Que nos diluísse em materia de nojo: moeda viva e a (de)sacralização da casa-grande em Crônica da casa assassinada de Lúcio Cardoso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.172474

Palavras-chave:

Lúcio Cardoso, Crônica da casa assassinada, Hermenêutica, Economia pós-colonial, Marilena Chaui

Resumo

Colocando o livro em diálogo com as teorias hermenêuticas do autor, inspiradas por Nietzsche, o presente ensaio almeja analisar os efeitos tanto temporais quanto económicos ligados à estética de fragmentação em Crônica da Casa Assassinada de Lúcio Cardoso. Recorrindo ao pensamento de Marilena Chauí e Gilberto Freyre, o foco do ensaio expande do vulto da casa-grande, na qual a vida espiritual de habitantes entrelaçava com a economia de escravidão. Cardoso escrevia numa época quando divisões políticas refletava aumentos no interesse por materialidade e marxismo brasileiro, num lado, e afiliações ressurgentes com a Igreja Católica, no outro. Por salientar a relação entre essa arquitetura colonial no romance e suas leituras de Gênesis, o ensaio procura questionar a categorização simples de Cardoso entre os católicos e, além disso, establecê-lo como um autor que, invocando filosofias de repetição, se recusa de periodização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leo Stephen Merlin Temple, University of Cambridge

Doutorando no Departamento de Linguagens Modernas e Medievais e Linguística, Universidade de Cambridge, no Reino Unido.

Referências

AUERBACH, Erich. Figura. In: AUERBACH, Erich. Scenes From the Drama of European Literature. Tradução ao inglês de Ralph Manheim. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1984.

BĺBLIA SAGRADA TRADUÇÃO BRASILEIRA [e-pub]. Barueri, São Paulo: Sociedade Bíblica do Brasil, 1946.

BRANDÃO, Ruth Silviano. Lúcio Cardoso: príncipe, mas esfarrapado. Ipotesi, Juiz de Fora, v. 11, n. 1, p. 31 - 38, jan.-jun., 2007. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/ipotesi/article/view/19328. Acesso em: 07 dez. 2020.

CANCLINI, Néstor García. Culturas híbridas. estrategias para entrar y salir de la modernidad. Buenos Aires: Editorial Sudamericana, 1995.

CANDIDO, Antonio. A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Editora Ática, 1989.

CARDOSO, Elizabeth. Feminilidade e transgressão. uma leitura da prosa de Lúcio Cardoso. São Paulo: Humanitas/Fapesp, 2013.

CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. Ed. crítica coord. por Mario Carelli. España, Archivos/CSIC, 1991. (Col. Archivos, 18).

CARDOSO, Lúcio. Diário de Terror. In: CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. Ed. crítica coord. por Mario Carelli. España, Archivos/CSIC, 1991. (Col. Archivos, 18).

CARDOSO, Lúcio. Diários. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

CHAUÍ, Marilena. Mito fundador. In: CHAUÍ, Marilena. Brasil: Mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo. Coleção História do Povo Brasileiro, 2001.

CONDE, Maite. Introduction. Social and Cinematic Engagements. In: CONDE, Maite. Paulo Emilio Salles Gomes. On Brazil and Global Cinema. Edited by Maite Conde and Sophie Dennison. Cardiff: University of Wales Press, 2018.

CALDEIRA, Rodrigo Coppe. Pecado e santidade na alma em ruínas. Estadão, 19 ago. 2018. Disponível em: https://estadodaarte.estadao.com.br/pecado-e-santidade-na-alma-em-ruinas/. Acesso em: 25 nov. 2020.

DELEUZE, Gilles. Nietzsche and Philosophy. Tradução ao inglês de Hugh Tomlinson. Londres: Athlone, 1983.

FORTES, Rita Felix; MOREIRA, Kelly dos Santos. A ruína da casa e a decomposição da família. Anuário de Literatura, Florianópolis, v.16, n. 1, p. 85-98, 2011.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande e senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. Recife: Globo Editora, 2003.

JOHNSON, Randal. Notes on the Structures of Literary Authority in Brazil, 1945-1980. Mester, Los Angeles, California, v. xxiv, n.1, p. 3-17, 1995.

