistas. Anos 60/70. Tradução de Pedro Sussekind. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

FOSTER, H. O retorno do real. A vanguarda no final do século XX. Tradução de Célia Euvaldo. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

FOUCAULT, M. “Prefácio à transgressão”. In: Estética: literatura e pintura, música e cinema. Tradução de Inês A. D. Barbosa – 2ª ed. – Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009. pp. 28-46.

JOYCE, J. Ulysses. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2012.

LAPOUJADE, D. “O Corpo que não aguenta mais”. In: LINS, D.. GADELHA, S. (orgs.). Nietzsche e Deleuze: que pode o corpo. Rio de Janeiro: Relume Dumará, Fortaleza: Secretaria da Cultura e Desporto, 2002.

PELBART, P. P. Vida Capital – Ensaios de Biopolítica. São Paulo: Editora Iluminuras, 2003.

Downloads

Publicado

2020-07-31

Como Citar

Fernandes, R. A. (2020). O esgotado artista contemporâneo. Opiniães, (16), 155-162. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.168511