Novos sentidos para a comunicação estratégica no contexto das organizações: diálogo e produção de sentido

  • Rosângela Florczak de Oliveira Escola Superior de Propaganda e Marketing
Palavras-chave: Comunicação no contexto das organizações, Comunicação estratégica, Complexidade, Diálogo

Resumo

Os princípios da complexidade de Morin possibilitam (re)conhecer um mundo em transformação, no qual a racionalidade instrumental perde força e passa a conviver com abordagens que situam as organizações, os vínculos e as relações entre sujeitos em ambientes marcados pela complexidade e pela incerteza. Nesse contexto, passamos a compreender a comunicação estratégica que acontece no contexto das organizações a partir do diálogo – baseado na alteridade – proporcionado pelas interações, que podem ser espontâneas ou estrategicamente geridas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosângela Florczak de Oliveira, Escola Superior de Propaganda e Marketing

Doutora em Comunicação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS)
Mestre em Comunicação pela PUC-RS
Especialista em Sociologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Especialista em Teorias e Práticas de Ensino pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM)
Graduada em Comunicação Social pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Professora na ESPM-Sul e na PUC-RS

Referências

BOHN, David. Diálogo: comunicação e redes de convivência. São Paulo: Palas Athena, 2005.
BUBER, Martin. Do diálogo ao dialógico. São Paulo: Perspectiva, 2009.
CASTELLS, Manuel. Comunicación y poder. Madrid: Alianza, 2009.
CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança. Tradução Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.
CHANLAT, Jean-François. Gestão Empresarial: uma perspectiva antropológica. São Paulo: Cengage, 2010.
COELHO, Paulo Magalhães da Costa. Direito, linguagem e método: em busca de uma hermenêutica emancipadora. Revista da AJURIS, Porto Alegre, v. 40, n. 130, 2013.
CORRÊA, Elizabeth Saad. Comunicação digital e seus usos institucionais. In: KUNSH, Margarida Maria Krohling (org.). Gestão estratégia em comunicação organizacional e relações públicas. São Caetano do Sul: Difusão, 2008. p. 169-184.
DUARTE, Jorge; BARROS, Antonio. Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. São Paulo: Atlas, 2006.
ENRIQUEZ, Eugène. Da horda ao Estado. Rio de Janeiro: Zahar, 1999.
FERRARA, Lucrecia. Comunicação, mediações, interações. São Paulo: Paulus, 2015.
FORNI, João José. Gestão de crises e comunicação. São Paulo: Atlas, 2013.
GADAMER, Hans-Georg. Verdade e método II. Trad. Enio Paulo Gichini. Petrópolis: Vozes, 2002.
GAULEJAC, Vincent de. A NGP: a nova gestão paradoxal. In: BENDASSOLLI, Pedro; SOBOLL Lis Andrea (org.). Clínicas do trabalho: novas perspectivas para compreensão do trabalho na atualidade. São Paulo: Atlas, 2011. p. 84-98.
GIDDENS, Anthony. Mundo em descontrole. Rio de Janeiro: Record, 2007.
KUNSCH, Margarida M. Krohling et al. As dimensões humana, instrumental e estratégica da comunicação organizacional: recorte de um estudo aplicado no segmento corporativo. Intercom, São Paulo, v. 35, n. 2, p. 267-289, 2012.
KUNSCH, Margarida M. Krohling. Gestão estratégica em comunicação organizacional e relações públicas. Difusão, 2009.
KUNSCH, Margarida Maria Krohling. Relações públicas e comunicação organizacional: das práticas à institucionalização acadêmica. Organicom, São Paulo, v. 6, n. 10/11, p. 49-56, 2011.
KUNSCH, Margarida Maria Krohling. Planejamento de relações públicas na comunicação integrada. São Paulo: Summus, 2003.
MARCHIORI, Marlene. Reflexões iniciais sobre a comunicação como processo nas organizações da contemporaneidade. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 33., 2010, Caxias do Sul. Anais […]. Caxias do Sul: Intercom, 2010. p. 1-13.
MARCONDES FILHO, Ciro. Para entender a comunicação: contatos antecipados com a nova teoria. São Paulo: Paulus, 2008.
MARTINAZZO, Celso José. A utopia de Edgar Morin: da complexidade à concidadania planetária. Ijuí: Ed. Unijuí, 2004.
MARTINO, Luiz C. De qual comunicação estamos falando: teorias da comunicação: conceitos, escolas e tendências. Petrópolis: Vozes, 2001.
MASSONI, Sandra. Comunicación y desarrollo. Encuentros en la diversidad. In: THORNTON, Ricardo D.; CIMADEVILLA, Gustavo. Grises de la extensión, la comunicación y el desarrollo. Buenos Aires: Inta, 2008.
MORIN, Edgar. A cabeça bem feita. Porto Alegre: Sulina, 2008.
MORIN, Edgar.Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.
MORIN, Edgar. Da necessidade de um pensamento complexo. In: MARTINS, Francisco Menezes.; SILVA, Juremir Machado. Para navegar no século XXI: tecnologias do imaginário e cibercultura. Porto Alegre: Sulina: Edipucrs, 2003. p. 13-36.
MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2005.
MORIN, Edgar. O método 5: a humanidade da humanidade: a identidade humana. Porto Alegre: Sulina, 2007.
