Os córregos ocultos e seus resquícios nos espaços livres urbanos: os afluentes do córrego Mandaqui

  • Arthur Simões Caetano Cabral Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Córregos ocultos. Paisagem urbana. Tietê. Mandaqui. São Paulo.

Resumo

O presente artigo visa a contextualizar, enquanto testemunhos das características geomorfológicas originais do sítio, cursos d’água da bacia do córrego Mandaqui, canalizados e tamponados no decorrer da consolidação urbana da zona norte paulistana. Tal contextualização, no entanto, mostra-se reveladora não apenas de elementos naturais historicamente negados enquanto paisagem, mas também de relações afetivas diversas estabelecidas entre o homem e as águas. A experiência dos espaços associados aos afluentes do Mandaqui demonstra a possibilidade de retomar a consciência sobre a existência de pequenos córregos tamponados em São Paulo. Por meio de vestígios, os córregos ocultos insinuam-se à superfície. Pouco a pouco, o olhar de quem se encontra em tais espaços é inevitavelmente conduzido, entre becos e vielas, a percorrer o trajeto esculpido pelas águas. Estas, ainda que apartadas da superfície, por meio de seus vestígios demonstram a impossibilidade do fazer humano em apagar por completo certos traços da natureza primitiva. O trabalho do qual resulta o presente artigo integra os estudos de caso da margem direita do Tietê, realizados no âmbito da pesquisa acerca dos Córregos Ocultos, coordenada pelo Prof. Dr. Vladimir Bartalini junto ao Laboratório da Paisagem, Arte e Cultura da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arthur Simões Caetano Cabral, Universidade de São Paulo

Arquiteto e urbanista pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAUUSP). Foi bolsista de Iniciação Científica junto à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP): projeto de pesquisa “Córregos Ocultos em São Paulo”, desenvolvido no
Laboratório Paisagem, Arte e Cultura (LabParc/FAUUSP), sob coordenação do prof. dr. Vladimir Bartalini.

Referências

AB’SÁBER, Aziz. Geomorfologia do sítio urbano de São Paulo. São Paulo: Ateliê Editorial, 2007. 360 p.

ASSUNTO, Rosário. A paisagem e a estética. In: SERRÃO, Adriana Veríssimo (Org.). Filosofia da paisagem: uma antologia. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2011. p. 341-375.

AZEVEDO, Aroldo de. A cidade de São Paulo: estudos de geografia urbana. São Paulo: Editora Nacional, 1958.

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade – lembrança de velhos. São Paulo: Companhia das Letras, 2006. 488 p.

DARDEL, Eric. L’Homme et la Terre – nature de la réalité géographique. Tradução de Vladimir Bartalini. Paris: Presses Universitaires de France, 2012. 199 p.

LANGENBUCH, Juergen Richard. A estruturação da Grande São Paulo. Rio de Janeiro: Fundação IBGE, 1971. 354 p.

PRADO JÚNIOR, Caio. A cidade de São Paulo. São Paulo: Brasiliense, 1983. 96 p.

SANT’ANNA, Denise Bernuzzi de. Cidade das águas – usos de rios, córregos, bicas e chafarizes em São Paulo (1822-1901). São Paulo: Senac, 2007. 318 p.

TORRES, Maria Celestina Teixeira Mendes. Bairro de Santana. São Paulo: Secretaria de Educação e Cultura da Prefeitura do Município de São Paulo, 1969. 161 p.

Publicado
2015-10-07
Como Citar
Cabral, A. (2015). Os córregos ocultos e seus resquícios nos espaços livres urbanos: os afluentes do córrego Mandaqui. Paisagem E Ambiente, (35), 63-87. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.v0i35p63-87
Seção
Pesquisa