Inteligência artificial e big data: por uma educação midiática crítica e ativa das Relações Públicas

Autores

  • Emilio Alves Universidade de São Paulo. Escola de Comunicação e Artes
  • Ana Cristina da Costa Piletti Grohs Universidade de Sorocaba

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-2593.organicom.2024.221259

Palavras-chave:

Inteligência artificial, Big data, Educação midiática, Aprendizagem ativa, Relações públicas

Resumo

O trabalho discute o impacto da inteligência artificial (IA) e do big data na educação midiática, destacando as implicações éticas e sociais na atuação de jovens comunicadores. A partir de um estudo exploratório e propositivo, propõe-se uma abordagem de ensino baseado nos cinco componentes da aprendizagem ativa de Marcel Lebrun, considerando as competências fundamentais para a formação crítica dos profissionais de Relações Públicas na era digital.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Emilio Alves, Universidade de São Paulo. Escola de Comunicação e Artes

    • Doutorando pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP) e docente da Universidade de Sorocaba

  • Ana Cristina da Costa Piletti Grohs, Universidade de Sorocaba

    • Doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (USP);
    • Docente na Universidade de Sorocaba

Referências

BRASIL. Resolução CNE/CES nº 2, de 27 de setembro de 2013. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Relações Públicas. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2013. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=14243-rces002-13&category_slug=setembro-2013-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 26 abr. 2024.

BUCKINGHAM, David. Media education: literacy, learning and contemporany culture. London: Polity, 2003.

BUCKINGHAM, David. Precisamos realmente de educação para os meios? Revista Comunicação & Educação, São Paulo, v. 17, n. 2, 2012. doi: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v17i2p41-60

CITELLI, Adilson. Palavras, meios de comunicação e educação. São Paulo: Cortez, 2006.

CITELLI, Adilson. Comunicação e Educação: o problema da aceleração temporal. In: NAGAMINI, Eliana (org.). Questões teóricas e formação profissional em comunicação e educação. (Série Comunicação e Educação). Ilhéus: Editus, 2016. v. 1.

DREYER, Bianca Marder. Estratégias de relações públicas para as organizações em tempos de mídias sociais digitais. Organicom, São Paulo, v. 12, n. 22, p.130-144, 2015.

FREIRE, Paulo. Educar com a mídia. São Paulo: Paz e Terra, 2021.

GARCIA, Ana Cristina. Ética e Inteligência Artificial. Revista Computação Brasil, Porto Alegre, n. 43, 2020.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2014.

GRUNIG, James E. Uma teoria geral das Relações Públicas. In: GRUNIG, James E., FERRARI, Maria Aparecida; FRANÇA, Fábio. Relações Públicas: teoria, contexto e relacionamentos. 2. ed. São Caetano do Sul: Difusão, 2011. p. 17-129.

ICCO – INTERNATIONAL COMMUNICATIONS CONSULTANCY ORGANIZATION. World PR Report 2022-2023: Agency views of the path ahead. London, 2024?.

LEBRUN, Marcel. Teorias e métodos pedagógicos para ensinar e aprender. Lisboa: Instituto Piaget, 2002.

PEDRÓ, Francesc et al. Artificial Intelligence in Education: Challenges and Opportunities for Sustainable Development. Paris: Unesco, 2019.

RHODEN, Valmor. O ensino superior de relações públicas: formação digital, práticas e desafios na UFSM. 2013. Tese (Doutorado em Comunicação Social) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande Do Sul, Porto Alegre, 2013.

TERRA, Carolina Frazon; RAPOSO, João Francisco. Relações Públicas e Comunicação orientadas aos dados: realidade ou necessidade contemporânea? Interfaces da Comunicação, v. 1, n. 1, p. 1-14, 2023. doi: https://doi.org/10.11606/issn.2965-7474.v1i1p1-14

ZUBOFF, Shoshana. A era do capitalismo de vigilância. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2020.

Downloads

Publicado

2024-05-27

Como Citar

ALVES, Emilio; GROHS, Ana Cristina da Costa Piletti. Inteligência artificial e big data: por uma educação midiática crítica e ativa das Relações Públicas. Organicom, São Paulo, Brasil, v. 21, n. 44, p. 159–170, 2024. DOI: 10.11606/issn.2238-2593.organicom.2024.221259. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/organicom/article/view/221259.. Acesso em: 25 jul. 2024.