Transvaloração em Crônica da casa assassinada: Timóteo e o punhal de Lúcio Cardoso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.173759

Palavras-chave:

Lúcio Cardoso, Crônica da casa asssassinada, Friedrich Nietzsche, Transvaloração, Literatura brasileira, Filosofia

Resumo

Crônica da casa assassinada é, segundo Lúcio Cardoso, parte de seu movimento de luta contra Minas Gerais. Este artigo propõe uma análise da relação entre o autor e a sua terra natal, buscando compreender as razões pelas quais Lúcio se colocava contra Minas e a herança cultural dela advinda. Sob essa perspectiva, a noção nietzschiana de transvaloração de todos os valores se mostra como chave interpretativa válida, uma vez que o escritor brasileiro condenava a moral judaica. De tal modo, sendo o movimento de luta um movimento transvalorativo, tentar-se-á mostrar que Timóteo é aquele responsável pelo golpe final contra os Meneses, tornando-se o “assassino” da casa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diogo Andrade de Lima, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Possui graduação em Filosofia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Atualmente desenvolve pesquisa de mestrado sobre os Diários de Lúcio Cardoso no Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários pela mesma instituição.

Referências

AMADO, Gilberto. Carta a Lúcio Cardoso. Fundação Casa de Rui Barbosa. Arquivo Literário de Lúcio Cardoso, código LC – 09, s/d.

BANDEIRA, Manuel. Lúcio Cardoso. Folha de São Paulo, São Paulo, 3 dez. 1960. Folha Ilustrada, Efemérides, p. 2. Disponível em:

http://acervo.folha.uol.com.br/fsp/1960/12/03/21//4498698. Acesso em: 6 nov. 2020.

BÍBLIA. Bíblia de Jerusalém. São Paulo: Paulus, 2002.

BRANDÃO, Ruth Silviano. Lúcio Cardoso: príncipe, mas esfarrapado. Revista Ipotesi, Juiz de Fora, v. 11, n. 1, p. 31-38, 2007. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/ipotesi/article/view/19328/10314. Acesso em: 20 ago. 2020.

CARDOSO, Lúcio. Diários. Ed. Ésio Macedo Ribeiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. 14. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CARDOSO, Lúcio. Entrevista a Walmir Ayala. In: Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, Suplemento Dominical, ano LXVIII, n. 96, 27 abr. 1958.

CARDOSO, Maria Helena. Vida-vida. Rio de Janeiro: José Olympio, 1973.

CARELLI, Mario. Corcel de fogo: vida e obra de Lúcio Cardoso (1912-1968). Rio de Janeiro: Guanabara, 1988.

CARELLI, Mario. Comentário ao Diário de terror. In: CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. Edição Crítica. Coord.: Mario Carelli. 2. ed. Madrid; Paris; México; Buenos Aires; São Paulo; Rio de Janeiro; Lima: ALLCA XX, 1996.

CIORAN, Emil. Nos cumes do desespero. São Paulo: Hedra, 2011.

CIORAN, Emil. O livro das ilusões. Rio de Janeiro: Rocco, 2014.

COLLINS, Adela Yarbro. Paul’s Disability: The Thorn in his Flesh. In: Disability Studies and Biblical Literature, 2011. Ed. MOSS, Candida; SCHIPPER, Jeremy. London: Palgrave Macmillan, 2011.

CUNHA, Fausto. MM: repouso forçado. In: Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, Caderno B, ano LXX, n. 254, 28 out. 1960.

KAUFMANN, Walter. Nietzsche: Philosopher, Psychologist, Antichrist. Princeton, Oxford: Princeton University Press, 2013.

KIERKEGAARD, Sören. The Thorn in the Flesh. In: Eighteen Upbuilding Discourses. Nova Jersey: Princeton University Press, 1992, p. 327-346.

MARTON, Scarlett. Nietzsche: das forças cósmicas aos valores humanos. São Paulo: Brasiliense, 1990.

