Os parques ambientais de Teresina como eixos lineares do sistema de espaço público

  • Karenina Cardoso Matos Universidade Federal do Piauí. Departamento de Construção Civil e Arquitetura
  • Wilza Gomes Reis Lopes Universidade Federal do Piauí. Departamento de Construção Civil e Arquitetura
  • Indira Cardoso Matos Instituto Camilo Filho
  • Sonia Afonso Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Teresina. Parques ambientais. Rios urbanos. Linha de força. Espaço público.

Resumo

A partir dos anos 1990, em Teresina (PI), intensificou-se o olhar para as áreas verdes, inclusive para as margens dos rios Poti e Parnaíba, quando estas se tornaram áreas de preservação por meio de leis que regulamentavam o uso de parques ambientais e de hortas comunitárias. O objetivo principal deste trabalho é refletir sobre a importância dos parques lineares ribeirinhos em Teresina e identificar os principais problemas e potencialidades para sua integração, de forma sustentável, com a cidade. Foi realizada revisão bibliográfica e foram analisados os aspectos ligados à paisagem e a parques ambientais. Realizou-se, ainda, o mapeamento de espaços livres nas margens dos rios e foram analisadas a integração e apropriação desses espaços pela população. Pensar a Teresina do século XX até a primeira década do século XXI nos leva a refletir sobre o papel dos rios e suas margens como questão urbana importante, e não vítima do processo de urbanização acelerada. Entende-se que a leitura da paisagem linear, formada pelos parques ambientais ribeirinhos estudados, poderá proporcionar a conscientização de sua importância no que tange aos aspectos paisagísticos, culturais e de lazer, como também contribuirá como forma de proteção de suas margens urbanas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karenina Cardoso Matos, Universidade Federal do Piauí. Departamento de Construção Civil e Arquitetura

Arquiteta pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Mestre em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Doutoranda em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professora do Departamento de Construção Civil e Arquitetura (DCCA) da Universidade Federal do Piauí (UFPI). Coordenadora do Laboratório Urbano da Paisagem (LUPA) da UFPIC. Campus Universitário Ministro Petrônio Portella, Centro de Tecnologia, Departamento de Construção Civil e Arquitetura.

Wilza Gomes Reis Lopes, Universidade Federal do Piauí. Departamento de Construção Civil e Arquitetura

Arquiteta pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Mestre em Arquitetura pela Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (EESC/USP). Doutora em Engenharia Agrícola pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professora doutora do Departamento
de Construção Civil e Arquitetura (DCCA) da Universidade Federal do Piauí (UFPI). Coordenadora do Laboratório Urbano da Paisagem (LUPA) da UFPI, Campus Universitário Ministro
Petrônio Portella, Centro de Tecnologia, Departamento de Construção Civil e Arquitetura.

Indira Cardoso Matos, Instituto Camilo Filho

Arquiteta e Urbanista pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Especialista em História Cultural pela Universidade Federal do Piauí (UFPI). Professora do curso de Arquitetura e Urbanismo do Instituto Camilo Filho e arquiteta do Departamento de Engenharia do Tribunal de Justiça do
Piauí.

indiramatos@yahoo.com.br.

Sonia Afonso, Universidade Federal de Santa Catarina

Arquiteta e Urbanista pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAUSP). Mestre e doutora em Arquitetura e Urbanismo pela FAUUSP.  Professora doutora do Departamento de Arquitetura da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). PósARQ/CTC/
UFSC.

Publicado
2014-06-25
Como Citar
Matos, K., Lopes, W., Matos, I., & Afonso, S. (2014). Os parques ambientais de Teresina como eixos lineares do sistema de espaço público. Paisagem E Ambiente, (33), 165-180. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.v0i33p165-180
Seção
Espaços Livres