Desordem e destruição na casa patriarcal brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.176711

Palavras-chave:

Lúcio Cardoso, Família brasileira, Crise do patriarcado rural, Crônica da casa assassinada

Resumo

A proposta de Lúcio Cardoso de que sua literatura exprimisse sua descrença no tempo em que vivia se concretiza no romance Crônica da Casa Assassinada que tem como eixo temático o processo de implosão da estrutura familiar dos Meneses. O presente trabalho discute o modo peculiar com que o romancista aborda os sinais de desordem que contrastam com o esforço de manutenção das tradições do patriarcado rural brasileiro. O estudo parte de um paralelo com os procedimentos adotados por Nelson Rodrigues e José Lins do Rego no enfoque de questões análogas concernentes à ordem familiar num momento crucial do processo de modernização da sociedade brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Victor Hugo Adler Pereira, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Professor-Associado do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Doutor em Letras Vernáculas (Literatura Brasileira). Bolsista APQ 1-D, CNPQ.

Referências

ABREU, Luciano Aromed. Nacionalismo, autoritarismo e desenvolvimento no Brasil de Vargas. Méties: história e cultura, v. 13, n. 26, jul.-dez., 2014. p. 171-184.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento. São Paulo/Brasília, 1996.

BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoiévski. Tradução de Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

BESSE, Susan. Modernizando a desigualdade: reestruturação da ideologia de gênero no Brasil: 1914-1940. Tradução de Lólio L. de Oliveira. São Paulo: EDUSP, 1999.

CARELLI, Mario. Corcel de fogo: vida e obra de Lúcio Cardoso (1912 – 1968). Tradução de Júlio Castañon Guimarães. Rio de Janeiro: Guanabara, 1988.

CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CARDOSO, Lúcio. Diários. Ed. Ésio Ribeiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

CARDOSO, Lúcio. “Diário de Terror”. In: Diários. Ed. Ésio Macedo Ribeiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

FOUCAULT, Michel. The History of Sexuality. The Will to Knowledge (Vol. I). Nova York: Vintage Books, 1990.

OLIVEIRA, Frederico van Erven Cabala. Lúcio Cardoso e Nelson Rodrigues: arquitetos da decadência. 2019. 127 f. Dissertação (Mestrado em Estudos de Literatura) – Universidade Federal Fluminense, Niterói-RJ, 2019.

PEREIRA, Victor Hugo Adler. Enfoques críticos e alternativos sobre as relações de gênero em obras de José Lins do Rego. ArtCultura, Uberlândia, v. 18 nº 33, 2016.

PONDÉ, Luiz Felipe. Crítica e profecia – a filosofia da religião em Dostoiévski. São Paulo: Globo Livros, 2019.

RAGO, Margareth. Do cabaré ao Lar: a utopia da cidade disciplinar e a resistência anarquista (Brasil 1890-1930). São Paulo: Paz e Terra, 2014.

ROUDINESCO, Elisabeth. A família em desordem. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

SÜSSEKIND, Flora. Nelson Rodrigues e o fundo falso. In. BACARELLI. João. Introdução ao teatro jesuítico no Brasil. Brasília: Dept. de Documentação e Divulgação, MEC, 1977.

SÜSSEKIND, Flora. Tal Brasil, qual romance? Uma ideologia estética e sua história: o naturalismo. Rio de Janeiro: Achiamé, 1984.

SZONDI, Peter. Ensaio sobre o trágico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

VAINFAS, Ronaldo. Trópico dos pecados: moral, sexualidade e inquisição no Brasil. Civilização Brasileira: Rio de Janeiro, 2010.

VERNANT, Jean-Pierre; VIDAL-NAQUET, Pierre. Mito e tragédia na Grécia antiga. São Paulo: Perspectiva, 2008.

Downloads

Publicado

2020-12-20

Como Citar

Pereira, V. H. A. (2020). Desordem e destruição na casa patriarcal brasileira. Opiniães, (17), 340-364. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.176711