MORIN, Edgar; CARVALHO, Edgar; ALMEIDA, Maria da Conceição (org.). Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios. São Paulo: Cortez, 2002.
MORIN, Edgar; CIURANA, Emilio Roger; MOTTA, Raúl Domingo. Educar na era planetária: o pensamento complexo como método de aprendizagem pelo erro e incerteza humana. São Paulo: Cortez, 2003.
OLIVEIRA, Ivone de Lourdes. Dimensão estratégica da comunicação no contexto organizacional contemporâneo: um paradigma de interação comunicacional dialógica. 2002. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2002.
OLIVEIRA, Ivone de Lourdes; PAULA, Carine Fonseca Caetano de; FONSECA, Carine. Comunicação organizacional e relações públicas: caminhos que se cruzam, entrecruzam ou sobrepõem. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 28., 2005, Rio de Janeiro. Anais […]. Rio de Janeiro: Intercom, 2005.
OLIVEIRA, Ivone de Lourdes; PAULA, Maria Aparecida de. Componentes da comunicação estratégica: uma reflexão sobre a articulação entre os aspectos teórico-conceituais e práticos. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 29., 2006, Brasília, DF. Anais […]. Brasília, DF: Intercom, 2006.
OLIVEIRA, Ivone de Lourdes; PAULA, Maria Aparecida. O que é comunicação estratégica nas organizações? São Paulo: Paulus, 2008.
OLIVEIRA, Ivone de Lourdes. Objetos de estudo da comunicação organizacional e das relações públicas: um quadro conceitual. Organicom, São Paulo, v. 6, n. 10/11, p. 57-63, 2011.
OLIVEIRA, Ivone de Lourdes; MOURÃO, Isaura. Comunicação organizacional: análise dos construtos teóricos e a práxis na formação do discurso. In: ENCONTRO ANUAL DA COMPÓS, 23., 2014, Belém. Anais […]. Belém: Compós, 2014. p. 1-16.
PEREIRA, Carlos Alberto Messeder; HERSCHMANN, Micael. Comunicação e novas estratégias organizacionais na era da informação e do conhecimento. Comunicação & Sociedade, São Bernardo do Campo, v. 24, n. 38, p. 27-42, 2002.
PÉREZ, Rafael Alberto. Comunicación estratégica: sí claro. Pero, ¿qué implica “estratégica”? Metacomunicación, Puebla, ano 0, n. 2, p. 6-42, 2012.
PÉREZ, Rafael Alberto. Estrategias de comunicación. Barcelona: Ariel, 2001.
PINTO, Julio. Comunicação organizacional ou comunicação no contexto das organizações: interfaces e tendências da comunicação no contexto das organizações. São Caetano do Sul: Difusão, 2008.
PRIMO, Alex. O aspecto relacional das interações na Web 2.0. E-Compós, Brasília, v. 9, p. 1-21, 2007.
PRIMO, Alex. O que há de social nas mídias sociais? Reflexões a partir da teoria ator-rede. Contemporânea, Salvador, v. 10, n. 3, p. 618-641, 2012.
QUADROS NETO, João Francisco de. As redes sociais de comunicação informal e o sentimento de pertença nas organizações industriais. 2006. Tese (Doutorado) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2006.
SANTAELLA, Lucia. Desafios da ubiquidade para a educação. Revista Ensino Superior Unicamp, Campinas, v. 9, p. 19-28, 2013.
SCROFERNEKER, Cleusa Maria Andrade. Contra tendências paradigmáticas da Comunicação Organizacional Contemporânea. Diálogos de la Comunicación, Medellín, n. 85, 2012.
SCROFERNEKER, Cleusa Maria Andrade. Relações públicas e comunicação organizacional: encontros, desencontros e reencontros. Organicom, São Paulo, v. 6, n. 10/11, p. 76-82, 2011.
SCROFERNEKER, Cleusa Maria Andrade. Comunicação e cultura organizacional: a complexidade dos diálogos ‘(in) visíveis’. In: MARCHIORI, Marlene (org.). Faces da cultura e da comunicação organizacional. São Caetano do Sul: Difusão, 2010. v. 2, p. 185-197.
SCROFERNEKER, Cleusa Maria Andrade. As ouvidorias virtuais em hospitais universitários espanhóis e brasileiros: um estudo comparativo. Revista Internacional de Relaciones Públicas, Málaga, v. 3, n. 6, p. 28-50, 2009.
SCROFERNEKER, Cleusa Maria Andrade. Perspectivas teóricas da comunicação organizacional. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 23., 2000, Manaus. Anais […]. Manaus: Intercom, 2000. p. 1-11.
SENNETT, Richard. Juntos: os rituais, os prazeres e a política de cooperação. Rio de Janeiro: Record, 2012.
SOUSA, Jorge Pedro. Elementos de teoria e pesquisa da comunicação e da mídia. 2. ed. Porto: Edições UFP, 2006. Disponível em: http://twixar.me/CvQ3. Acesso em: 23 jun. 2015.
WHEATLEY, Margaret. Liderança e nova ciência: descobrindo ordem em um mundo caótico. Tradução Adail Ubirajara Sobral, Maria Stela Gonçalves. São Paulo: Cultrix, 2006.
WOLTON, Dominique. É preciso salvar a comunicação. São Paulo: Paulus, 2006.
WOLTON, Dominique. Informar não é comunicar. Porto Alegre: Sulina, 2010.
ZIMERMAN, David E. Os quatro vínculos: amor, ódio, conhecimento, reconhecimento na psicanálise e em nossas vidas. Porto Alegre: Artmed, 2010.
ZANELLA, Andréa Vieira. Sujeito e alteridade: reflexões a partir da psicologia histórico-cultural. Psicologia & Sociedade, São Paulo, v. 17, n. 2, p. 99-104, 2005.
Publicado
2018-11-29