Um longo e penoso trabalho de desagregação: representação do atraso na Crônica da casa assassinada, de Lúcio Cardoso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.173731

Palavras-chave:

Crônica da casa assassinada, Ruína, Consciência do atraso

Resumo

O artigo pretende analisar o romance Crônica da casa assassinada (1959), de Lúcio Cardoso, sob o viés da consciência do atraso que marca a experiência literária brasileira. Tendo como base as ideias de Antonio Candido sobre o atraso brasileiro, o romance é visto a partir da ótica da ruína como representação da decadência e da permanente dialética entre atraso e progresso inerentes à formação da nação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Batista de Sousa, Instituto Federal de Brasília (IFB)

Mestrando em Estudos Literários do Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística (PPLIN), da Faculdade de Formação de Professores da UERJ, onde desenvolve pesquisa sobre os aspectos góticos no teatro de Lúcio Cardoso, sob a orientação do professor Fernando Monteiro de Barros.

Referências

AUERBACH, Erich. Mimesis: a representação da realidade na literatura ocidental. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 2004.

BARROS, Marta Cavalcante. Espaços de memória: uma leitura da Crônica da casa assassinada, de Lúcio Cardoso. São Paulo: Nova Alexandria, 2002.

BASTOS, Hermenegildo. Formação e Representação. In: Cyntrão, S. (org.) Revista Cerrados, nº. 21, Brasília, 2006.

BUENO, Luís. Uma história do romance de 30. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo; Campinas: Editora da Unicamp, 2006.

CANDIDO, Antonio. Crítica e Sociologia. In: Literatura e Sociedade. Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul, 2006.

CANDIDO, Antonio. Literatura e subdesenvolvimento. In: A Educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Ática, 1989.

CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. 6. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. 2. ed. crítica rev. coord. por Mario Carelli. Madrid; Paris; México; Buenos Aires; São Paulo; Rio de Janeiro; Lima, ALLCA XX, 1996. (Col. Archivos, 18).

CHIAPPINI, Ligia. O foco narrativo (ou a polêmica em torno da ilusão). 10. ed. São Paulo: Ática, 2005.

CORRÊA, Ana Laura dos Reis. Era Apenas a Sobrevivência de Coisas Idas: Lúcio Cardoso e a Crônica da Ruína e da Desagregação em Região Periférica. In: Anais do Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada, 2006: Lugares de Discursos. Rio de Janeiro: Abralic, 2006.

FRIZON, Marcelo. Morte e Vida Severina e o super-regionalismo. In: Revista Terceira Margem, vol. 9, n. 12, 2005. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/tm/article/view/37874. Acesso em: 07 dez, 2020.

MORENO, Naiara Alberti. O coronel e o lobisomem nas veredas da literatura regionalista brasileira. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2015.

MORETTI, Franco. Conjeturas sobre a literatura mundial. In: Novos Estudos Cebrap, n. 58, nov. 2000, p. 173-181. Disponível em: http://novosestudos.com.br/produto/edicao-58/. Acesso em: 07 dez. 2020.

PEREIRA, Lúcia Miguel. História da literatura brasileira, prosa de ficção de 1870 a 1920. Rio de Janeiro: José Olympio/MEC, 1973.

PORTELLA, Eduardo. A linguagem prometida. In: CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. 2. ed. crítica rev. coord. por Mario Carelli. Madrid; Paris; México; Buenos Aires; São Paulo; Rio de Janeiro; Lima, ALLCA XX, 1996. (Col. Archivos, 18).

ROSA, Guimarães. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: Objetiva, 2005.

SILVA, Enaura Quixabeira Rosa e. A alegoria da ruína: uma análise da Crônica da casa assassinada. Maceió: HD Livros, 1995.

Downloads

Publicado

2020-12-20

Como Citar

Sousa, R. B. de. (2020). Um longo e penoso trabalho de desagregação: representação do atraso na Crônica da casa assassinada, de Lúcio Cardoso. Opiniães, (17), 297-317. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.173731