Vegetação e ensino de paisagismo: uma experiência de sensibilização

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.paam.2021.182444

Palavras-chave:

Ensino de paisagismo, Vegetação, Desenho, Sensibilização

Resumo

O presente trabalho é uma reflexão sobre um conjunto de experiências realizadas junto aos estudantes do curso de Arquitetura e Urbanismo do Instituto Federal de São Paulo, nas disciplinas de desenho artístico e paisagismo – experiências nas quais tentamos estabelecer uma abordagem de ensino ligada aos conceitos de Planejamento Ecológico e Infraestrutura Verde, ao invés de abordagens meramente ornamentais da arquitetura paisagística. O objetivo principal foi o de despertar nos alunos o interesse pelas dimensões biológicas, espaciais e sociais da vegetação, em um contexto em que a chamada Cegueira Vegetal (Plant Blindness) é cada vez mais comum. Tais experiências exploraram o desenho como ferramenta de apreensão das características das espécies e de superação da visão de que “todas plantas são iguais”. Foram propostos três eixos temáticos, cada um deles trabalhando questões específicas em relação à vegetação: em “As árvores e a cidade”, estudou-se a diversidade de árvores e palmeiras na arborização urbana de São Paulo; em “Plantas no jardim”, foi trabalhado o conhecimento prático sobre o plantio como fundamental para o paisagismo; já “Vegetação e biomas” propôs uma compreensão das plantas em seu ambiente natural e em suas relações com outros elementos bióticos e abióticos, assumindo a centralidade da perspectiva ecológica para o paisagismo. As principais ações envolvidas nessas experiências foram descobrir, reconhecer e experimentar o verde – promovendo uma relação mais sensível entre sujeito e objeto, na qual o engajamento permitiu aprofundar o conhecimento sobre a flora e surgiu como fator determinante para a formação dos futuros arquitetos paisagistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Carolina Carmona Ribeiro, Universidade de São Paulo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo

Doutoranda na Área de Paisagem e Ambiente na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAUUSP); docente no curso de Arquitetura e Urbanismo do Campus São Paulo do Instituto Federal de São Paulo (IFSP).

Referências

BROCHADO, Maria Luiza Costa. Palmeiras nativas do Brasil. Embrapa.br. Abril 2016. Disponível em https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/11266372/palmeiras-nativas-do-brasil---livro-revela-os-potenciais-dessas-especies Acesso em 20.9.2019

CABALLERO, Daniel. Guia de campo dos Campos de Piratininga. São Paulo, Editora do Autor, 2016.

CANÇADO, Wellington. O que diriam as árvores? Piseagrama. Belo Horizonte, n. 11, 2017, p. 118-125.

CURADO, Mirian M. de Campos. Paisagismo contemporâneo no Brasil: Fernando Chacel e o conceito de ecogênese. Docomomo. 2016. Disponível em http://docomomo.org.br/wp-content/uploads/2016/01/145.pdf Acesso em 24.10.2019

DEAN, Warren. A ferro e fogo: a história da devastação da Mata Atlântica brasileira. São Paulo, Cia das Letras, 2018.

GRUBER, Jussara Gomes [org]. O livro das árvores. Benjamim Constant, Organização Geral dos Professores Ticuna Bilíngues, 1997.

HERZOG, Cecília P. Cidades para todos: (re)aprendendo a conviver com a natureza. Rio de Janeiro, Mauad, 2013.

HUTCHINSON, Edward. O desenho no projeto da paisagem. Barcelona, Gustavo Gilli, 2012.

LYDIA, Laura. Ervas sp. São Paulo, Funarte, 2015.

LORENZI, Harri. Árvores brasileiras – Volumes 1, 2 e 3. Nova Odessa, Plantarum, 2016.

LORENZI, Harri. Flora Brasileira - Arecaceae (palmeiras). Nova Odessa, Plantarum, 2010.

LORENZI, Harri, SOUZA, Hermes M. Plantas ornamentais no Brasil. Nova Odessa, Plantarum, 2001.

MANCUSO, Stefano. Revolução das plantas: um novo modelo para o futuro. São Paulo, Ubu, 2019.

MOTTA, Flávio. Roberto Burle Marx e a nova visão da paisagem. São Paulo, Nobel, 1986.

MUNARI, Bruno. Drawing a tree. Mantova, Corraini, 2014.

OLIVEIRA, Ana Rosa de. Gilles Clément e o jardim planetário. Vitruvius Arquitextos. São Paulo, ano 01, n. 002.03, jul. 2000. Disponível em https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/01.002/997 Acesso em 15.10.2019

SEVCHENKO, Nicolau. O front brasileiro na guerra verde: vegetais, colonialismo e cultura. Revista da USP. São Paulo, n. 30, jun/ago 1996, p. 108-119.

SILVA, Ana Paula, SILVA, Maria Francilene, ROCHA, Francinalda, ANDRADE, Ivanilza. Aulas práticas como estratégia para o conhecimento da botânica no ensino fundamental. Holos. Natal, n. 8, jan. 2015, p. 68-79. Disponível em http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/2347 Acesso em 10.10.2019

VALERY, Paul. Degas dança desenho. São Paulo, Cosacnaify, 2012.

VALERY, Paul. Degas, Manet, Morisot. New York, Pantheon Books, 1960.

WANDERSEE, James, SCHUSSLER, Elisabeth. Preventing Plant Blindness. The American Biology Teacher. Berkeley, Vol. 61, No. 2, Fev. 1999, p. 82-86. Disponível em https://www.jstor.org/stable/4450624 Acesso em 11.905.21. https://doi.org/10.2307/4450624

Downloads

Publicado

2021-09-17

Como Citar

Ribeiro, A. C. C. (2021). Vegetação e ensino de paisagismo: uma experiência de sensibilização. Paisagem E Ambiente, 32(48), e182444. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.paam.2021.182444

Edição

Seção

Ensino