Literatura afrofeminina: a construção de novos significados

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2021.179980

Palavras-chave:

Memória, Identidade, Poética afrofeminina, Mulher negra

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar os elementos que permitem identificar o corpus da poética afrofeminina, estabelecendo uma discussão a respeito do conceito de escrevivência, cunhado pela escritora mineira Conceição Evaristo, e o processo de ressignificação da noção de identidade da mulher negra no Brasil por meio da literatura. A compreensão dos paradigmas e da perspectiva epistemológica negra presentes na materialidade textual desta poética pautou-se nos três temas estabelecidos pela teórica Patricia Hill Collins (2016), quais sejam: 1) a autodefinição e autoavaliação, que permitem uma autonomia de pensamento e resistência à objetificação inerente aos sistemas de dominação; 2) a intersecção entre múltiplas estruturas de dominação, que permite ao sujeito negro identificar o entroncamento e as nuances de um jogo estabelecido arbitrariamente pelo discurso hegemônico; 3) a redefinição e explicação da importância da cultura da mulher negra. A partir deles, estas mulheres exploram suas próprias vivências, identificando áreas concretas de relações sociais onde são criadas e transmitidas autodefinições e autoavaliações. A contrapelo, personagens e toda uma semântica irrompem, conduzindo um fio de memórias e revelando especificidades identitárias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tassia Nascimento, Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ

Doutoranda em Ciência da Literatura pela UFRJ, Mestre em Estudos Literários pela Universidade Estadual de Londrina e Licenciada em Letras Português e Espanhol - com as respectivas literaturas - pela mesma universidade. Vencedora dos Prêmios Mulheres Negras contam sua história (2013) e Prêmio Palmares de Monografia e Dissertação (2010). Pesquisadora do projeto Literaturas africanas e afro-brasileira: mar negro em língua portuguesa pela Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul (UEMS). Bolsista do Programa de Iniciação Científica (PROIC) da UEL desenvolvendo atividades relativas à pesquisa intitulada Antologia de escritoras afro-brasileiras no período de agosto/2005 a julho/2007. Colaboradora do Projeto de Extensão intitulado Construindo o cidadão pela linguagem , de março/2007 a novembro/07. Atualmente professora das redes Municipal e Estadual de ensino de São Paulo. Experiência docente nas seguintes áreas: Língua Portuguesa, Produção e Interpretação de Textos, Literatura e Língua Espanhola.

Referências

CADERNOS NEGROS. Contos e poemas. V. 1-30. Org. Quilombhoje. São Paulo: Ed. dos Autores, 1978-2007.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. In: Racismos Contemporâneos. Rio de Janeiro: Takano Ed., 2003, pp. 49-58.

COLLINS, Patricia Hill. Aprendendo com a outsider within*: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Revista Sociedade e Estado. v. 31, n. 1, 2016. https://doi.org/10.1590/S0102-69922016000100006. Disponível em: https://www.scielo.br/j/se/a/MZ8tzzsGrvmFTKFqr6GLVMn/abstract/?lang=pt. Acesso em 29 jul. 2021.

COLLINS, Patricia Hill. La pensée féministe noire. Québec: Êditions du remue-ménage, 2016a.

DAVIS, Angela. Mulher, Raça e Classe. Tradução: Heci Regina Candiani (1 Ed.). São Paulo: Boitempo, 2016. Disponível em: http://www.redehumanizasus.net/sites/default/files/blog/files/davis._mulher_raca_e_classe.pdf. Acesso em: 23 nov. 2015.

EVARISTO, Conceição. Ponciá Vicêncio. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2003.

EVARISTO, Conceição. Da grafia-desenho de minha mãe, um dos lugares de nascimento de minha escrita. In: ALEXANDRE, Marcos Antônio (Org.) Representações Performáticas Brasileiras: teorias, práticas e suas interfaces. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2007.

EVARISTO, Conceição. Insubmissas lágrimas de mulheres. Belo Horizonte: Nandyala, 2011.

EVARISTO, Conceição. Olhos d´água. Rio de Janeiro: Pallas: Fundação Biblioteca Nacional, 2014.

EVARISTO, Conceição. Histórias de leves enganos e parecenças. Rio de Janeiro: Ed. Malê, 2016a.

HALL, Stuart. Quem precisa da identidade? In: Identidade e diferença. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2007.

HOLLANDA, Heloisa Buarque de (Org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

ISER, Wolfgang. Os atos de fingir ou o que é fictício no texto ficcional. In: LIMA, Luiz Costa (org.) Teoria da literatura em suas fontes. v. 2. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

JESUS, Carolina Maria de. Quarto de despejo. São Paulo: Ática, 2007.

NASCIMENTO, Gizêlda Melo do. Feitio de viver: memórias de descendentes de escravos. Londrina: Eduel, 2006.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: A colonialidade do saber:eurocentrismo e ciências sociais. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales – CLACSO, 2005.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível. São Paulo: Editora 34, 2009.

SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: UFMG, 2007.

SODRÉ, Muniz. A verdade seduzida. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1988.

SODRÉ, Muniz. O terreiro e a cidade. Petrópolis: Ed. Vozes, 1988a.

SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). A produção social da identidade e da diferença. In: Identidade e diferença. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2007.

SPIVAK, Gayatri. Pode o subalterno falar? Tradução de Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa, André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

Downloads

Publicado

2021-07-31

Como Citar

Nascimento, T. (2021). Literatura afrofeminina: a construção de novos significados. Opiniães, (18), 356-370. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2021.179980