Tragédia e redenção da personagem da mãe-escrava: uma análise comparativa de Mãe, de José de Alencar, e Cancros Sociais, de Maria Angélica Ribeiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.173189

Palavras-chave:

Maria Angélica Ribeiro, José de Alencar, Cancros Sociais, Mãe, Dramaturgia-reflexo

Resumo

O presente artigo tem como finalidade apresentar uma análise comparativa entre a peça Mãe, de José de Alencar (1829 – 1877), e Cancros sociais, de Maria Angélica Ribeiro (1829 – 1880). Tendo sido Maria Ribeiro uma autora pioneira na escrita dramatúrgica feminina e nacional do século XIX, esta análise, além de fortalecer o campo de estudos de ambas as obras, tem também como finalidade apresentar um olhar atencioso sobre uma das obras mais aclamadas da autora, divulgando-a como forma de fortalecer a figura feminina na dramaturgia brasileira. Cancros Sociais pode ser considerada uma dramaturgia-reflexo de Mãe, o que incentiva uma análise, dentre outros aspectos, da construção e do desfecho da personagem da mãe-escrava que, a depender do autor, apresenta temperamentos e atitudes opostos, revelando posições e intenções específicas de cada dramaturgo. Acima de tudo, este é um trabalho que tem como foco duas produções escritas em uma época anacrônica aos tempos atuais, contrastando os pensamentos contemporâneos aos históricos, presentes nas obras analisadas, e exigindo determinado distanciamento para que se possa compreender as obras artísticas a partir das normais sociais e culturais vigentes na época.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jean Bruno Carvalho, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Jean Bruno Carvalho é performer, ator e pesquisador do teatro, com foco em dramaturgia pelo viés da arte da performance (PIBIC/CNPq: “A fricção do corpo vivo com o concreto da cidade pelo viés da performatividade”). Estudante de Bacharelado em Artes Cênicas (Universidade Estadual de Campinas e Universidade de Évora, Portugal), é integrante da Cia. TaDá de teatro de formas animadas. Sua pesquisa atual está sobre a dramaturgia teatral feminina oitocentista de Maria Angélica Ribeiro (FAPESP processo n. 2019/16461-3: "A dramaturgia-reflexo de Maria Angélica Ribeiro: aquela considerada a primeira dramaturga brasileira").

Referências

ALENCAR, José de. Mãe. s.d. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/bi000161.pdf. Acesso em: 10 dez. 2020.

FARIA, João Roberto (org.). Antologia do teatro realista. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

FARIA, João Roberto. Ideias teatrais: o século XIX no Brasil. São Paulo: Perspectiva: 2001.

FARIA, João Roberto (org.). Machado de Assis: do teatro. São Paulo: Perspectiva, 2008.

FARIA, João Roberto. O teatro realista no Brasil: 1855-1865. São Paulo: Perspectiva, 1993.

RIBEIRO, Maria Angélica. Cancros sociais. In. SOUTO-MAIOR, Valéria Andrade (org.). Maria Ribeiro, teatro quase completo. Florianópolis: Mulheres, 2008.

SILVEIRA, Éder. A polêmica Alencar-Nabuco e a crise da poética romântica. In: IX Encontro Estadual de História, julho, 2008, Porto Alegre. Anais eletrônicos. Porto Alegre: IFCH – URGS, 2008. Disponível em: http://eeh2008.anpuh-rs.org.br/resources/content/anais/1212202175_ARQUIVO_artigo_alencar_nabuco.pdf. Acesso em: 30 nov. 2020.

SOUTO-MAIOR, Valéria Andrade. Gabriela e Cancros sociais: a estratégia palimpséstica no teatro de Maria Angélica Ribeiro. In: MALUF, Sheila Diab; AQUINO, Ricardo Bigi de (org.). Dramaturgia e teatro. Maceió: Edufal, 2004.

Downloads

Publicado

2020-12-20

Como Citar

Carvalho, J. B. (2020). Tragédia e redenção da personagem da mãe-escrava: uma análise comparativa de Mãe, de José de Alencar, e Cancros Sociais, de Maria Angélica Ribeiro. Opiniães, (17), 575-596. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.173189

Dados de financiamento