[1]
J. B. Carvalho, “Tragédia e redenção da personagem da mãe-escrava: uma análise comparativa de Mãe, de José de Alencar, e Cancros Sociais, de Maria Angélica Ribeiro”, Opiniães, nº 17, p. 575-596, dez. 2020.