MATILDE, Braian Sanches. O martelo transvalorador. Revista Trágica: estudos sobre Filosofia da Imanência, v. 6, n. 2, 2. sem. 2013, p. 48-55. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/tragica/article/view/26679/14635. Acesso em: 29 ago. 2020.

MULLINS, Terence. Paul’s Thorn in the Flesh. In: Journal of Biblical Literature, v. 76, n. 4, p. 299-303, dez. 1957. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/3261900. Acesso em: 18 jul. 2020.

NIETZSCHE. Além do bem e do mal. São Paulo: Hemus, 2001.

NIETZSCHE. Ecce homo. Porto Alegre: L&PM, 2003.

NIETZSCHE. Assim falou Zaratustra. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

NIETZSCHE. O anticristo. Porto Alegre: L&PM, 2014.

NIETZSCHE. Crepúsculo dos ídolos, ou, Como se filosofa com o martelo. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

NIETZSCHE. O nascimento da tragédia, ou Helenismo e pessimismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

FARIA, Octávio de. Nota de página. In: CARDOSO, Lúcio. Poemas inéditos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

RUBIRA, Luís Eduardo. Uma introdução à transvaloração de todos os valores na obra de Nietzsche. Revista Tempo da Ciência, v. 12, n. 24, p. 113-122, 2005. Disponível em: http://saber.unioeste.br/index.php/tempodaciencia/article/view/449/364. Acesso em: 31 jul. 2020.

SAMPAIO, Laura Cristina Ferreira. A exigência religiosa e os limites da ética: considerações acerca da continuidade ou ruptura entre os estágios ético e religioso em Kierkegaard. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2004, 122 p. Disponível em: http://www.repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/6469/1/2004-DIS-LCFSAMPAIO.pdf. Acesso em: 18 jul. 2020.

SANTOS, Cássia dos. Criando Vila Velha e destruindo Minas Gerais: Lúcio Cardoso e a série iniciada com a Crônica da casa assassinada. Sínteses – Revista dos Cursos de Pós-Graduação, v. 11, p. 463-474, 2006. Disponível em:

http://revistas.iel.unicamp.br/index.php/sinteses/article/view/177. Acesso em: 12 ago. 2020.

SANTOS, Cassia dos. Uma paisagem apocalíptica e sem remissão: a criação de Vila Velha e da Crônica da casa assassinada. 2005. 282pp. Tese (doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, SP. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/270213. Acesso em: 28 jul. 2020.

SILVA, Carlos Roberto da. A estetização da doença na ficção de Lúcio Cardoso. 2016. 183f. Tese (Doutorado em Letras – Estudos Literários) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2016. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/ECAP-A7GNNQ. Acesso em: 12 ago. 2020.

SILVA, Enaura Quixabeira Rosa e. Do traje ao ultraje. Maceió: EDUFAL: CESMAC, 2009.

SILVA, Enaura Quixabeira. Lúcio Cardoso: paixão e morte na literatura. Maceió: EDUFAL, 2004.

VIANNA, Lúcia Helena. Lúcio Cardoso, o sujeito ex-cêntrico. Gragoatá – Revista do programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ, n. 17, pp. 151-169, 2004. Disponível em: https://periodicos.uff.br/gragoata/article/download/33324/19311. Acesso em: 31 jul. 2020.

VIESENTEINER, Jorge Luiz. A grande política em Nietzsche. São Paulo: Annablume, 2006.

VILELA, Andréa de Paula Xavier. Lúcio Cardoso: o traçado de uma vida. 2007. 204f. Tese (Doutorado em Letras – Estudos Literários) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=120572. Acesso em: 28 jul. 2020.

Downloads

Publicado

2020-12-20

Como Citar

Lima, D. A. de. (2020). Transvaloração em Crônica da casa assassinada: Timóteo e o punhal de Lúcio Cardoso. Opiniães, (17), 386-409. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.173759