A multiplicidade do espaço como reflexão dialética

Palavras-chave: Espaço, Território, Escalas, Estruturas Ambientais, Estruturas Socioeconômicas

Resumo

O presente artigo dialoga com diversos autores na problematização da definição do Espaço e a forma de apreendermos sua dinâmica e características físicas. Discute as formas de percepção das relações inter escalares, seu significado e as contribuições que esta reflexão é capaz de trazer para o campo da Arquitetura e do Urbanismo. Buscam-se as “chaves de conexão” da interferência antrópica como ação geomorfológica, da leitura do fragmento a inferir o espaço total. Não se aceitaria a normativa de insulamento de fragmentos ou recortes extraídos de certas estruturas maiores, nem se concentra nas decisões temáticas em confinamento (coerências monotemáticas), mas no cruzamento das temáticas do espaço definidas pelas coerências articuladas em sistemas de troca vitais (coerências pluritemáticas).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudio Manetti, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Arquiteto e Urbanista (1983); Doutor POSURB/CEATEC, PUC Campinas; Professor Pontifícia Universidade Católica de Campinas PUC CAMP (2013/2018); Professor Universidade Anhembi Morumbi (1996/2018); Consultor para o Plano Municipal de Habitação da Prefeitura de São Paulo (Secretaria de Habitação); Consultor nas áreas de Transporte, Habitação, Meio Ambiente, Planejamento Urbano, Territorial e Projetos de Urbanismo.

Jonathas Magalhães Pereira da Silva, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Professor Titular e pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Urbanismo (POSURB PUC-Campinas) e da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Pós Doutoramento no ProArq da UFRJ (2015-2016). Arquiteto Urbanista pela FAUUSP (1989). Mestre (1999) e Doutor (2005) em estruturas ambientais urbanas na FAUUSP . Co-lider do Grupo de Pesquisa Políticas Territoriais e a Água no Meio Urbano, cadastrado no CNPq, vinculado à linha de pesquisa Gestão Urbana do POSURB / PUC-Campinas. Foi Presidente da ABAP entre 2011 e 2013, período de formação do CAU. Atua como consultor na MPS associados onde destaca-se a coordenação técnica do Plano Sócio-Espacial da Rocinha Rio de Janeiro (2007-2009); coordenação de 11 planos participativos da região serrana do Espírito Santo (2005-2006); desenvolvimento do projetos urbanos dos corredores de transporte em São Paulo (2005) e na da Área Portuária do Rio de Janeiro (2003-2004).

Referências

AB’SÁBER, Aziz Nacib. O Sítio Urbano de São Paulo. in: Aroldo de Azevedo (org.): A Cidade de São Paulo: Estudo de Geografia Urbana. São Paulo: Companhia Editora Nacional (Coleção Brasiliana, vol.14) p.169-243, 1957.

ARISTÓTELES. Metafísica. São Paulo: Edipro, 2015.

DANTAS, Aldo; MEDEIROS, Tásia H. L. Geografia Ratzeliana e seu Contexto. Brasília: Programa Universidade a Distância UNIDIS Grad/Ministério da Educação/SEED. Colaboram diretamente nesse estudo a Universidade Federal do Rio Grande do Norte UFRN, e Universidade Estadual da Paraíba UEPB, 2008.

FORMAN, Richard T. T. Land Mosaics: the Ecology of Landscape and Regions. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.

GARSON, Sol. Regiões Metropolitanas: Por Que Não Cooperam? Rio de Janeiro: Letra Capital Editora, Observatório das Metrópoles, 2009.

GOMES, José C. Entrevista: Retto Junior, A.S., Constantino, N. R. T., Enokibara, M. Revista Vitruvius, 2005.

GREGOTTI, Vittorio. Território da Arquitetura. São Paulo: Editora Perspectiva, 1972.

HAFFER, Jürgen. Ciclos de Tempo e Indicadores de Tempos na História da Amazônia. Estudos Avançados, 6 (15), 1992.

MODESI-GALTTIERI, May C. [et al.] (org.) A Obra de Aziz Nacib Ab’Sáber. São Paulo: BECA BALL Edições, 2010.

MORAES, Antônio Carlos R.; COSTA, Wanderley M. Geografia Crítica – A Valorização do Espaço. São Paulo: Editora Hucitec,2ª edição, 1987.

MORIN, Edgar. Introdução ao Pensamento Complexo. trad. Eliane Lisboa. 5ª Edição; Editora Sulina, Porto Alegre, 2015.

MORIN, Edgar. Os Sete Saberes Necessários à Educação do Futuro. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2000.

POPPER, Karl. R. A Lógica da Pesquisa Científica. Cultrix, São Paulo, 2001.

RODRIGUES, Cleide. Morfologia Original e Morfologia Antropogênica na Definição de Unidades Espaciais de Planejamento: Exemplo na Metrópole Paulista. São Paulo: Revista do departamento de Geografia, 17, 1001-11, 2005.

SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo. Razão e Emoção. Edit. HUCITEC, São Paulo, 1996.

SANTOS, Milton. Metamorfoses do Espaço Urbano Habitado, Fundamentos Teórico e Metodológico da Geografia. São Paulo: Editora Hucitec, 1988.

SARTRE, Jean Paul. Search for a Nethod (196). A Vintage Book. New York, 1968.

SILVA, Jonathas Magalhães Pereira da; MANETTI, Claudio; TANGARI, Vera. Compartimentos e Unidades de Paisagem: Método de Leitura da Paisagem Aplicado à Linha Férrea. Revista Paisagem e Ambiente: Ensaios n.º31. São Paulo: p.61-80, 2013.

SILVA, Jonathas Magalhães Pereira da Silva. Para que Serve a Morfologia Urbana. Revista de Morfologia Urbana. Revista da Rede Lusófona de Morfologia Urbana. Vol. 4 – N.º2; p 119-121. 2006.

SILVA, Jonathas Magalhães Pereira da Silva. As Unidades de Paisagem como Método de Análise da Forma urbana: reflexões sobre sua incorporação pelo campo disciplinar da arquitetura e urbanismo. Cadernos do PROARQ (UFRJ), v. 20, p. 71-93, 2013.

VILLAÇA, Flávio. O Processo de Urbanização no Brasil; in DEAK, C.; SCHIFFER, S. R. (org.). Edit. Universidade de São Paulo, São Paulo. 1999.

WHITEHEAD, Alfred North. Na Enqiry Concerning the Priniciples of Natrual Know Ledge. Cambridge University Press, Cambridge, Mass, 1919.

Publicado
2018-12-19
Como Citar
Manetti, C., & Silva, J. (2018). A multiplicidade do espaço como reflexão dialética. Paisagem E Ambiente, (42), 23-34. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.v0i42p23-34
Seção
Fundamentos