A escrita autobiográfica de Maura Lopes Cançado como forma de resistência ao desaparecimento precoce da mulher na sociedade brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2021.181332

Palavras-chave:

Autobiografia, Maura Lopes Cançado, Simone de Beauvoir

Resumo

O presente artigo analisa a obra autobiográfica Hospício é Deus: diário I (1965), de Maura Lopes Cançado, à luz dos conceitos de condição e ambivalência sujeito-objeto presentes n’O segundo sexo (2009), de Simone de Beauvoir. Para que o percurso analítico pudesse ser viabilizado, utilizou-se Philippe Lejeune (2008) como principal referencial teórico na conceituação da autobiografia. A análise foi dividida em três momentos, sendo o primeiro destinado à contextualização dos conceitos de Beauvoir e ao desenvolvimento de sua escrita autobiográfica. Posteriormente, inicia-se o diálogo entre as discussões propostas n’O segundo sexo e a gênese da autobiografia na vida de Maura Lopes Cançado, com ênfase para o papel das narrativas em primeira pessoa na transformação de sua condição no contexto social ao qual estava inserida. Por fim, a escrita autobiográfica é apresentada como uma forma de resistência ao silenciamento e ao desaparecimento da perspectiva feminina em uma sociedade patriarcal. Dessa forma, pretende-se demonstrar como a publicação do diário autobiográfico Hospício é Deus: diário I inaugurou a autobiografia feminina neste formato e contexto no Brasil, além de marcar a quebra do paradigma da superficialidade e futilidade imposto pelo patriarcado às narrativas em primeira pessoa a partir da perspectiva feminina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tamiris Tinti Volcean, Universidade de São Paulo – USP

Tamiris Tinti Volcean é jornalista, pedagoga e mestre em Comunicação Midiática pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" e doutoranda em Literatura Brasileira pelo Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da Universidade de São Paulo.

Referências

BEAUVOIR, Simone. Literatura e Metafísica. In: O existencialismo e a sabedoria das nações. Tradução de Bruno da Ponte e Manuel de Lima. Lisboa: Editorial Minotauro, 1965.

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo. Tradução de Sérgio Milliet. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

CANÇADO, Maura Lopes. Hospício é Deus: diário I. São Paulo: Autêntica Editora, 2015.

COSTA LIMA, Luiz. História. Ficção. Literatura. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

CUSTÓDIO, Márcia Moreira. Literatura e loucura: a carnalidade da loucura de Maura Lopes Cançado em Hospício é deus. Dissertação (Mestrado em Letras/Estudos Literários), Universidade Estadual de Montes Claros, Minas Gerais, 2014.

KIRKPATRICK, Kate. Simone de Beauvoir: uma vida. São Paulo: Planeta do Brasil, 2020.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom de. Carolina Maria de Jesus: emblema do silêncio. Revista USP: Direitos Humanos no Limiar do séc. XXI, n. 37, São Paulo, 1998.

LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à internet. Minas Gerais: Editora UFMG, 2008.

LEJEUNE, Philippe. L'autobiographie en France. 2. ed. Paris: Armand Colin, [1971] 1998a.

SMITH, Sidonie. Subjectivity, identity and the body: women’s autobiographical practices in the twentieth century. Bloomington and Indianapolis: Indiana University Press, 1993.

VOLCEAN, Tamiris Tinti. Narrativas autobiográficas: uma análise comparativa entre a obra Hospício é Deus: diário I (1965) e o documentário audiovisual Santiago (2007). Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação da FAAC (UNESP), 2019.

ZINANI, Cecil Jeanine Albert; POLESSO, Natalia Borges. Da margem: a mulher escritora e a história da literatura. MÉTIS: história & cultura, v. 9, n. 18, pp. 99-112, jul./dez. 2010.

Downloads

Publicado

2021-07-31

Como Citar

Volcean, T. T. (2021). A escrita autobiográfica de Maura Lopes Cançado como forma de resistência ao desaparecimento precoce da mulher na sociedade brasileira . Opiniães, (18), 198-213. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2021.181332