A Paisagem Original das Capitais Planejadas do Cerrado

Autores

  • Júlio Barêa Pastore Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.v0i30p45-70

Palavras-chave:

Paisagem, Cerrado, Goiânia, Brasília, Palmas

Resumo

As mais novas capitais brasileiras, Goiânia (1933), Brasília (1960) e Palmas (1989), foram erguidas “di sana pianta” como parte de um impulso de ocupação do centro do país. Neste artigo ressalta-se que elas corporificam projetos de vida urbana e moderna no contexto específico que é o do Cerrado do interior do Brasil. Buscamos, nos planos originais dessas capitais, como cada um deles respondeu à percepção da natureza da região, e o modo como o Cerrado - vivenciado enquanto paisagem - foi, porventura, neles representado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Júlio Barêa Pastore, Universidade Federal de Goiás


Agrônomo pela Universidade Federal de Goiás (UFG), mestre em Paisagismo pela Università degli Studi di Firenze - Dipartimento di Urbanistica e Pianificazione del Territorio e doutorando pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo (FAUUSP)

Downloads

Publicado

2012-06-30

Como Citar

Pastore, J. B. (2012). A Paisagem Original das Capitais Planejadas do Cerrado. Paisagem E Ambiente, (30), 45-70. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.v0i30p45-70

Edição

Seção

Paisagem Urbana