Espiar pela fresta: a sedução textual em Crônica da casa assassinada

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.173789

Palavras-chave:

Lúcio Cardoso, Crônica da casa assassinada, O prazer do texto, Hermenêutica, Erotismo

Resumo

Este artigo analisa o efeito de erotização do texto em Crônica da casa assassinada (1959), de Lúcio Cardoso. Buscamos compreender a questão para além propriamente do conteúdo do romance, em si já repleto de irrupções de desejos das personagens, mas identificando como o manejo da linguagem do livro se apresenta enquanto elemento sedutor. Como primeiro passo, ao comportamento voyeurístico das personagens, habituadas a se esgueirar em frinchas para espionar umas às outras, é atrelada a atividade do leitor. Em seguida, a linguagem, através das aberturas temporais, e a própria estrutura do texto, por meio da supressão de trechos das narrativas, são abordadas enquanto componentes que reforçam esse intenso jogo de aparecimento-desaparecimento visto no romance. Por fim, somamos à análise uma série de proposições críticas a respeito do papel do velamento na arte, entendendo o recurso como responsável por fornecer algo de erótico à arquitetura narrativa de Crônica da casa assassinada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Frederico van Erven Cabala, Universidade Federal Fluminense (UFF)

Doutorando em Literatura Comparada pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Possui mestrado em Literatura Brasileira e Teoria Literária pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e especialização em Literatura Brasileira pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Desenvolve pesquisas sobre a literatura e o teatro no Brasil de meados do século XX, sobretudo as produções artísticas de Lúcio Cardoso, Oswald de Andrade e Nelson Rodrigues e suas relações com a sociedade.

Referências

BARTHES, Roland. O prazer do texto. Tradução de J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2015.

BENJAMIN, Walter. Ensaios reunidos: escritos sobre Goethe. Tradução de Mônica Krausz Bornebusch, Irene Aron e Sidney Camargo. São Paulo: Editora 34, 2009.

CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2000.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade 1: a vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 2010.

HAN, Byung Chul. A salvação do belo. Tradução de Gabriel Salvi Philipson. Petrópolis: Vozes, 2019.

KRISTEVA, Julia. Introdução à semanálise. Tradução de Lúcia Helena França Ferraz. 2 ed. São Paulo: Perspectiva, 2005.

LLANSOL, Maria Gabriela. Onde vais Drama-Poesia? Lisboa: Relógio d ́Água, 2000.

LISPECTOR, Clarice. Água viva. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

LOPES, Adília. Estar em casa. Lisboa: Assírio & Alvim, 2018.

SILVA, Eduardo Marinho da. Trama íntima e figuração derradeira: o arranjador e a orquestração das vozes narrativas na Crônica da casa assassinada, de Lúcio Cardoso. 2019. Dissertação (Mestrado em Literatura Brasileira) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2019.

SONTAG, Susan. Contra a Interpretação e Outros Ensaios. Tradução de Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

Downloads

Publicado

2020-12-20

Como Citar

Cabala, F. van E. (2020). Espiar pela fresta: a sedução textual em Crônica da casa assassinada. Opiniães, (17), 201-219. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.173789