Notas sobre paisagem e ensino de paisagismo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.paam.2019.153638

Palavras-chave:

Paisagem, Paisagismo, Ensino

Resumo

Assume-se aqui que o objeto do ensino de paisagismo é a paisagem. Essa assunção, que pode parecer óbvia, é simples apenas na aparência. Na verdade, ela exige uma indagação sobre a paisagem, “objeto” fugidio por excelência. O que se tenta neste artigo são aproximações à idéia de paisagem que pressupõem, por um lado, os vínculos desta com a natureza da Terra e, por outro, sua tendência à cosmicização. Busca-se também dissociar a paisagem da hegemonia, se não da exclusividade, do sentido da visão, herdada do pensamento moderno. Por fim, pleiteia-se a contribuição de diferentes formas de expressão, ou de linguagens poéticas, para embasar o ensino de paisagismo, uma vez que a mera capacitação técnica parece não dar conta da amplidão de sentidos que a paisagem acolhe.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vladimir Bartalini, Universidade de São Paulo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Departamento de Projetos

Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (1972), mestrado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (1988) e doutorado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (1999). Professor dos cursos de graduação e de pós-graduação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, onde orienta alunos de mestrado e doutorado na Área de Concentração Paisagem e Ambiente. É membro fundador do Laboratório Paisagem, Arte e Cultura - LABPARC/ FAU-USP, o qual coordenou de 2002 a 2006, desenvolvendo estudos teóricos sobre paisagem e pesquisa sobre "Córregos Ocultos" . Tem experiência profissional em projetos e consultorias em Paisagismo, atuando principalmente em espaços livres, áreas verdes e parques públicos. Colabora com a Diretoria Científica da FAPESP emitindo pareceres sobre projetos de pesquisa enviados à Fundação. (Texto informado pelo autor)

Referências

ASSUNTO, Rosario – “Paesaggio, Ambiente, Territorio. Un tentativo di precisazione concettuale”, in Bollettino del Centro Internazionale di Studi di Architettura Andrea Palladio. Vicenza, XVIII, 1976.

ASSUNTO, Rosario – Il paesaggio e l’estetica. Palermo, Novecento, 2005 (2a ed.).

BERQUE, Augustin (dir.) – Cinq propositions pour une théorie du paysage. Seyssel, Champ Vallon, 1994.

BERQUE, Augustin – Les Raisons du paysage, de la Chine antique aux environnments de synthèse. Paris, Hazan, 1995.

BERQUE, Augustin – La pensée paysagère. Paris, Archibooks + Sautereau Éditeur, 2008.

BESSE, Jean-Marc – Ver a Terra. Seis ensaios sobre a paisagem e a geografia. Tradução Vladimir Bartalini. São Paulo, Perspectiva, 2006.

BESSE, Jean-Marc – Le goût du monde. Exercices de paysage. Arles, Actes Sud / ENSP, 2009.

CABRAL, Arthur Simões Caetano. “Os córregos ocultos e seus resquícios nos espaços livres urbanos. Os afluentes do córrego Mandaqui”. Arquitextos, São Paulo, ano 15, n. 177.03, Vitruvius, fev. 2015 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/15.177/5479>.

CARCHIA, Giani – “Il paesaggio e l’enigma”, in GOLDIN, M. (org.), Da Cézanne a Mondrian. Impressionismo, Expressionismo, Cubismo e il paesaggio del nuovo secolo in Europa. Conegliano, Linea d’ombra, 1999.

CERTEAU, Michel de – A invenção do cotidiano. Artes de fazer. Tradução Ephraim F. Alves. Petrópolis, Editora Vozes, 1994.

CERTEAU, Michel de, GIARD, Luce, MAYOL, Pierre – A invenção do cotidiano. Morar, cozinhar. Tradução Ephraim F. Alves e Lúcia Endlich Orth. Petrópolis, Editora Vozes, 2000, 3a edição.

CLÉMENT, Gilles – Jardins, paysage et génie naturel. Domont, Collège de France / Fayard, 2012.

CORBIN, Alain – O Território do Vazio. A praia e o imaginário ocidental. Tradução Paulo Neves. São Paulo, Companhia das Letras, 1989.

D’ANGELO, Paolo (org.) – Estetica e paesaggio, Bologna, Il Mulino, 2009.

DARDEL, Eric – L’Homme et la Terre. Paris, CTHS, 1990.

EVANS, Susan Toby – “Aztec Royal Pleasure Parks”, in Studies in the History of Gardens and Designed Landscapes, vol. 20, number 3, London & Philadelphia, Taylor and Francis, 2000.

FERRIOLO, Massimo Venturi – Etiche del paesaggio. Il progetto del mondo umano. Roma, Editori Riuniti, 2002.

HEIDEGGER, Martin – A origem da obra de arte. São Paulo, Edições 70, 2010.

HUNT, John Dixon – Greater Perfections. London, Thames and Hudson, 2000.

JELLICOE, Geoffrey & Susan –The landscape of man. New York, Thames and Hudson, 1995.

PAZ, Octavio – O arco e a lira. Tradução Ari Roitman e Paulina Wacht. São Paulo, Cosac Naify, 2012.

PEREIRA, Virgínia Soares Pereira – “Plínio e a sombra tutelar de Cícero”, in Ágora. Estudos Clássicos em Debate 8. Universidade de Aveiro, Departamento de Línguas e Culturas, 2006.

PRANDI, Reginaldo – Mitologia dos orixás. São Paulo, Companhia das Letras, 2008.

RILKE, Rainer Maria – “Del paesaggio”, in Paolo D’Angelo (org.), Estetica e paesaggio, Bologna, Il Mulino, 2009.

RYCKMANS, Pierre – As anotações sobre pintura do Monge Abóbora-Amarga. Trad. Carlos Matuck e Giliane Ingratta, traduções adicionais do chinês Tai Hsuan An. Campinas, Editora da Unicamp, 2010.

SERRÃO, Adriana Veríssimo (coord.) – Filosofia da Paisagem. Uma antologia. Lisboa, Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2011.

WUNENBURGER, Jean-Jacques – Gaston Bachelard, poétique des images. Fano, Éditions Mimésis, 2014.

Downloads

Publicado

2019-11-21

Como Citar

Bartalini, V. (2019). Notas sobre paisagem e ensino de paisagismo. Paisagem E Ambiente, 30(43), e153638. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.paam.2019.153638

Edição

Seção

Ensino