Bases conceituais da escola inglesa de morfologia urbana

  • Maria Manoela Gimmler Netto Universidade Federal de Minas Gerais. Escola de Arquitetura
  • Staël de Alvarenga Pereira Costa Universidade Federal de Minas Gerais. Escola de Arquitetura
  • Thiago Barbosa Lima Universidade Federal de Minas Gerais. Escola de Arquitetura
Palavras-chave: Morfologia urbana. Escola Inglesa. Bases conceituais. Paisagens urbanas. Transformações e permanências.

Resumo

Este artigo apresenta, interpreta e aplica os fundamentos conceituais estabelecidos pela Escola Inglesa de Morfologia Urbana. A Escola Inglesa tem sua origem nos estudos realizados por MRG Conzen nas cidades de Alnwick e New Castle upon Tyne, no norte da Inglaterra, entre 1950 e 1960. Conzen, geógrafo alemão que imigrou para a Inglaterra na Segunda Guerra Mundial, formou-se na Escola de Geografia de Berlim, cujas bases conceituais foram estruturadas sobre a paisagem e seus resultados visíveis. Nessa abordagem, a investigação das transformações e das permanências é utilizada para demonstrar a ênfase fundamental na paisagem urbana e no tempo. O método de investigação da forma se dá pela utilização da visão tripartite, que consiste no estudo do plano urbano, do tecido urbano e no padrão de uso e ocupação. Estas estruturas são analisadas em função dos intervalos de tempo que definem os períodos morfológicos. Como resultado destas análises, tem-se o processo de evolução da paisagem urbana. Assim, é possível  entender as tendências naturais de transformação e garantir a continuidade de aspectos importantes das paisagens urbanas. O objetivo deste estudo é equipar as análises das paisagens urbanas contemporâneas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Manoela Gimmler Netto, Universidade Federal de Minas Gerais. Escola de Arquitetura

Arquiteta e Urbanista pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Mestranda no curso de Pós-Graduação em Ambiente Construído e Patrimônio Sustentável da Escola de Arquitetura da UFMG (EA-UFMG). Pesquisadora do Laboratório da Paisagem da EA-UFMG. 

Staël de Alvarenga Pereira Costa, Universidade Federal de Minas Gerais. Escola de Arquitetura

Arquiteta e Urbanista pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Master of Arts em Design Urbano pela Oxford Brookes University. Doutora em Estruturas Ambientais Urbanas pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAUUSP). Professora do Departamento de Urbanismo da Escola de Arquitetura da UFMG (EA-UFMG). Coordenadora do Laboratório da Paisagem da EA-UFMG.

Thiago Barbosa Lima, Universidade Federal de Minas Gerais. Escola de Arquitetura

Graduando em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Bolsista de Iniciação Científica do Laboratório da Paisagem da Escola de Arquitetura da Universidade Federal de Minas Gerais (EA-UFMG). 

Referências

BARRETO, Abílio. Belo Horizonte, memória histórica e descritiva: história antiga e história média, 2 ed., Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, Centro de Estudos Históricos e Culturais, 1996. 298 p.

BELO HORIZONTE, Decreto-Lei n°84, de 21 de dezembro de 1940. Aprova o regulamento de construções da Prefeitura de Belo Horizonte. Inspetoria do Expediente e Comunicações, 21 dez. 1940.

CONZEN, M. P. Thinking about urban form: papers on Urban Morphology, 1932-1998. Oxford: Peter Lang, 2004.

DEL RIO, Vicente. Introdução ao dezenho urbano no processo de planejamento. São Paulo: Pini, 1990, p. 70-85.

FUNDAÇÃO JOÃO PIMHEIRO. Panorama de Belo Horizonte: atlas histórico. Belo Horizonte: FAPEMIG, Coleção Centenário, 1997, p. 14-40.

GIMMLER NETTO, Maria Manoela et. al. Os espaços livres intraquadra na paisagem urbana de Belo Horizonte. COLÓQUIO QUAPÁ-SEL, 7, Campo Grande, 2012.

GIMMLER NETTO, Maria Manoela et. al. Transformações morfológicas da paisagem urbana na região da Savassi- em Belo Horizonte. ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE PAISAGISMO EM ESCOLAS DE ARQUITETURA E URBANISMO NO BRASIL- ENEPEA, 11, 2012, Campo Grande.

GIMMLER NETTO, Maria Manoela et. al. A contribuição da Escola Inglesa de morfologia urbana. CONGRESSO INTERDICIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES- CONINTER 11°, 2013 Belo Horizonte. No prelo.

PEREIRA COSTA, Staël de Alvarenga. Transformações e permanências no tempo da Savassi. Topos (NPGAU/UFMG), Belo Horizonte, n.1, 1999, p. 80-82.

PEREIRA COSTA, Staël de Alvarenga. Laboratório da Paisagem. Encontro de Mentes: investigações sobre os conceitos comuns e abordagens diferenciadas das principais escolas de Morfologia Urbana. Plano de Trabalho de pesquisa financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG). Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Arquitetura, Belo Horizonte, 2011.

PEREIRA COSTA, Staël de Alvarenga. The role of morphological green spaces in the urban contexto of Brasilian cities. INTERNATIONAL SEMINAR ON URBAN FORM XIX (ISUF XIX), Delft, Netherlands, 2012.

PLANEJAMENTO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE- PLAMBEL. Superintendência de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Belo Horizonte. Belo Horizonte: Secretaria do Estado do Planejamento e Coordenação Geral, v.1, 1986.

ROSSI, Aldo. Arquitetura da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 2001. 309 p.

Publicado
2014-06-25
Como Citar
Gimmler Netto, M. M., Costa, S., & Lima, T. (2014). Bases conceituais da escola inglesa de morfologia urbana. Paisagem E Ambiente, (33), 29-48. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.v0i33p29-48
Seção
Fundamentos