Patrimônio natural em contexto urbano: a gestão da conservação do Parque dos Manguezais, Recife-PE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.paam.2021.176503

Palavras-chave:

Patrimônio cultural, Patrimônio natural, Unidades de conservação, Parque dos Manguezais, Valores patrimoniais

Resumo

O presente artigo tem como objetivo a identificação dos valores patrimoniais do Parque dos Manguezais (Unidade de Conservação do Recife) que representam a significância natural do bem e que consiste na etapa inicial do processo de conservação patrimonial, de acordo com a Australian Natural Heritage Charter (IUCN, 2002). Para identificação dos valores, foram entrevistadas distintas categorias de atores (moradores do entorno, especialistas e agentes públicos), cujos depoimentos foram analisados com base no método Análise de Conteúdo. Como resultado, foram estabelecidas as dimensões patrimoniais relacionadas aos aspectos ecológicos e culturais da Unidade de Conservação, assim como foram levadas em consideração as inter-relações que tais atores mantêm com o ecossistema e que sinalizam as ações objetivas de conservação do Parque dos Manguezais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Célio Henrique Rocha Moura, Universidade Federal de Pernambuco. Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Urbano (MDU)

Arquiteto e Urbanista (UFPE), Mestrado em Desenvolvimento Urbano (MDU/UFPE), Pesquisador do Laboratório da Paisagem e do Laboratório de Estudos Periurbanos (DAU/UFPE).

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa: Editora 70, 1977. 225p.

BEZERRA, Onilda Gomes. A Conservação do Patrimônio Natural/Cultural: Um sistema de indicadores para o monitoramento da conservação da significância dos Parques Nacionais brasileiros Patrimônios da Humanidade. 2011. 359 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Urbano) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011.

BEZERRA, Onilda Gomes. Paisagem como totalidade Homem-Natureza. In: VERAS, Lúcia, et al. Cadernos de Arquitetura e Urbanismo, v.2. João Pessoa: Patmos Editora, 2017. p. 34-51.

BEZERRA, Onilda Gomes. O patrimônio natural no contexto da conservação integrada. Revista Patrimônio e Memória. São Paulo: UNESP, v. 14, n. 1, p. 51-68, 2018.

DIEGUES, Antônio Carlos. O Mito Moderno da Natureza Intocada. São Paulo: Editora Hucitec, 1996. 163p.

FUNDAÇÃO SOS MATA ATLÂNTICA. Relatório anual de atividades. São Paulo: [s.n.], 2017.

FUNDAÇÃO SOS MATA ATLÂNTICA; INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS. Atlas dos remanescentes florestais de mata atlântica período 2018-2019. São Paulo: [s.n.], 2020.

ICOMOS. The Burra Charter. Burra: Australia ICOMOS, 2013.

INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Atlas dos Manguezais do Brasil. Brasília: [s.n.], 2018.

IUCN Red List of Threatened Species. IUCN Red List, 2018. Disponível em: <https://www.iucnredlist.org/>. Acesso em: 25 fev. 2019.

IUCN. Australian Natural Heritage Charter, second edition. Sidney NSW: Australian Heritage Commission, 2002.

LACERDA, Norma. Valores dos Bens Patrimoniais. In: LACERDA, Norma; ZANCHETI, Sílvio Mendes. Plano da Gestão da Conservação Urbana: Conceitos e Métodos. Recife: CECI, 2012. p. 44-54.

MASON, Randall. Fixing Historic Preservation: A Constructive Critique of “Significance”. Places, a Forum of Environmental Design, v. 16, n. 1, p. 64-71, 2004.

MELO, José Gustavo da Silva. Registro das dinâmicas espaciais dos manguezais do baixo curso do Capibaribe. 2014. 124 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Urbano) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2014.

MORA, Luís de la. A Gestão da Conservação do Patrimônio e seus Instrumentos. In: LACERDA, Norma; ZANCHETI, Sílvio Mendes. Plano de Gestão da Conservação Urbana: Conceitos e Métodos. Recife: CECI, 2012. p. 114-125.

MOURA, Célio Henrique Rocha; BEZERRA, Onilda Gomes; SILVA, Joelmir Marques. Os Valores Naturais das Unidades de Conservação do Recife: Mata de Dois Irmãos e Mata do Engenho Uchôa. Revista Percurso. Maringá: UEM, v. 10, p. 131-155, 2018.

QUINTÃO, Ângela Tresinari Bernardes. Utilitarismo versus ética ecológica. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Brasília: IPHAN, n. 19, p.49-52, 1984.

RECIFE. Lei Municipal nº 16.176, de 9 de abril de 1996. Estabelece a Lei de Uso e Ocupação do Solo do Recife.

RECIFE. Lei Municipal nº 17.511, de 29 de dezembro de 2008. Promove a revisão do Plano Diretor do município do Recife.

RECIFE. Decreto nº 25.565, de 1 de dezembro de 2010. Regulamenta a Unidade Protegida Parque dos Manguezais.

RECIFE. Lei Municipal nº 18.014, de 10 de maio de 2014. Institui o Sistema Municipal de Unidades Protegidas – SMUP Recife e dá outras providências.

RIBEIRO, Cecília; LIRA, Flaviana. Autenticidade, Integridade e Significância Cultural. In: LACERDA, Norma; ZANCHETI, Sílvio Mendes. Plano de Gestão da Conservação Urbana: Conceitos e Métodos. Recife: CECI, 2012. p. 32-41.

SILVA, Júlio César Felix; GOMES, Edvânia Torres Aquiar; ALBUQUERQUE, Mariana Zerbone Alves. A Cidade: Uma leitura Geográfica da Paisagem Urbana da metrópole pelo Pina, Recife – PE. Revista Movimentos Sociais e Dinâmicas Espaciais. Recife: UFPE, v. 5, p. 55-73, 2016.

Downloads

Publicado

2021-06-02

Como Citar

Moura, C. H. R., Bezerra, O. G., Lapa, T. de A., & Albuquerque, C. C. S. (2021). Patrimônio natural em contexto urbano: a gestão da conservação do Parque dos Manguezais, Recife-PE. Paisagem E Ambiente, 32(47), e176503. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.paam.2021.176503

Edição

Seção

Meio Ambiente