Transparência ativa em organizações governamentais de sustentabilidade ambiental

Palavras-chave: Comunicação Pública, Transparência Ativa, Sustentabilidade Ambiental

Resumo

São pouco conhecidas as características dos diferentes patamares de desempenho da comunicação pública produzida por assessorias de organizações governamentais. Este texto busca contribuir para preencher tal lacuna, ao descrever e interpretar os resultados de um estudo empírico de análise de conteúdo, que conduzimos com o objetivo de caracterizar a qualidade da comunicação digital produzida pelas assessorias de organizações governamentais ambientais das 27 unidades federativas brasileiras. Os resultados indicam oportunidades de aperfeiçoamento da comunicação e sugerem uma associação positiva entre desenvolvimento humano e transparência ativa, a ser explorada por estudos futuros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danilo Rothberg, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”

• Professor do Departamento de Ciências Humanas da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação (Faac) da Universidade Estadual Paulista (Unesp)
• Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Faac/Unesp
• Doutor em Sociologia, mestre e bacharel em Comunicação pela Unesp

Referências

BENJAMIN, Katherine; POTTS, Henry W. W. Digital transformation in government: lessons for digital health? Digital Health, Thousand Oaks, v. 3, p. 1-5, 2018.

BRASIL. Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011. Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5o, no inciso II do § 3o do art. 37 e no § 2o do art. 216 da Constituição Federal. Diário Oficial da União, Brasília, DF, p. 1, 18 nov. 2011.

BRASIL. Decreto nº 7.724, de 16 de maio de 2012. Regulamenta a Lei no 12.527, de 18 de novembro de 2011 […]. Diário Oficial da União, Brasília, DF, p. 1, 16 maio 2012.

BRASIL. Manual de diretrizes: identidade padrão de comunicação digital do Poder Executivo federal. 34. ed. Brasília, DF: Secretaria de Comunicação Social, 2014.

COLEMAN, Stephen; BLUMLER, Jay G. The internet and democratic citizenship: theory, practice and policy. Cambridge: Cambridge University Press, 2009.

DAHLBERG, Lincoln. Re-constructing digital democracy: an outline of four “positions”. New Media & Society, Thousand Oaks, v. 13, n. 6, p. 855-872, 2011.

DARBISHIRE, Helen. Proactive transparency: the future of the right to information? Washington, DC: World Bank Institute, 2010.

DOKENIYA, Anupama. Implementing right to information. Governance & Public Sector Management, Washington, DC, n. 5, p. 1-8, 2013.

DUARTE, Jorge. Sobre a emergência do(s) conceito(s) de comunicação pública. In: KUNSCH, Margarida Maria K. (org.). Comunicação pública, sociedade e cidadania. São Caetano do Sul: Difusão, 2011. p. 121-134.

FONSECA JUNIOR, Wilson C. Análise de conteúdo. In: BARROS, Antonio; DUARTE, José (org.). Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. São Paulo: Atlas, 2006. p. 280-304.

IPEA – INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Desenvolvimento humano nas macrorregiões brasileiras. Brasília, DF: Ipea, 2016. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/livros/livros/20160331_livro-idhm.pdf. Acesso em: 29 out. 2018.

KRIPPENDORFF, Klaus. Content analysis: an introduction to its methodology. Beverly Hills: Sage, 1980.

KUNSCH, Margarida Maria K. A comunicação estratégica nas organizações contemporâneas. Media e Jornalismo, Lisboa, v. 18, n. 33, p. 13-24, 2018.

MATOS, Heloiza. A comunicação pública na perspectiva da teoria do reconhecimento. In: KUNSCH, Margarida Maria K. (org.). Comunicação pública, sociedade e cidadania. São Caetano do Sul: Difusão, 2011. p. 39-59.

MEIJER, Albert; HART, Paul; WORTHY, Benjamin. Assessing government transparency: an interpretive framework. Administration & Society, Thousand Oaks, v. 50, n. 4, p. 501-526, 2018.

MIOLA, Edna; MARQUES, Francisco Paulo J. Por uma definição de comunicação pública: tipologias e experiências brasileiras. In: CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISADORES EM COMUNICAÇÃO E POLÍTICA, 7., 2017, Porto Alegre. Anais […]. Rio de Janeiro: Compolítica, 2017. p. 1-22.

OAS – ORGANIZATION OF AMERICAN STATES. Model inter-American law on access to public information and its implementation guidelines. Washington, DC: Organization of American States, 2012.

OCDE. Better Life Index. [S. l.], 2018. Disponível em: http://www.oecdbetterlifeindex.org/pt. Acesso em: 21 jan. 2018.

ONU. Framework Convention on Climate Change: Paris Agreement. Paris: ONU, 2015.

ONU – ORGANIZAÇÃO NAS NAÇÕES UNIDAS. Framework Convention on Climate Change: Report of the Conference of the Parties. Paris: ONU, 2017.

ROTHBERG, Danilo. Democracia digital e redes sociais: Twitter como filtro de informação política. E-Compós, Brasília, DF, v. 17, n. 1, p. 1-16, 2014.

ROTHBERG, Danilo. Teoria e pesquisa da comunicação digital para sustentabilidade. In: LIMA, M. C.; ALMEIDA JÚNIOR, Antônio; ANDRADE, T. N. (org.). Comunicação, tecnologia e ambiente. Recife: Hucitec, 2015. p. 125-143.

ROTHBERG, Danilo. Acesso à informação, política digital e sustentabilidade ambiental no Brasil. Famecos, Porto Alegre, v. 25, n. 3, p. 1-19, 2018.

WEBER, Maria H. Nas redes de comunicação pública, as disputas possíveis de poder e visibilidade. In: WEBER, Maria H.; COELHO, Maria P.; LOCATELLI, Carlos (org.). Comunicação pública e política: pesquisas e práticas. Florianópolis: Insular, 2017. p. 23-56.

ZÉMOR, Pierre. As formas de comunicação pública. In: DUARTE, Jorge (org.). Comunicação pública: Estado, mercado, sociedade e interesse público. São Paulo: Atlas, 2009. p. 214-245.

Publicado
2019-12-20

Dados de financiamento