KLOSSOWSKI, Pierre. The Living Currency. Tradução ao inglês de Vernon W. Cisney, Nicolae Morar, e Daniel W. Smith. London: Bloomsbury Academic, 2017.

LAMEGO, Valéria. Os contos de Lúcio Cardoso. In: CARDOSO, Lúcio. Contas da ilha e do continente. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2012.

LAMEGO, Valéria. O conto e a vida literária de Lúcio Cardoso. 2012. p.186. Dissertação (Doutorado em Literatura, Cultura e Contemporaneidade) Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

LOPES, Denilson. Destruir diz ele. In: RODRIGUES, Leandro Garcia (org.). Lúcio Cardoso. 50 anos depois. Belo Horizonte: Relicário, 2020. Disponível em: https://www.academia.edu/43863786/Destruir_diz_ele. Acesso em: 22 nov. 2020.

MICELI, Sergio. Intelectuais à Brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

MICELI, Sergio. Intelectuais e Classe Dirigente no Brasil, 1920-1945. São Paulo: Difel/Difusão Editorial, 1979.

MOUTINHO, José Geraldo Nogueira. A Tragédia Espiritual de Lúcio Cardoso. In: CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. Ed. crítica coord. por Mario Carelli. España, Archivos/CSIC, 1991. (Col. Archivos, 18).

MUSSKOPF, André. Via(da)gens teológicos. Itinerários para uma teologia queer no Brasil. São Paulo: Fonte Editorial, 2012.

NIETZSCHE, Friedrich. The Birth of Tragedy and Other Writings. Tradução ao inglês de Ronald Spiers. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

NIETZSCHE, Friedrich. On the Genealogy of Morality. Tradução ao inglês de Carol Diethe. Cambridge: University of Cambridge Press, 2007.

NIETZSCHE, Friedrich. Thus Spoke Zarathustra. Tradução ao inglês de Adrian del Caro. Cambridge: University of Cambridge Press, 2006.

NIETZSCHE, Friedrich. The Will to Power. Tradução ao inglês de Walter Kauffman e R.J. Hollingdale. Nova York: Vintage, 1968.

QUEIROZ, Rachel de. In: HOLANDA, Karla; TERRA, Eliane. Lúcio Cardoso: inventor de totalidades existenciais. Rio de Janeiro, 1993. Elenco: Buza Ferraz. Depoimentos de: Rachel de Queiroz, Antônio Carlos Villaça, Ledo Ivo, Nelson Dantas e outros. (3min51s). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=5bCQIFplHq4&t=98s&ab_channel=CPedroso. Acesso em: 22 nov. 2020.

RAMA, Angel. La ciudad letrada. Montevidéu, Uruguai: Arca, 1998.

RIBEIRO, Gustavo Silveira. Crônica da casa assassinada: o sentido do trágico. Revista Terceira Margem v. 24, n. 42, p. 105-120, 2020.

SILVA, Enaura Queixabeira Rosa e. Lúcio Cardoso. Paixão e morte na literatura brasileira. Maceió: Universidade Federal de Alagoas, 2004.

SANTOS, Cássia dos. Polêmica e controvérsia em Lúcio Cardoso. São Paulo: Mercado de Letras, 2001.

SCHWARZ, Robert. Misplaced Ideas. Essays on Brazilian Culture. Edição de John Gledson. London: Verso, 1992.

SCHWARZ, Robert. As ideias fora do lugar. São Paulo: Universidade de E-disciplinas, São Paulo. Disponível em:

https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/1969951/mod_resource/content/0/Roberto%20Schwarz%20-%20As%20Id%E2%80%9Aias%20Fora%20do%20Lugar.pdf. Acesso em: 20 mai. 2020.

TURNER, Victor W. Reading Betwixt and Between: the Liminal Period in Rites de Passage. In: ed. LESSA, William A.; VOGT, Evon Z. Reader in Comparative Religion. Londres: Pearson, 1979.

Downloads

Publicado

2020-12-20

Como Citar

Temple, L. S. M. (2020). Que nos diluísse em materia de nojo: moeda viva e a (de)sacralização da casa-grande em Crônica da casa assassinada de Lúcio Cardoso. Opiniães, (17), 318-339. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.172474