Cultura empreendedora e espírito do tempo

um olhar contemporâneo a partir do campo da comunicação

  • Vander Casaqui Universidade Metodista de São Paulo
Palavras-chave: Comunicação e Cultura Empreendedora, Discurso Social, Empreendedorismo, Inspiração, Contemporâneo

Resumo

Esse artigo parte da noção de contemporâneo de Agamben (2009) e do campo da comunicação, para tratar do enfrentamento das questões emergentes de nosso tempo – os temas identificados com as agendas de nação, como é o empreendedorismo. Nesse sentido, propomos a análise crítica dos discursos sociais, observados como sintomas do espírito do tempo. Mais especificamente, lançamos o olhar dissociado, proposto por Agamben, aos discursos relacionados à cultura empreendedora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vander Casaqui, Universidade Metodista de São Paulo

• Fez pesquisa de pós-doutorado na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (FCSH/UNL)
• Doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (USP)
• Mestre em Ciências da Comunicação pela USP
• Graduado em Publicidade e Propaganda pela Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero
• Professor titular do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Metodista
de São Paulo (Umesp)

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Chapecó: Argos, 2009.

ANGENOT, Marc. El discurso social: los limites históricos de lo pensable y lo decible. Buenos Aires: Siglo XXI, 2010.

BAUDRILLARD, Jean. A sociedade de consumo. Lisboa: Edições 70, 2007.

BENJAMIN, Walter. Paris, capital do século XIX. In: BENJAMIN, Walter. Passagens. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2006. p. 39-67.

BOLTANSKI, Luc; CHIAPELLO, Ève. O novo espírito do capitalismo. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

CASAQUI, Vander. Concepções e significados do empreendedorismo social no Brasil e em Portugal: crise, performance e bem comum. Observatorio (OBS*), Lisboa, v. 8, n. 2, p. 67-82, 2014.

CASTRO, Grasielle. ‘Não fale em crise; trabalhe’, diz Temer, em seu 1º pronunciamento como presidente em exercício. HuffPost Brasil, São Paulo, 12 maio 2016. Disponível em: https://bit.ly/34qZMYV. Acesso em: 16 jul. 2019.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

DRUCKER, Peter F. Inovação e espírito empreendedor: prática e princípios. São Paulo: Cengage Learning, 2011.

EHRENBERG, Alain. O culto da performance: da aventura empreendedora à depressão nervosa. Aparecida: Idéias & Letras, 2010.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

HAN, Byung-Chul. La sociedad de la transparencia. Barcelona: Herder Editorial, 2013.

ILLOUZ, Eva. O amor nos tempos do capitalismo. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

LAZZARATO, Maurizio. As revoluções do capitalismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

MARTÍN-BARBERO, Jesús; RINCÓN, Omar. Introducción: un mapa de las agendas de nación en la comunicación. In: MARTÍN-BARBERO, Jesús (coord.). Entre saberes desechables y saberes indispensables. Bogotá: C3 FES, 2009. p. 5-9.

MORIN, Edgar. Cultura de massas no século XX: necrose. Rio de Janeiro, Forense, 2003. v. 2.

MORIN, Edgar. Cultura de massas no século XX: neurose. Rio de Janeiro: Forense, 2006. v. 1.

PESCE, Bel. A sua melhor versão te leva além. São Paulo: Enkla, 2015.

PRADO, José L. Aidar. Convocações biopolíticas dos dispositivos comunicacionais. São Paulo: Educ: Fapesp, 2013.

WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

Publicado
2019-12-20