Diadorim, o menino iniciante de Riobaldo: um diálogo com o Grande-Mestre Bené

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2021.181343

Palavras-chave:

Benedito Nunes, Grande sertão: veredas, Apreensão dos afetos, Ponto de iniciação, Ontofenomenologia

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo apresentar um breve resultado da fundamentação e aplicação da categoria, de cunho ontofenomenológica, intitulada “apreensão-dos-afetos”, a qual teve sua origem a partir da leitura de Grande sertão: veredas, de Guimarães Rosa (2015). Para tanto, concentraremos nossa atenção em um momento específico do romance, o qual se refere à travessia primeira de Riobaldo, tendo no Menino-Diadorim o ponto de iniciação de sua jornada. A categoria em questão teve sua fundamentação teórica, principalmente, pautada nos estudos ontológicos de Sartre (2002), porém, neste trabalho em especial, teremos os ensaios de Benedito Nunes (1992, 2013a) como guia, de vez que o filósofo representa um dos principais elos entre teoria filosófica e interpretação literária. A apreensão-dos-afetos revela-se a partir dos vestígios linguísticos que Riobaldo deixa durante o ato de narrar os afetos apreendidos quando menino, registrados a partir dos acontecimentos do início de sua travessia ao demonstrar suas impressões, percepções, reflexões sofridas/realizadas e o modo como comportou-se diante do menino-Diadorim. Travaremos o diálogo com Benedito Nunes sobre três perspectivas: a busca de Riobaldo pela Unidade primeira; um norte para a fundamentação da categoria; a aplicação da categoria ao romance, tendo como guia a interpretação de Benedito Nunes (2013a).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adonai da Silva de Medeiros, Universidade Federal do Pará – UFPA

Mestrando em Estudos Literários pela Universidade Federal do Pará (UFPA).

Elielson de Souza Figueiredo, Universidade do Estado do Pará - UEPA

Doutor em Estudos Literários e professor da Universidade do Estado do Pará (UEPA).

Referências

ALBERGARIA, Consuelo. Bruxo da linguagem no Grande Sertão. Rio de Janeiro: Tempo brasileiro, 1977.

CARVALHO, Taís Salbé. O pacto da escuta em Grande Ser-Tão: Veredas. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2017.

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. Tradução e apresentação de Márcia Sá Cavalcante Schuback. 10. ed. Rio de Janeiro: Editora Vozes; São Paulo: Universidade São Francisco, 2015.

HUSSERL, Edmund. A ideia da Fenomenologia. Tradução de Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1968.

MARTINS, Nilce Sant’Anna. O léxico de Guimarães Rosa. São Paulo: EDUSP, 2001.

NUNES, Benedito. Passagem para o poético: filosofia e poesia em Heidegger. 2. ed. São Paulo: Editora Ática, 1992.

NUNES, Benedito. A Rosa o que é de Rosa: literatura e filosofia em Guimarães Rosa. Organização de Victor Sales Pinheiro. Rio de Janeiro: DIFEL, 2013a.

NUNES, Benedito. O tempo na narrativa. São Paulo: Edições Loyola, 2013b.

ROSA, João Guimarães. Ave, palavra. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1970.

ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. 21. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.

SARTRE, Jean-Paul. O ser e o nada: ensaio de ontologia fenomenológica. Tradução de Paulo Perdigão. 11. ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2002.

UTÉZA, Francis. JGR: Metafísica do Grande Sertão. 2. ed. São Paulo: EDUSP, 2016.

Downloads

Publicado

2021-07-31

Como Citar

Medeiros, A. da S. de, & Figueiredo, E. de S. (2021). Diadorim, o menino iniciante de Riobaldo: um diálogo com o Grande-Mestre Bené. Opiniães, (18), 604-623. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2021.181343