Espaços livres públicos: utilização de infraestrutura verde para otimizar a drenagem urbana nos centros históricos tombados

  • Claudione Fernandes Medeiros Universidade Federal de Santa Catarina. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Laguna, SC. http://orcid.org/0000-0003-3261-8756
  • Sônia Afonso Universidade Federal de Santa Catarina. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Florianópolis, SC.
Palavras-chave: Espaços Livres Públicos. Infraestrutura Verde. Centro Histórico Tombado.

Resumo

As mudanças climáticas impactam a vida das cidades. Eventos extremos como o aumento da temperatura, secas e enchentes ameaçam também o patrimônio cultural. Nos centros históricos tombados, as enxurradas e alagamentos vêm provocando muitas patologias no casario e no arruamento. O sistema de drenagem urbana tradicional tem se mostrado ineficiente, além das dificuldades de ampliação desta rede diante de prerrogativas de respeito às preexistências. Este estudo procura utilizar os espaços livres públicos das cidades tombadas como potencializadores da drenagem urbana, através dos conceitos de infraestrutura verde. No primeiro momento é apresentada a relação entre as mudanças climáticas e os transtornos à paisagem cultural e como a infraestrutura verde pode contribuir para a resiliência dos centros urbanos tombados. Após são analisados os sistemas de espaços livres públicos passíveis desta aplicação tendo como estudo de caso a cidade de Laguna/SC. Como resultado observou-se que os espaços livres públicos devem transmutar sua função meramente cênica para a função infraestrutural e, desta forma, serão vitais para os centros urbanos, pois além de valorizar a paisagem, também aumentarão a eficácia da drenagem sem impactar ou desconsiderar a geomorfologia e a morfologia urbana existentes.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AB’SABER. Aziz Nacib. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003. Disponível em: < http://pt.scribd.com/doc/94538576/AB-SABER-Aziz-Nacib-Os-dominios-de-natureza-no-Brasil-potencialidades-paisagisticas >. Acesso em: 13 set. 2014.

ANDRADE, Rodrigo Melo Franco de. Rodrigo e o SPHAN: coletânea de textos sobre o patrimônio cultural. Rio de Janeiro: Ministério da Cultura, Fundação Nacional Pró Memória, 1987.

ARAUJO, Guilherme Maciel. Paisagem cultural: um conceito inovador. In: CASTRIOTA, Leonardo Baci (Org.). Paisagem cultural e sustentabilidade. Belo Horizonte: IEDS; UFMG, 2009. p. 25 a 45. Disponível em: < http://iscte- iul.academia.edu/TeresaMaratMendes/Books /117100/Paisagem_Cultural_e_Sustentabilidade >. Acesso em: 03 mar. 2014.

BALTAZAR, A. P. Sobre a resiliência dos sistemas urbanos: devem eles ser resilientes e são eles realmente sistemas? In V!RUS. N. 3. Trad. Biaggioni, B., D'Andréa, A. São Carlos: Nomads.usp, 2010. Disponível em: < http://www.nomads.usp.br/virus/virus03/invited/layout.php?item=1〈=pt >.Acesso em: 04 set. 2014.

BUENO, Eduardo Silva; XIMENES, Deize Sbarai Sanches. A importância da infraestrutura verde no desenho ambiental: estudo da área da cidade universitária e Instituto Butantã. LABVERDE; v. 3, art. 6, São Paulo: FAUUSP, 2011. Disponível em: < http://www.revistas.usp.br/revistalabverde/article/view/61420/64332 >. Acesso em: 04 set. 2014.

CASTRIOTA, Leonardo Barci Castriota. Patrimônio Cultural: Conceitos, Políticas, Instrumentos. Belo Horizonte: Instituto de Estudo do Desenvolvimento Sustentável, 2009.

CORMIER, Nathaniel S.; PELLEGRINO Paulo Renato Mesquita. Infraestrutura verde: uma estratégia paisagística para a água urbana. In. Revista Paisagem e Ambiente: ensaios. Universidade de São Paulo, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, n. 25, São Paulo: FAU, 2008.

CURY, Isabelle (org.). Cartas Patrimoniais. 3 ed. rev. aum. Rio de Janeiro, IPHAN, 2004.

EPAGRI. Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina. As chuvas de novembro de 2008 em Santa Catarina. Disponível em: < http://intranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_3661.pdf >. Acesso em: 22 ago. 2014.

GOOGLE. Google Earth website. Disponível em: < http://earth.google.com/ >. Acesso em set. 2015.

HERZOG, Cecília Polacow. Infra-estrutura verde para cidades mais sustentáveis. Secretaria do Ambiente. Versão Executiva. [S. I.]: ICLEI Brasil, 2010.

IPHAN. Patrimônio Mundial: fundamentos para seu reconhecimento. Brasília, DF: IPHAN, 2008. Disponível em: < http://portal.iphan.gov.br/files/Cartilha_do_Patrimonio_Mundial.pdf >. Acesso em 13 set. 2014.

JORNAL DE LAGUNA.Chuva provoca destruição em Laguna, p.3, 21 set. 2004.

LIMBERGER, Lucienne Rossi Lopes, SANTOS, Nara Rejane Zamberlan. Caderno Didático Paisagismo 1. Universidade Federal de Santa Maria. Março 2000.

MACEDO, Silvio Soares. Paisagem, Urbanização e Litoral, do Éden à Cidade. São Paulo, 1993. Tese (Livre-Docência) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, 1993.

MACEDO, Silvio Soares. Quadro do Paisagismo no Brasil. São Paulo: Coleção Quapá, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, 1999.

MAGALHÃES, Manuela Raposo. A arquitectura paisagista: morfologia e complexidade. Lisboa: Estampa, 2001.

MEDEIROS, Claudione Fernandes de. Paisagem e Drenagem Urbana: estratégias de infraestrutura verde para a revitalização do centro histórico de Laguna/SC. Dissertação de Mestrado em Arquitetura e Urbanismo. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis: UFSC, 2015.

MORAIS, Diego Steffen. Revitalização Urbana de Laguna. Laguna, IPHAN, 2006. CD-ROM.).

PELLEGRINO, Paulo Renato M. A paisagem como Infraestrutura: função e método. Volume apresentado ao concurso de títulos a FAUUSP. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2014.

RIBEIRO, Rafael Winter. Paisagem Cultural e Patrimônio. Rio de Janeiro: IPHAN; COPEDOC, 2007.

UNESCO. Orientações Técnicas para Aplicação da Convenção do Patrimônio Mundial. Lisboa, 2010. Disponível em: < www.whc.unesco.org/comittee/ >. Acesso em: 15 Jul. 2015.

WATERMAN, Tim. Fundamentos de paisagismo. Porto Alegre: Bookman, 2010.

Publicado
2017-10-20
Como Citar
Medeiros, C., & Afonso, S. (2017). Espaços livres públicos: utilização de infraestrutura verde para otimizar a drenagem urbana nos centros históricos tombados. Paisagem E Ambiente, (39), 83-111. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.v0i39p83-111
Seção
Espaços Livres