Onde vamos parar? Cenas da controvérsia homofobia versus liberdade de expressão no caso Maurício Souza

Autores

  • Vanessa Cardozo Brandão Universidade Federal de Minas Gerais
  • Juarez Guimarães Dias Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-2593.organicom.2022.195155

Palavras-chave:

Controvérsias midiatizadas, Liberdade de expressão , Homofobia, Vulnerabilidade, Sujeitos e organizações

Resumo

A partir do episódio envolvendo o atleta Maurício Souza e as organizações Minas Tênis Clube, Fiat e Gerdau, este artigo apresenta e analisa aspectos da controvérsia entre homofobia e liberdade de expressão, amplificada pela circulação em ambientes digitais em 2021. Recorrendo à teoria ator-rede e às teorias queer, observamos como o engajamento de diferentes atores aciona imaginários, evidencia disputas de sentidos, ressalta a vulnerabilidade da população LGBTQIA+ e a urgência de amplificar a criminalização da homofobia.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Vanessa Cardozo Brandão, Universidade Federal de Minas Gerais

    Professora do Departamento de Comunicação Social e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Doutora em Estudos da Literatura pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Mestre em Literaturas de Língua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-Minas). Especialista em Gestão Estratégica de Marketing pela Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal (UFMG). Pesquisadora do Grupo de Pesquisa em Comunicação, Acessibilidade e Vulnerabilidades (Afetos-UFMG).

  • Juarez Guimarães Dias, Universidade Federal de Minas Gerais

    Professor do Departamento de Comunicação Social e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFMG. Doutor em Artes Cênicas pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio). Mestre em Literatura pela PUC-Minas. Co-coordenador do Núcleo de Estudos em Estéticas do Performático e Experiência Comunicacional (Neepec-UFMG).

Referências

ASSIS, Machado de. Dom Casmurro. São Paulo: Globo, 1997.

BALDISSERA, Rudimar. Comunicação organizacional: uma reflexão possível a partir do paradigma da complexidade. In: OLIVEIRA, Ivone de Lourdes; SOARES, Ana T. Nogueira (org.). Interfaces e tendências da comunicação no contexto das organizações. São Caetano do Sul: Difusão, 2008. p. 149-177.

BORRILLO, Daniel. Homofobia – história e crítica de um preconceito. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

BRANDÃO, Vanessa Cardozo. Atravessamentos discursivos entre ONGs, empresas, grupos sociais e ativistas, na perspectiva da teoria ator-rede. Organicom, São Paulo, v. 14, n. 26, p. 99-109, 2017.

BRANDÃO, Vanessa Cardozo. Cartografia das controvérsias midiatizadas sobre “ideologia de gênero” na publicidade de Omo. In: POLIVANOV, Beatriz; ARAÚJO, William; OLIVEIRA, Caio C. G.; SILVA, Tarcízio (org.). Fluxo em redes sociotécnicas: das micronarrativas ao big data. São Paulo: Intercom, 2019. v. 1. p. 53-76.

BRASIL. Lei nº 7716, de 5 de janeiro de 1989. Define os crimes resultantes de preconceito de raça ou de cor. Brasília, DF: Presidência da República, 1989. Disponível em: https://bit.ly/3sQ3DNo. Acesso em: 20 maio 2022.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015a.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra. Quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015b.

CLOUGH, Patricia Ticineto. The affective turn: theorizing the Social. Durham: Duke University Press, 2007.

CRISCUOLO, Isaque. Marcas e diversidade: como ir além? Meio e Mensagem, 17 jun. 2017. Disponível em: https://bit.ly/383c1Sk. Acesso em: 20 maio 2022.

DIAS, Juarez Guimarães. Da criança que um dia fui para as crianças que ainda somos: um manifesto pela liberdade de ser. Revista Brasileira de Estudos da Homocultura, Cuiabá, v. 3, n. 9, p. 320-340, 2020.

LATOUR, Bruno. Reagregando o social: uma introdução à teoria do ator-rede. Salvador: EDUFBA, 2012.

MAFRA, Renan; MARQUES, Ângela. Diálogo e organizações: cenas de dissenso e públicos como acontecimento. In: MARQUES, Ângela; OLIVEIRA, Ivone de Lourdes (org.). Comunicação organizacional: dimensões epistemológicas e discursivas. Belo Horizonte: Fafich-UFMG, 2015. p. 185-193.

MARQUES, Ângela. Apresentação da versão em português. In: RANCIÈRE, Jacques; JDEY, Adnen. O método da cena. Belo Horizonte: Quixote+Do, 2021. p. 37-75.

MORICEAU, Jean-Luc. Afetos na pesquisa acadêmica. Belo Horizonte: PPGCOM-UFMG, 2020.

MORICEAU, Jean-Luc; MENDONÇA, Carlos Magno Camargos. Afetos e experiência estética: uma abordagem possível. In: MENDONÇA, Carlos Magno Camargos; DUARTE, Eduardo; CARDOSO FILHO, Jorge (org.). Comunicação e sensibilidade: pistas metodológicas. Belo Horizonte: PPGCOM-UFMG, 2016. p. 79-98.

PRECIADO, Paul B. Um apartamento em Urano: – crônicas da travessia. Rio de Janeiro, Zahar, 2020.

RANCIÈRE, Jacques; JDEY, Adnen. O método da cena. Belo Horizonte: Quixote+Do, 2021.

RICH, Adrienne. Heterossexualidade compulsória e existência lésbica. Bagoas – Estudos gays, v. 4, n. 5, p. 18-44, 2012.

SUPERMAN atual, herói filho de Clark Kent, assume ser bissexual. G1, Rio de Janeiro, 11 out. 2021. Disponível em: http://glo.bo/3lvQrcs. Acesso em: 20 maio 2022.

Downloads

Publicado

2022-11-18

Como Citar

BRANDÃO, Vanessa Cardozo; DIAS, Juarez Guimarães. Onde vamos parar? Cenas da controvérsia homofobia versus liberdade de expressão no caso Maurício Souza. Organicom, São Paulo, Brasil, v. 19, n. 38, p. 159–171, 2022. DOI: 10.11606/issn.2238-2593.organicom.2022.195155. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/organicom/article/view/195155.. Acesso em: 21 jul. 2024.