Rios urbanos, águas baianas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.paam.2019.160216

Palavras-chave:

Rios urbanos, Caracterização fluvial, Serviços ecossistêmicos, Paisagem urbana

Resumo

O artigo evidencia o processo de canalização dos rios em Salvador, Bahia, discutindo como as recentes intervenções viárias em áreas de preservação permanente podem e devem contribuir para a melhoria das condições ambientais e sociais das áreas fluviais, o que não tem acontecido na capital baiana. O texto apresenta o desenvolvimento e a aplicação de uma metodologia de caracterização de rios após intervenções de macrodrenagem, evidenciando vulnerabilidades, riscos, demandas sociais e potencialidades de intervenção. Apresenta, ainda, como objeto de estudo, o rio Mocambo e a relação com seu entorno: um aterro controlado desativado e o bairro de Canabrava, um contexto de fragilidade ambiental e social. A metodologia tem como premissa sua aplicabilidade por associações de moradores, grupos sociais, ONGs, gestores e projetistas, podendo fomentar lutas e reivindicações por compensações socioambientaismpensações socioambientais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nayara Cristina Rosa Amorim, Universidade Federal da Bahia (UFBA), Faculdade de Arquitetura

Professora da Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal da Bahia. Doutoranda em Arquitetura e Urbanismo pelo Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo.

Referências

BARROS, Luzia Helena dos Santos A paisagem requalificada: dos lixões aos parques urbanos. In: VASCONCELLOS, Andréa. Estratégias para uma infraestrutura verde. Barueri: Manole, 2017. p. 261-289.

EMPRESA BAIANA DE ÁGUAS E SANEAMENTO – EMBASA. Ações da Embasa em Salvador. Salvador: Secretaria de Desenvolvimento Urbano, 2013. Disponível em: http://www.embasa.ba.gov.br/images/documents/1124/20180809_REV_AcoesdaEmbasaemSalvador.pdf. Acesso em: 25 jun. 2019.

FISHER, Brendan; TURNER, Kerry; MORLING, Paul. Defining and classifying ecosystem services for decision making. Ecological Economics, Amsterdam, v. 68, n. 3, p. 643-653, 2009.

GRUPO AMBIENTALISTA DA BAHIA. Rios da cidade de Salvador: atraso e contramão da história. Carta Aberta. Salvador, 2011. Disponível em: http://www.gamba.org.br/noticias/salvador-e-seus-rios-sepultados-sob-as-avenidas-de-vale. Acesso em: 10 maio 2017.

HAASE, Dagmar et al. A quantitative review of urban ecosystem service assessments: concepts, models, and implementation. Ambio, New York, v. 43, n. 4, p. 413-433, 2014.

HAINES-YOUNG, Roy; POTSCHIN, Marion. Common International Classification of Ecosystem Services (CICES) V5.1 and guidance on the application of the revised structure. Nottingham: Fabis Consulting, 2017. Disponível em: https://cices.eu/content/uploads/sites/8/2018/01/Guidance-V51-01012018.pdf. Acesso em: 10 nov. 2018.

HANSEN, Reike; PAULEIT, Stephan. From multifunctionality to multiple ecosystem services? a conceptual framework for multifunctionality in green infrastructure planning for urban areas. Ambio, New York, v. 43, n. 4, p. 516-529, 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo 2010. Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/. Acesso em: 14 dez. 2018.

KUCHARSKI, Silvia Cristiane Rivas Pereira et al. Avaliação dos níveis de metais pesados em solos e sedimentos do grupo Barreiras sob depósito de resíduos sólidos urbanos: caso de Canabrava – Salvador – Bahia. Rio de Janeiro: Embrapa, 2011. (Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento 199).

MILLENNIUM ECOSYSTEM ASSESSMENT. Ecosystems and human well-being: synthesis. Washington, DC: Island Press, 2005. Disponível em: https://www.millenniumassessment.org/documents/document.356.aspx.pdf. Acesso em: 10 dez. 2018.

PINHEIRO, Maitê Bueno. Plantas para infraestrutura verde e o papel da vegetação no tratamento das águas urbanas de São Paulo: identificação de critérios para seleção de espécies. 2017. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

PLANO DE DESAPROPRIAÇÃO do Empreendimento de Ligação da Avenida Luís Viana Filho (Paralela) à Rua Artêmio Castro Valente. FBS Construção Civil e Pavimentações LTDA. WIA Engenharia e Consultoria Ambiental. Salvador, 2016. v. 2.

PROGRAMA CATA AÇÃO. Plano de bairro de Canabrava. Salvador: Associação Cultural e Esportiva da Comunidade de Canabrava, 2012.

SALVADOR. Lei nº 6.586/2004. Dispõe sobre o Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano do Município do Salvador – PDDU e dá outras providências. Salvador, 2004.

SALVADOR. Lei nº 9.148/2016. Dispõe sobre o Ordenamento do Uso e da Ocupação do Solo do Município de Salvador e dá outras providências. Salvador, 2016.

SANTOS, Elisabeth et al. (org.). O caminho das águas em Salvador: bacias hidrográficas, bairros e fontes. Salvador: Ciags, 2010.

SANTOS, Rozely. O contexto histórico da definição conceitual de Serviços Ecossistêmicos. Campinas: Unicamp, 2014. Disponível em: http://www.fapesp.br/eventos/2014/02/biota/Rozely_Ferreira.pdf. Acesso em: 10 fev. 2019.

SEMINÁRIO RIOS URBANOS DE SALVADOR E O DIREITO À CIDADE SUSTENTÁVEL, 2017, Salvador. Anais […]. Salvador: Universidade Católica do Salvador, 2017. Disponível em: http://www.gamba.org.br/wpcontent/uploads/2017/04/DocumentoFinal_Semina%CC%81rio-Rios-Urbanos.pdf. Acesso em: 14 dez. 2018.

SHIELDS, Douglas et al. Stream corridor restoration research: a long and winding road. Ecological Engineering, Amsterdam, v. 20, n. 5, p. 441-454, 2003.

TEIGA, Pedro. Avaliação e mitigação de impactes em reabilitação de rios e ribeiras em zonas edificadas: uma abordagem participativa. 2011. Tese (Doutorado em Engenharia) – Faculdade de Engenharia, Universidade do Porto, Porto, 2011.

TRAVASSOS, Luciana Rodrigues Fagnoli Costa. Revelando os rios: novos paradigmas para intervenção em fundos de vale urbanos na cidade de São Paulo. 2010. Tese (Doutorado em Ciência Ambiental) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

WINKLER, R. Valuation of ecosystem goods and services: Part 2: Implications of unpredictable novel change. Ecological Economics, Amsterdam, v. 59, n. 1, p. 94-105, 2006.

Publicado

2019-11-27

Como Citar

Amorim, N. C. R. (2019). Rios urbanos, águas baianas. Paisagem E Ambiente, 30(44), 160216. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.paam.2019.160216

Edição

Seção

Planejamento da Paisagem