Lições da margem

paz ecológica indígena

Autores

  • Alberto Gomes La Trobe University

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-2593.organicom.2018.150579

Palavras-chave:

Paz ecológica, Peacebuilding, Estratégias ecológicas regenerativas

Resumo

As crises pelas quais a humanidade passa, sejam elas em âmbito ecológico, social ou humanitário, e relacionadas ao aumento da violência, tanto direta quanto estrutural, se inter-relacionam. Evidências indicam que as soluções formuladas para resolver as crises indicadas, desde o desenvolvimento e a modernização até o neoliberalismo e o desenvolvimento sustentável, não só fracassaram, mas, paradoxalmente, as exacerbaram. Inspirado nos modos de vida e práticas dos povos indígenas, especialmente dos Orang Asli (aborígines) na Malásia, este artigo ressalta uma paz ecológica que mescla o peacebuilding com estratégias ecológicas regenerativas. Nesse contexto, parte-se da ideia de que, ao levar em consideração a paz ecológica indígena, serão fomentadas soluções efetivas para a tríplice crise (ecológica, social e humanitária), implicando uma mudança paradigmática – de uma percepção antropocêntrica da natureza a uma percepção ecocêntrica; do hiperindividualismo à responsabilidade focada na comunidade; de uma perspectiva competitiva àquela focada em empatia, cooperação, compartilhamento e altruísmo; e do fetiche relacionado ao crescimento a um estilo de vida regenerativo, baseado nas necessidades.

PALAVRAS-CHAVE: PAZ ECOLÓGICA INDÍGENA • PEACEBUILDING • ESTRATÉGIAS ECOLÓGICAS REGENERATIVAS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alberto Gomes, La Trobe University

• PhD in Anthropology
• Founding Director of the Dialogue, Empathic Engagement and Peacebuilding (DEEP) Network (https://globaldeepnetwork.org)
• Researcher on Peace and Nonviolence, Development, Ethnicity and Racism, Indigenous People and Environmental issues
• Author of Modernity and Malaysia – Settling the Menraq Forest nomads, London: Routledge, 2007; Looking for money: capitalism and modernity in an Orang Asli village, Subang Jaya: Center for Orang Asli Concerns; Melbourne: Trans Pacific Press, 2004; “Anthropology and the politics of Indigeneity”, Anthropological Forum: a Journal of Social Anthropology and Comparative Sociology, v. 23, 2013; and other publications

Downloads

Publicado

2018-09-25