Entre o verso e o anverso da feminilidade: o Mal em Crônica da casa assassinada

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.172835

Palavras-chave:

Mal, Desejo, Interdição, Transgressão, Feminilidade , Crônica da casa assassinada

Resumo

Este artigo procura refletir sobre os perfis femininos com os quais Lúcio Cardoso escreveu sua poética do Mal: Crônica da casa assassinada (1959), considerando a presença do discurso forjado pela tradição cristã para interditar e cercear o desejo, anulando qualquer caminho direcionado ao prazer e ao conhecimento de si. Apesar de castrador, esse discurso não extingue a flamejante chama do desejo, ao contrário, transforma-se em esteio à germinação da semente da rebeldia, geradora de personagens transgressoras de preceitos morais e religiosos. Logo, constata-se a condição humana insatisfeita – eis o sustentáculo imprescindível à difusão do Mal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Romildo Biar Monteiro, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Mestre em Letras pela Universidade Federal do Ceará. Atualmente é doutorando no Programa de Pós-Graduação em Letras da referida instituição, onde trabalha com o mal na literatura, principalmente nas literaturas portuguesa e brasileira. Pesquisador do Grupo de Estudos Vertentes do Mal na Literatura e bolsista da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico – FUNCAP.

Referências

ALVES, Roque de Brito. Ciúme e crime. São Paulo: Fasa, 1984.

AYALA, Walmir. Crônica da casa assassinada: à espera do livro. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, p. 1. 27 abr. 1958. (Suplemento Dominical). Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/030015_07/86911. Acesso em: 28 abr. 2019.

BARROS, Marta Cavalcante de. Espaços de memória: uma leitura de Crônica da casa assassinada, de Lúcio Cardoso. São Paulo: Nova Alexandria, 2002.

BATAILLE, Georges. O erotismo. Tradução de Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Autêntica, 2017a.

BATAILLE, Georges. A literatura e o Mal. Tradução de Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Autêntica, 2017b.

BAUDRILLARD, Jean. A transparência do Mal: ensaio sobre os fenômenos extremos. Tradução de Estela dos Santos Abreu. 10. ed. Campinas, SP: Papirus, 2008.

BESANÇON, Gui. Notas clínicas e psicopatológicas. In: CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. 2. ed. crítica rev. coord. por Mario Carelli. Madrid; Paris; México; Buenos Aires; São Paulo; Rio de Janeiro; Lima, ALLCA XX, 1996, p. 776-783. (Coleção Archivos).

BOOTH, Wayne. A retórica da ficção. Tradução de Maria Teresa H. Guerreiro. Lisboa: Arcádia, 1980.

BORGES, Jorge Luis. O livro dos seres imaginários. Tradução de Heloísa Jahn. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Tradução de Maria Helena Kühner. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2015.

BRANDÃO, Ruth Silviano. Mulher ao pé da letra. Belo Horizonte: Secult/Editora UFMG, 1993.

BRAVO, Nicole Fernadez. Duplo. In: BRUNEL, Pierre. Dicionário de mitos literários. Tradução de Carlos Sussekind et. al. 2. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1998.

CAMUS, Albert. O homem revoltado. Tradução de Valerie Rumjanek. Rio de Janeiro: Record, 2010.

CARDOSO, Elizabeth. Feminilidade e transgressão: uma leitura da prosa de Lúcio Cardoso. São Paulo: Humanitas/FAPESP, 2013.

CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. 2. ed. crítica rev. coord. por Mario Carelli. Madrid; Paris; México; Buenos Aires; São Paulo; Rio de Janeiro; Lima, ALLCA XX, 1996, p. 625-639. (Col. Archivos, 18).

CARELLI, Mario. Corcel de fogo: vida e obra de Lúcio Cardoso (1912 1968). Rio de Janeiro: Guanabara, 1988.

CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA. Brasília: Edições Loyola, 2000.

DUMOULIÉ, Camille. O desejo. Petrópolis: Vozes, 2005.

FARIA, Octávio de. Lúcio Cardoso. In: CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. 2. ed. crítica rev. coord. por Mario Carelli. Madrid; Paris; México; Buenos Aires; São Paulo; Rio de Janeiro; Lima, ALLCA XX, 1996, p. 659-680. (Coleção Archivos).

GALIMBERTI, Umberto. Os vícios capitais e os novos vícios. Tradução de Sérgio José Schirato. São Paulo: Paulus, 2004.

KAST, Verena. Sísifo: vida, morte e renascimento através do arquétipo da repetição infinita. Tradução de Erlon José Paschoal. 2. ed. São Paulo: Cultrix,2017.

LAVELLE, Louis. O Mal e o sofrimento. Tradução de Lara Christina de Malimpensa. São Paulo: É Realizações, 2014.

LISPECTOR, Clarice. Correspondências/Clarice Lispector. MONTEIRO, Teresa (org.). Rio de Janeiro: Rocco, 2002.

MEZAN, Renato. A inveja. In: NOVAES, Adauto (org.). Os sentidos da paixão. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. p. 128-156.

PAREYSON, Luigi. Dostoiévski: Filosofia, romance e experiência religiosa. Tradução de Maria Nery Garcez e Sylvia Mendes Carneiro. São Paulo: Edusp, 2012.

PAZ, Octavio. A dupla chama: amor e erotismo. Tradução de Wladir Dupont. São Paulo: Siciliano, 2001.

ROSSET, Clément. O real e o seu duplo: ensaio sobre a ilusão. Apresentação e tradução de José Thomaz Brum. 2. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2008. (Sabor Literário).

SANFORD, John A. Mal: o lado sombrio da realidade. Tradução de Sílvio José Pilone João Silvério Trevisan. São Paulo: Paulus, 1988.

SILVA, Enaura Quixabeira Rosa e. Do traje ao ultraje: uma análise da indumentária e do sistema de objetos em Crônica da casa assassinada. Maceió: Edufal/Cesmac, 2009.

SILVA, Enaura Quixabeira Rosa e. Lúcio Cardoso: paixão e morte na Literatura Brasileira. Maceió: Edufal, 2004.

SOARES, Angélica. Gêneros Literários. 7. ed. São Paulo: Ática, 2007.

SPINOZA, Benedictus de. Ethique. Tradução de Bernard Pautrat. Paris: Seuil, 1999. (Ed. bilíngue).

WHITMONT, Edward C. A evolução da sombra. In: ZWEIG, Connie; ABRAMS, Jeremiah (orgs.). Ao encontro da sombra: o potencial oculto do lado escuro da natureza humana. Tradução de Merle Scoss. São Paulo: Cultrix, 1994. p. 36-42.

Downloads

Publicado

2020-12-20

Como Citar

Monteiro, R. B. (2020). Entre o verso e o anverso da feminilidade: o Mal em Crônica da casa assassinada. Opiniães, (17), 104-126. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.172835