Entre sonhos e cotidianos: divagações teóricas para uma proposta de parque no cotidiano de Brasilândia

  • Hulda Wehmann Universidade de São Paulo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. São Paulo, SP.
Palavras-chave: Paisagem. Cotidiano. Borda de amabilidade.

Resumo

O que significa um parque para Brasilândia na região norte do município de São Paulo? Este trabalho apresenta as digressões teóricas que foram permitidas ao longo do desenvolvimento de proposta para o Parque Municipal da Brasilândia. O distrito possui uma porção de área verde alvo de campanhas para transformação em parque. A proposta aqui discutida tem como diretriz o enraizamento do parque no bairro como estratégia para assegurar sua inserção como espaço físico e simbólico. Para isso são sugeridas novas relações entre o espaço construído e a área verde, utilizando-se das oportunidades encontradas na estrutura da cidade informal para entrelaçar espaço construído e zonas de natureza, tempo de lazer e vida cotidiana. O projeto apresentado utiliza-se de soluções de manejo das águas urbanas baseadas nos princípios de Melhores Práticas de Manejo (MPM) e Desenvolvimento de Baixo Impacto (Low Impact Development – LID), numa tentativa de melhorar a relação entre o espaço construído e a base biofísica, e da proposta da Borda de Amabilidades como costura suave entre o uso urbano e o espaço de proteção à vida natural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AHERN, J.; PELLEGRINO, P. R. M. Green infrastructure: performance, appearance, economy and working method. In: SYMPOSIUM DESIGNING NATURE AS INFRASTRUCTURE, 2012, Munique. Designing nature as infrastructure. Munique: TUM Graduate School, 2012, p. 181-194.

ANGILELI, C. M. M. Chão. 259 f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

ANGILELI, C. M. M.; SANDEVILLE, E. Uma experiência de estudo colaborativo de paisagens na Brasilândia, SP. Disponível em: < http://www.revistas.usp.br/paam/article/viewFile/77865/81840 >. Acesso em: 20 jun. 2016.

ASSUNTO, R. A paisagem e a estética. In: SERRÃO, A. V (Coord). Filosofia da paisagem: uma antologia. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2011.

BASTOS, R. Economia política do imobiliário: o programa Minha Casa Minha Vida e o preço da terra urbana no Brasil. 2012. 106 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade de Campinas, Campinas, 2012.

BERLEANT, A. Estética. In: SERRÃO, A. V (Coord.). Filosofia da paisagem: uma antologia. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2011.

BONZI, R. Andar sobre Água Preta: a aplicação de infraestrutura verde em áreas densamente urbanizadas. (2015) 159 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

BUARQUE, Francisco. A cidade ideal. Intérpretes: Nara Leão, Miúcha, Ruy Faria e Magro. In.: Os Saltimbancos. Phillips Records. Rio de Janeiro, 1977.

BURKE, P. Hibridismo cultural. Madrid: Akal Ediciones, 2010.

CANDEIA FILHO, A. Filosofia do Samba. Intérprete: Candeia. In: Raiz. Rio de Janeiro, Equipe, 1971. Faixa 02.

CARVALHO, M. C. B.; NETTO, J. P. Cotidiano: conhecimento e crítica. São Paulo: Cortez, 2011.

CERTEAU, M. de. A invenção do cotidiano. São Paulo: Vozes, 1998.

COMPANHIA do Metropolitano de São Paulo – Metrô, Pesquisa origem e destino 2007. Disponível em: < http://www.metro.sp.gov.br/metro/arquivos/OD2007/sintese-od2007.pdf > Data de acesso: junho/2016

CORMIER, N. S.; PELLEGRINO, P. R. M. Infraestrutura verde: uma estratégia paisagística para a água urbana. Paisagem e Ambiente: ensaios. São Paulo: FAUUSP, n. 25, 2008, p. 127-142.

DNA da Brasilândia. Direção: Júlia Campos. Produção: Brasilândia Filmes. São Paulo, 2010. Documentário de curta metragem. Brasilândia Filmes. Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=_bMTm0eRYNw >

FONTES, A. S. Amabilidade urbana: marcas das intervenções temporárias na cidade contemporânea. Revista de Estudios Urbanos y Ciencias Sociales, v. 2, n. 1, 2012, p. 69-93. Disponível em: < http://intervencoestemporarias.com.br/wp-content/uploads/2016/07/14-278-1-PB.pdf >. Acesso em: jun. 2016.

GUSSON, C. S. Efeito da densidade construída sobre o microclima urbano: construção de diferentes cenários possíveis e seus efeitos sobre o microclima da cidade de São Paulo. 2014. 152 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

HA, S. J.; STENSTROM, M. K. “Predictive Modeling of Storm-Water Runoff Quantity and Quality for a Large Urban Watershed”. In: Journal of Environmental Engineering, September, 2008. p. 703-701

JACQUES, P. B. Corpografias urbanas. Arquitextos, 8, 2008. Disponível em: < http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/08.093/165 >. Acesso em: 25 jun. 2016.

LEFEBVRE, Henri. A produção do espaço. Tradução de Doralice Barros Pereira e Sérgio Martins. Primeira versão, fev. 2006. Disponível em: < http://www.mom.arq.ufmg.br/mom/arq_interface/1a_aula/A_producao_do_espaco.pdf >. Acesso em: 18 jul. 2016.

LEITE, M. A. As tramas da segregação: privatização do espaço público. 1998. 91 p. Tese (Livre-docência) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

LIMA, C.; QUEIROCA, E. F.; GONÇALVES, P. C. Processos participativos e universidade: balanço de uma experiência em disciplina de paisagismo. Paisagem e Ambiente: ensaios. São Paulo: FAUUSP, n. 24, 2007, p. 89-98.

MARICATO, Ermínia. Nunca fomos tão participativos. Texto publicado pela Agência Carta Maior, em 26 de novembro de 2007. Disponível em: < http://www.cartamaior.com.br/templates/colunaMostrar.cfm?coluna_id=3774 > Acesso em: março de 2010.

MARTINS, J. de S. (Des)figurações: a vida cotidiana no imaginário onírico da metrópole. São Paulo: Hucitec, 1996.

PARQUE da Brasilândia. Disponível em: <http://www.cantareira.org/tag/parque-da-brasilandia>. Acesso em: 19 jun. 2016.

QUEIROGA, E. F. Dimensões públicas do espaço contemporâneo: resistências e transformações de territórios, paisagens e lugares urbanos brasileiros. 2012. 284 f. Tese (Livre-docência) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

SANTOS, M. Espaço e método. São Paulo: Nobel, 1985.

SANTOS, M. Da totalidade ao lugar. São Paulo: Edusp, 2012.

SÃO PAULO (Prefeitura). Lei nº 16.050, de 31 de julho de 2014. Aprova a Política de Desenvolvimento Urbano e o Plano Diretor Estratégico do Município de São Paulo e revoga a Lei nº 13.430/2002. Disponível em: <http://legislacao.prefeitura.sp.gov.br/leis/lei-16050-de-31-de-julho-de-2014/. Data de acesso: junho/2016

SERPA, A. Espaço público na cidade contemporânea. São Paulo: Contexto, 2007.

Publicado
2017-10-20
Como Citar
Wehmann, H. (2017). Entre sonhos e cotidianos: divagações teóricas para uma proposta de parque no cotidiano de Brasilândia. Paisagem E Ambiente, (39), 53-79. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.v0i39p53-79
Seção
Ensino e Pesquisa