[1]
R. V. C. Corrêa, “O absurdo impertinente: intersecções filosóficas e fantásticas na obra de José J. Veiga”, Opiniães, nº 16, p. 254-277, jul. 2020.