Ficção e história em A Paixão de Ajuricaba, de Márcio Souza

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2021.185954

Palavras-chave:

Literatura Amazônida, Márcio Souza, Ajuricaba

Resumo

Neste ensaio, discute-se a peça A Paixão de Ajuricaba – escrita por Márcio Souza e encenada, pela primeira vez, em 1974 – à luz dos eventos relacionados aos duros combates entre os invasores portugueses e os Manaús, no vale do Rio Negro, entre 1723 e 1728. As ações das personagens sugerem que essa obra é um marco na representação menos idealizada dos indígenas, que ganham voz própria, favorecidos pela ausência de um narrador.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cassia Sthephanie Cardoso da Silva, Universidade Federal de São Paulo

Mestranda em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa pela Universidade de São Paulo.

Jean Pierre Chauvin, Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes

Doutor em Teoria Literária e Literatura Comparada pela USP. É Professor Associado da ECA, onde leciona Cultura e Literatura Brasileira.

Marcelo Lachat, Universidade Federal de São Paulo - Unifesp

Doutor em Literatura Portuguesa pela USP. É professor adjunto do Departamento de Letras da Universidade Federal de São Paulo.

Referências

ABREU, Capistrano de. Caminhos antigos e povoamento do Brasil. São Paulo: Xerox do Brasil/CBL, 1996.

ALENCAR, José de. O Guarani. 3. ed. Cotia: Ateliê, 2014.

ANDRADE, Mário de. Macunaíma: o herói sem nenhum caráter. São Paulo: S.N., 1928. Digitalização dos originais: Oficinas Gráficas de Eugênio Cupolo.

ARISTÓTELES. Poética. Tradução de Paulo Pinheiro. São Paulo: Editora 34, 2015.

BASTOS, Alcmeno. O Índio antes do Indianismo. Rio de Janeiro: 7Letras/Faperj, 2011.

BURKE, Peter. História e teoria social. Tradução de Klauss Brandini Gerhardt e Roneide Venâncio Majer. São Paulo: Ed. UNESP, 2002.

COSTA, Mariana Baldoino da. Personagens e identidades em A paixão de Ajuricaba, de Márcio Souza. Dissertação (Mestrado em Sociedade e Cultura na Amazônia) – Instituto de Ciências Humanas e Letras, Universidade Federal do Amazonas, 2012.

CORTESÃO, Jaime. A Carta de Pêro Vaz de Caminha. Lisboa: INCM, 1984 (ao referenciar: CAMINHA apud CORTESÃO, 1984).

CUNHA, Manuela Carneiro da. Introdução a uma História Indígena. In: CUNHA, Manuela Carneiro da (org.). História dos Índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras/Secretaria Municipal de Cultura/Fapesp, 1998, pp. 9-24.

DAHER, Andrea. A oralidade perdida: ensaios de história das práticas letradas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

DENIS, Ferdinand. Resumo da História Literária do Brasil. Trad. Guilhermino César. Porto Alegre: Lima, 1968 [a edição original, em francês é de 1826]

DIAS, Gonçalves. Cantos. São Paulo: Martins Fontes, 2001 [Introdução, Organização e Fixação do Texto por Cilaine Alves Cunha].

DURÃO, Santa Rita. Caramuru: poema épico do descobrimento da Bahia. São Paulo: Martins Fontes, 2005 [Introdução, Organização e Fixação do Texto por Ronald Polito].

GAMA, Basílio da. O Uraguai. In: TEIXEIRA, Ivan (org.). Épicos. São Paulo: Edusp/Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2008.

GAMA, João da Maia da. Carta de João da Maia da Gama a El-Rei referindo o castigo dos Manaós, a prisão e morte de Ajuricaba. – 26 de setembro de 1727. Disponível em: <https://www.historia.uff.br/impressoesrebeldes/wp-content/uploads/2016/05/Carta-Guerra-dos-Manaus.pdf>. Acesso em: 18 de maio de 2021.

GAMA, Luciana. A Retórica do Sublime no “Caramuru: poema Épico do descobrimento da Bahia”. Revista USP, n. 157, 2003, pp. 122-137.

HANSEN, João Adolfo. A escrita da Conversão. In: COSTIGAN, Lúcia Helena (org.). Diálogos da Conversão. Campinas: Editora Unicamp, 2005, pp. 15-43.

HANSEN, João Adolfo. Manuel da Nóbrega. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Editora Massangana, 2010.

HANSEN, João Adolfo. Notas sobre o gênero épico. In: TEIXEIRA, Ivan (org.). Épicos. São Paulo: Edusp/Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2008, pp. 17-91.

HUTCHEON, Linda. Poética do pós-modernismo: história, teoria, ficção. Tradução de Ricardo Cruz. Rio de Janeiro: Imago, 1991.

KOSELLECK, Reinhart. Estratos do tempo: estudos sobre história. Tradução de Markus Hediger. Rio de Janeiro: Contraponto; PUC-Rio, 2014.

MELLO, Evaldo Cabral de. Um imenso Portugal. São Paulo: Editora 34, 2002.

NÓBREGA, Manuel da. Diálogo sobre a conversão do gentio. Lisboa: União Gráfica Lisboa, 1954.

OLIVIERI-GODET, Rita. Traumas e travessias: a alteridade ameríndia e as fronteiras simbólicas da nação. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 40, pp. 63-79, dez. 2012. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2316-40182012000200005&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 16 mai. 2021.

PÉCORA, Alcir. Vieira e a condução do Índio ao corpo místico do Império Português (Maranhão, 1652-1661). In: COSTIGAN, Lúcia Helena (org.). Diálogos da Conversão. Campinas: Editora Unicamp, 2005, pp. 83-98.

PUNTONI, Pedro. O Estado do Brasil: Poder e política na Bahia colonial – 1548-1700. São Paulo: Alameda, 2013.

RIBEIRO, Darcy. Maíra. São Paulo: Círculo do Livro, s/d. [1976].

SOUZA, Márcio. A paixão de Ajuricaba. 2. ed. Manaus: Editora Valer/Prefeitura de Manaus/Edua, 2005.

SOUZA, Márcio. Ajuricaba, o caudilho das selvas. São Paulo: Callis, 2006.

TEIXEIRA, Ivan. Mecenato pombalino e poesia neoclássica. São Paulo: Edusp, 1999.

VALLADARES, Saturnino. Ajuricaba, um herói da Amazônia: história e mito. Dramaturgia em foco, Petrolina-PE, v. 4, n. 2, pp. 251-260, 2020.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

Silva, C. S. C. da, Chauvin, J. P., & Lachat, M. (2021). Ficção e história em A Paixão de Ajuricaba, de Márcio Souza. Opiniães - Revista Dos Alunos De Literatura Brasileira, (19), 108-127. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2021.185954