[1]
T. H. Fernandes, “Persistência do não lugar literário: algumas questões com Juliano Garcia Pessanha”, Opiniães, nº 16, p. 501-511, jul. 2020.