Politização via comunicação organizacional: um estudo de caso sobre o quadro “Solidariedade S.A.”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-2593.organicom.2021.173400

Palavras-chave:

Politização, Comunicação Organizacional, Engajamento

Resumo

Neste estudo de caso problematizamos a politização via comunicação organizacional. Para isso, analisamos as 40 primeiras exibições do quadro “Solidariedade S.A.”, do telejornal Jornal Nacional, da Rede Globo de Televisão. Partindo de um estado da arte sobre “comunicação organizacional”, “politizações” e “engajamentos” que emergem de discursos e de produções audiovisuais e adotando a análise de conteúdo como recurso analítico, observarmos no corpus coletado um movimento de estreitamento entre jornalismo e branding de empresas/marcas engajadas com suas realidades sociais e mercadológicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danilo Postinguel, FIAM-FAAM

Doutor em Comunicação e Práticas de Consumo pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM-SP).
Mestre em Comunicação e Práticas de Consumo pela ESPM-SP.
Especialista em marketing pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

Referências

ALVES, Soraia. Pesquisa coloca Magazine Luiza, Netflix e iFood como marcas transformadoras durante a pandemia. B9, São Paulo, 2020. Disponível em: https://bit.ly/30wEU2J. Acesso em: 22 jul. 2020.

ARAÚJO, Marcelo Marques. Brand journalism: a comunicação empresarial em interface com jornalismo, publicidade e relações públicas. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 42., 2019. Anais […]. Belém: UFPA, 2019. Disponível em: https://bit.ly/2DFscpo. Acesso em: 14 jul. 2020.

ATEM, Guilherme Nery. A lógica social da forma-consumo. Alceu, Rio de Janeiro, v. 12, n. 23, p. 100-111, 2011.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BALONAS, Sara. Publicidade sem códigos de barras: contributos para o conhecimento da publicidade a favor de causas sociais em Portugal. Braga: Húmus, 2011.

BRANDINI, Valéria. O consumo de causas sociais na era da midiatização digital. Ação Midiática, Curitiba, n. 14, p. 275-289, 2017.

CASAQUI, Vander. Por uma teoria da publicização: transformações no processo publicitário. Significação, São Paulo, v. 38, n. 36, p. 131-151, 2011.

DI FELICE, Massimo. Do público para as redes: a comunicação digital e as novas formas de participação social. São Caetano do Sul: Difusão, 2008.

DI FELICE, Massimo. Ser redes: o formismo digital dos movimentos net-ativistas. MATRIZes, São Paulo, v. 7, n. 2, p. 49-71, 2013.

GROHMANN, Rafael. A noção de engajamento: sentidos e armadilhas para a pesquisa em comunicação. Famecos, Porto Alegre, v. 25, n. 3, p. 1-17, 2018.

JAMESON, Fredric. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ática, 1996.

JORNAL NACIONAL. Solidariedade S.A. Rede Globo, Brasil, 2020. Disponível em: https://globoplay.globo.com/v/8482558/. Acesso em: 14 abr. 2020.

KLEIN, Naomi. Sem logo: a tirania das marcas em um planeta vendido. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 2002.

KOTLER, Philip; KARTAJAYA, Hermawan; SETIAWAN, Iwan. Marketing 4.0: mudança do tradicional para o digital. Coimbra: Actual, 2017.

KUNSCH, Margarida M. Krohling. Comunicação organizacional: conceitos e dimensões dos estudos e das práticas In: MARCHIORI, Marlene (org.). Faces da cultura e da comunicação organizacional. São Caetano do Sul: Difusão, 2006. p. 167-190.

LAZZARATO, Maurizio. As revoluções do capitalismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

LEMOS, André. Cidade e mobilidade: telefones celulares, funções pós-massivas e territórios informacionais. MATRIZes, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 121-137, 2007.

MACHADO, Mônica. Consumo e politização: discursos publicitários e novos engajamentos juvenis. Rio de Janeiro: Mauad X, 2011.

MICHETTI, Miqueli. O discurso da diversidade no universo corporativo: “institutos” empresariais de cultura e a conversão de capital econômico em poder político. Contemporânea, São Carlos, v. 7, n. 1, p. 119-146, 2017.

POSTINGUEL, Danilo. Masculinidades plurais, ativismos de marcas e ativismos de consumidores-fãs-fiscais. 2019. Tese (Doutorado em Comunicação e Práticas de Consumo) – Escola Superior de Propaganda e Marketing, São Paulo, 2019.

QUESSADA, Dominique. O poder da publicidade na sociedade consumida pelas marcas: como a globalização impõe produtos, sonhos e ilusões. São Paulo: Futura, 2003.

ROCHA, Rose de Melo. Comunicação e consumo: por uma leitura política dos modos de consumir. In: BACCEGA, Maria Aparecida (org.). Comunicação e culturas do consumo. São Paulo: Atlas, 2008.

SENNETT, Richard. A cultura do novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 2006.

SILVA, Terezinha; SALGADO, Tiago Barcelos Pereira. Controvérsias em torno dos “Casais” de O Boticário: o acontecimento e a afetação dos públicos. Verso e Reverso, São Leopoldo, v. 30, n. 73, p. 58-69, 2016.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

Downloads

Publicado

2021-07-12