Mulheres forasteiras e continuidade artística de A mulher de longe até a Crônica da casa assassinada

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.180046

Palavras-chave:

A mulher de longe, Crônica da casa assassinada, Lúcio Cardoso, Cinema brasileiro

Resumo

Este artigo propõe uma breve comparação entre a obra-prima de Lúcio Cardoso, a Crônica da casa assassinada (1959), e seu roteiro principal A mulher de longe (1949). As figuras principais de ambas as obras são mulheres forasteiras, que, no embate entre a tradição e uma tentativa de abertura, são as que saem mais torturadas, e muitas vezes esfaceladas pelas próprias mulheres que se apoiam demais nos preconceitos e nas convenções estabelecidas por uma sociedade tradicional e patriarcal – em ruínas –, como no caso de Nina e Ana, na primeira obra, e da mulher e da velha, na segunda. A questão que se supõe é que a Crônica da casa assassinada seria, dez anos depois, uma continuidade literária da tentativa de roteiro que foi A mulher de longe.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Érica Ignácio da Costa, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Doutoranda em Ciência da Literatura na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com Bolsa Capes. Mestra em Estudos Literários pela UFPR, com Master 2 em Études Lusophones na Université Lumière Lyon-2. Bacharela em Letras Português/Inglês também pela UFPR, e Bacharela em Cinema pela FAP/Unespar. Professora, revisora, produtora e tradutora autônoma.

Referências

BÍBLIA. Tradução brasileira. São Paulo: Sociedade bíblica do Brasil, 1946.

CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

CARDOSO, Lúcio. Diário completo. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1970.

CARDOSO, Lúcio. Diários. Org. Ésio Macedo Ribeiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

CARDOSO, Lúcio. Salgueiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

CARDOSO, Lúcio. Três histórias de província. Rio de Janeiro: Bloch, 1969.

CARDOSO, Marília Rothier. A escrita de Lúcio desenhando perfis e cenários. Revista 7 Faces: Caderno-Revista de Poesia, ano 4, n. 7, Natal, jan.-jul. 2013.

CARDOSO, Marília Rothier. Narrativas modernas fascinadas pela imagem. Revista Soletras, n. 24. São Gonçalo: UERJ, jul.-dez. 2012.

CARDOSO, Marília Rothier. O jogo dos sentidos na escrita de Lúcio. Fala em mesa do Seminário Lúcio Cardoso: 100 anos para recordar. Juiz de Fora: MAMM/UFJF, 2012.

CINEMATECA Brasileira. Sinopse do filme A mulher de longe (1949). São Paulo.

PRADO, Antonio Arnoni. Posfácio. In: CARDOSO, Lúcio. Teatro reunido. Curitiba: Editora UFPR, 2006.

SEFFRIN, André. Uma gigantesca espiral colorida (prefácio). In: CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999, pág. 7-12.

Downloads

Publicado

2020-12-20

Como Citar

Costa, Érica I. da. (2020). Mulheres forasteiras e continuidade artística de A mulher de longe até a Crônica da casa assassinada. Opiniães, (17), 156-176. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.180046