Seja bem-vindo e boa viagem! Ensaio acerca do significado dos portais na paisagem das rodovias paranaenses

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.paam.2021.165973

Palavras-chave:

Paisagem, Marco urbano, Monumento, Portais rodoviários, Estado do Paraná

Resumo

A paisagem é uma construção coletiva e se constitui como resultado de disputas entre grupos que procuram marcar o mundo de acordo com suas concepções. No universo urbano, inscrições no território podem assumir variada compleição e apresentar distintos níveis de significação, como marcos urbanos e/ou monumentos. Em razão da marcante presença de portais instalados nas rodovias paranaenses, este texto tem o objetivo de instigar juízos acerca da sua contribuição para a conformação da paisagem. Para tanto, a partir de sucintos apontamentos sobre a categoria de paisagem e o conceito de monumento, apresenta-se uma classificação e uma sucinta descrição desses portais com vistas a identificá-los como elementos representantes de nosso estágio comunal. Trata-se de resultado de inquietação que se consolidou por varredura digital exploratória das entradas rodoviárias dos municípios do Paraná no Google Street View, alimentado por notícias disponíveis na internet.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandro Filla Rosaneli, Universidade Federal do Paraná. Programa de Pós-Graduação em Planejamento Urbano e do Programa de Pós-Graduação em Geografia

Professor Associado do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da UFPR. Professor efetivo do Programa de Pós-Graduação em Planejamento Urbano e do Programa de Pós-Graduação em Geografia. ABAP

Gabriela Pereira Mendonça de Almeida, Universidade Federal do Paraná

Arquiteta e urbanista pela UFPR

Referências

ARGAN, G. C. História da arte como história da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9283: mobiliário urbano. Rio de Janeiro: ABNT, (1986).

BARTALINI, V. Natureza, paisagem e cidade. Pós Revista do Programa de Pós- Graduação em Arquitetura e Urbanismo da FAUUSP, v. 20, n. 33, junho, São Paulo, 2013.

BESSE, J. M. O gosto do mundo: exercícios de paisagem. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2014.

BRASIL. MINISTÉRIO DO TURISMO. Portaria 182, de 28 de Julho de 2016. Estabelece regras e critérios para a formalização de instrumentos de transferência voluntária de recursos, para execução de projetos e atividades integrantes do Programa Turismo e respectivas Ações Orçamentárias, e dá outras providências. Disponível em: http://www.turismo.gov.br/legislacao/?p=1070. Acesso em 26 de agosto de 2016.

CARERI, F. Walkscapes. O caminhar como prática estética. São Paulo: Editora G. Gili, 2013, 2013.

CHOAY, F. A alegoria do patrimônio. São Paulo: Estação Liberdade: Editora UNESP, 2001.

CORRÊA, R. L. Denis Cosgrove – a paisagem e as imagens. Espaço e Cultura, UFPR, RJ, n. 29, 2011, p. 7 – 21. Disponível em: http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/espacoecultura/article/view/3528/2454. Acesso em 26 de julho de 2016.

CORRÊA, R. L. Monumentos, política e espaço. In: CORRÊA, R. L.; ROSENDAHL, Z. (Orgs.). Geografia: temas sobre cultura e espaço. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2005.

COSGROVE, D. A Geografia está em toda parte: cultura e simbolismo nas paisagens humanas. In: CORRÊA, R. L.; ROSENDHAL, Z. Paisagem, Tempo e Cultura. Rio de Janeiro: EDUERJ., 1998.

DUNCAN, J. A paisagem como sistema de criação de signos. In: CORRÊA, R. L.; ROSENDAHL, Z. (Orgs.). Paisagens, textos e identidade. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2004.

FERREIRA, J. C. V. Cidades brasileiras: Origem e Significado de seus nomes. Curitiba: J. V. C. Ferreira, 1999.

HERTZBERGER, H. Lições de Arquitetura. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

HIRATA, E. F. Monumentalidade e representações do poder de uma pólis colonial. In: FLORENZANO, M. B. B.; HIRATA, E. F. (Orgs.) Estudos sobre a cidade antiga. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, Fapesp, 2009.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Enciclopédia dos municípios brasileiros. XXXI Volume. IBGE: Rio de Janeiro, 1959.

KERSTEN, M. S. A. Os rituais do tombamento e a escrita da História. Curitiba: Editora da UFPR, 2000.

KOSTOF, S. The City Shaped – Urban Patterns and Meanings Through History. New York: Bulfinch Press, 1991.

LYNCH, K. A imagem da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1997 [1960].

MASSEY, D. Um sentido global de lugar. O espaço da diferença. Campinas, SP: Papirus, 2000 [1991].

MEINIG, D. W. O olho que observa: dez versões da mesma cena. Espaço e Cultura, UFPR, RJ, n. 16, 2003 [1976]. p. 35 – 46. Disponível em: http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/espacoecultura/article/view/7762/5610, Acesso em 26 julho 2016.

NOGUÉ, J. La construcción social del paisaje. Madrid: Editorial Biblioteca Nueva, S. L., 2007.

PANZINI, F. Projetar a natureza. Arquitetura da paisagem e dos jardins desde as origens até a época contemporânea. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2013.

RIBEIRO, R. W. Paisagem cultural e patrimônio. Rio de Janeiro: IPHAN, 2007. Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCEPR). Punido prefeito de Perobal, por utilizar as iniciais de seu nome em portal, 2017. Disponível em: https://www1.tce.pr.gov.br/noticias/punido-prefeito-de-perobal-por-utilizar-as-iniciais-de-seu-nome-em -portal/5432/N. Acesso em 09 de março de 2021.

VENTURI, R.; BROWN, D. S.; IZENOUR, S. Aprendendo com Las Vegas. O simbolismo (esquecido) da forma arquitetônica. São Paulo: Cosac & Naif, 2003.

Downloads

Publicado

2021-06-01

Como Citar

Rosaneli, A. F., & Almeida, G. P. M. de. (2021). Seja bem-vindo e boa viagem! Ensaio acerca do significado dos portais na paisagem das rodovias paranaenses. Paisagem E Ambiente, 32(47), e165973. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.paam.2021.165973

Edição

Seção

Paisagem Urbana