Integração da infraestrutura verde no ordenamento da cidade de Lichinga: potencialidades e condicionantes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.paam.2022.186480

Palavras-chave:

Infraestutura verde, Ordenamento do território, Gestão territorial, Abordagem colaborativa, Expansão urbana

Resumo

A produção do espaço nas cidades moçambicanas é caracterizada pela supressão progressiva das áreas verdes, diante da arborização urbana inexistente ou inadequada. A partir do enfoque qualitativo, guiado pela consulta bibliográfica e  documental na observação direta e do uso de recursos cartográficos, o artigo debruça sobre as potencialidades e  possibilidades da integração da Infraestrutura Verde como estratégia de ordenamento e desenvolvimento do território,  centrado no contexto do Município da Cidade de Lichinga (Moçambique). Considera-se importante inserir a Infraestrutura Verde no planeamento das cidades para possibilitar maior qualidade de vida, podendo constituir uma alternativa para mitigar a degradação da paisagem urbana, além de proporcionar serviços ambientais essenciais para a sustentabilidade das cidades e resiliência das comunidades. Daqui reside a importância de uma abordagem de planeamento e gestão do território que a partir de um enfoque colaborativo prioriza a delimitação de áreas para implantação da Infraestrutura Verde, entendido como fator de ordenamento do território e desenvolvimento do município. A delimitação das áreas para implantação da Infraestrutura Verde deverá observar as características da base biofísica do território e levar em consideração os problemas ambientais prevalecentes, bem como os interesses e preocupações dos segmentos da população

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, Tânia Daniela Monteiro. A estrutura ecológica urbana no modelo da rede estruturante da cidade. Dissertação de Mestrado, Universidade de Aveiro. 2009. Brasil. Estatuto da cidade (2001).

AUSTIN, Gary. Green infrastructure for landscape planning: integrating human and natural systems. Routledge, New York, 2014.

BELIK, Walter. A mobilização empresarial pelo combate à fome. In: SILVA, José Graziano da; GROSSI, Mauro Eduardo Dei; FRANÇA, Galvão de (orgs.). Fome Zero: a experiência brasileira. Brasília: MDA, 2010. p. 111-140.

CAOMBA, David Paulo António. Ocupações informais do solo urbano em Moçambique: análise dos fatores de motivação e do risco de ocupação das planícies de inundação na cidade de Lichinga. 2018 (Tese de doutoramento) - Universidade de Minho. 2018, 257p. http://hdl.handle.net/1822/56336

CARVALHO, Jorge. Ordenar a cidade. Coimbra, Quarteto Editora. 2003.

CARVALHO, Jorge. Matriz para estruturação do território. 15. Congresso da APDR. Praia, Cabo Verde. 2009.

CARVALHO, Jorge. Um caminho para a melhoria da prática urbanística. UEst, Jorge Carvalho Urbanistas. 2018. HERZOG, Cecília; RIZZI, Daniela; FERRAZ, Victor. Soluções baseadas na Natureza: por cidades mais verdes, resilientes e inclusivas. ArchDaily Brasil. 2021. Acessado a 2 de Agosto de 2021. https://www.archdaily.com.br/br/963861/solucoes-baseadas-na-natureza-por-cidades-mais-verdes-resilientes-e-inclusivas

COMISSÃO EUROPEIA. Relatório da comissão ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões: avaliação dos progressos na aplicação da estratégia da UE para a Infraestrutura Verde. Bruxelas. 2019. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52019DC0236&qid=1562053537296

FERREIRA, José C.; MACHADO, João R. Infra-estruturas verdes para um futuro urbano sustentável. O contributo da estrutura ecológica e dos corredores verdes. Revista LABVERDE, n. 1, 2010, p. 69-90. https://doi.org/10.11606/issn.2179-2275.v0i1p69-90

FRANCO, M. Infraestrutura Verde em São Paulo: o caso do Corredor Verde Ibirapuera-Villa Lobos. Revista LABVERDE, n. 1, 2010, p. 135-154. https://doi.org/10.11606/issn.2179-2275.v0i1p135-154

HERZOG, C; Rosa, L. Infraestrutura Verde: Sustentabilidade e resiliência para a paisagem urbana. Revista LABVERDE, n. 1, 2010 p. 92-115. https://doi.org/10.11606/issn.2179-2275.v0i1p92-115.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA-DELEGAÇÃO PROVINCIAL DE NIASSA. Folheto provincial 2020. NE. 2020.

MINISTÉRIO DE TERRA, AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO RURAL. Agenda Estratégica 2019 -2035 e Programa Nacional de Florestas. MITADER. 2019

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA OS ASSENTAMENTOS HUMANOS (ONU-Habitat). International Guidelines on Urban and Territorial Planning. Nairóbi, ONU-Habitat. 2015.

QUINTAS, Andreia V. Génese e evolução dos modelos de Estrutura Verde Urbana na estratégia de desenvolvimento das cidade, 153-167. 2014. Disponível em: http://bdigital.ufp.pt/bitstream/10284/4540/1/ART.153-167.pdf.

SCHUTZER, J. G. Cidade e meio ambiente: a apropriação do relevo no desenho ambiental urbano. São Paulo: Edusp. 2012.

SOLERA, Maria Lúcia; Machado, Aline R.; CAVANI, Ana c. M.; SOUZA, Caroline A.; LONGO, Mariana H. C.; VELASCO, Giuliana Del n.; IKEMATSU, Priscila; AMARAL, Raquel D. A. M (Orgs). Guia Metodológico para Implantação de Infraestrutura Verde. São Paulo: Fundação Apoio ao Instituto de Pesquisas Tecnológicas – FIPT, 2020.

Downloads

Publicado

2022-01-03

Como Citar

Masquete, J. A., & Chande, G. M. C. (2022). Integração da infraestrutura verde no ordenamento da cidade de Lichinga: potencialidades e condicionantes. Paisagem E Ambiente, 33(49), e186480. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.paam.2022.186480

Edição

Seção

Fundamentos