Análise ambiental como subsídio ao planejamento urbano: o caso de Boa Esperança (MG)

  • Larissa Gischewski Guimarães Empresa Pública Municipal de Saneamento - ESANE. Macaé (RJ)
  • Clibson Alves dos Santos Universidade Federal de Alfenas. Instituto de Ciências da Natureza. Alfenas (MG)
Palavras-chave: Análise ambiental. Bacias hidrográficas urbanas. Áreas de Preservação Permanente.

Resumo

A área de estudo do presente trabalho compreende as bacias hidrográficas urbanas da sede do município de Boa Esperança (MG), que apresentam diversos problemas socioambientais decorrentes da ação antrópica. Poluição, assoreamento e eutrofização dos córregos e ocupação desordenada das áreas de preservação permanente são os principais problemas observados. Na área de estudo, formou-se o Lago dos Encantos, porção do reservatório da usina hidrelétrica de Furnas muito utilizada para recreação, atividades esportivas e pesca. Este estudo realizou a análise ambiental das bacias hidrográficas citadas por meio da análise de aspectos qualitativos dos corpos hídricos, do uso solo, da degradação ambiental e das áreas sujeitas a enchentes e inundações. Os resultados mostram que a urbanização impactou as Áreas de Preservação Permanente (APP), prejudicando a qualidade ambiental e sanitária desses ambientes, resultando em problemas que podem afetar diretamente a saúde pública. A partir dessa análise, recomendou-se o estabelecimento de ações corretivas e preventivas, como a revitalização dos ambientes, a criação e ampliação de parques municipais, criação de ciclovias e atividades educativas que envolvam a comunidade. Para que essas ações tenham êxito deve-se incluir diretrizes relacionadas à conservação ambiental no processo de revisão do plano diretor municipal. Essa iniciativa é fundamental para que o planejamento urbano seja integrado ao planejamento ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Larissa Gischewski Guimarães, Empresa Pública Municipal de Saneamento - ESANE. Macaé (RJ)
Bióloga pela Universidade Federal de Alfenas (Unifal-MG). Mestranda em Ciências Ambientais na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Analista ambiental na Empresa Pública Municipal de Saneamento (ESANE) de Macaé (RJ). Avenida XV de Outubro, 12, 37170-000, Centro, Boa Esperança, MG, Brasil.
Clibson Alves dos Santos, Universidade Federal de Alfenas. Instituto de Ciências da Natureza. Alfenas (MG)

Geógrafo pela Universidade do Tocantins (Unitins). Professor adjunto III no Instituto de Ciências da Natureza da Universidade Federal de Alfenas (ICN-Unifal). Unidade Educacional II. Avenida Jovino Fernandes Sales, 2.600, 37130-000, Santa Clara, Alfenas, MG, Brasil.

Referências

ASSOCIAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO LAGO DE FURNAS (ALAGO). Plano Diretor, 2014. Disponível em: http://www.alago.org.br/default.asp?act=pagina&page=planodiretor_apresentacao. Acesso em: 5 fev. 2014.

BILICH, Marina Rolim; LACERDA, Marilusa Pinto Coelho. Avaliação da qualidade da água do Distrito Federal (DF), por meio de geoprocessamento. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 12, 2005, Goiânia. Anais... INPE, 2005, p. 2059-2065.

BRASIL. Lei Federal nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos. Diário Oficial da União, 9 jan. 1997, p. 470. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/leis/L9433.htm. Acesso em: 25 ago. 2015.

BRASIL. Lei Federal nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o artigo 225, § 1º, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Diário Oficial da União, 19 jul. 2000, p. 1. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/sbf/dap/doc/snuc.pdf. Acesso em: 15 abr. 2013.

BRASIL. Lei Federal nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007. Institui o Plano Nacional de Saneamento Básico. Diário Oficial da União, 8 jan. 2007, p. 3. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11445.htm. Acesso em: 26 ago. 2012.

BRASIL. Lei Federal nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa, e dá outras providências. Diário Oficial da União, 28 mai. 2012, p. 1. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm. Acesso em: 16 abr. 2013.

ESRI. 2014. ArcGIS for Desktop. Versão 10.2. Programa de Computador. Disponível em: http://desktop.arcgis.com/en/. Acesso em: 10 jan. 2014.

FELDMANN, Fábio. Guia da Ecologia: para entender e viver melhor a relação homem natureza. São Paulo: Abril, 1992. 320 p.

GALLI, Corina Sidagis; ABE, Donato Seiji. Disponibilidade, poluição e eutrofização das águas. In: BICUDO, M. Carlos E. de M; TUNDISI, José Galizia; SCHEUENSTUHL, Marcos C. Barnsley (Org.). Águas do Brasil: análises estratégicas. São Paulo: Instituto de Botânica, 2010. 224 p.

GOOGLE EARTH. 2013. Imagem de Satélite de Boa Esperança (MG). Programa de Computador. Disponível em: http://earth.google.com. Acesso em: 15 set. 2013.

INFRAESTRUTURA DE DADOS ESPACIAIS (IDE-GeoMINAS). Base cartográfica vetorial dos Limites Político-Administrativos (Nacional, Estaduais e Municipais). Disponível em: http://www.ide.ufv.br/geominas/srv/br/main.home. Acesso em: 15 set. 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico 2010: resultados gerais da amostra por áreas de ponderação. Rio de Janeiro: IBGE, 2013. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/resultados_gerais_amostra_areas_ponderacao/default.shtm. Acesso em: ago. 2013

INSTITUTO DAS ÁGUAS DA SERRA DA BODOQUENA (IASB). Projeto Ilhas Verdes, 2014. Disponível em: http://www.iasb.org.br/noticia/projeto-ilhas-verdes. Acesso em: 20 set. 2013.

MERTEN, Gustavo H.; MINELLA, Jean. P. Qualidade da água em bacias hidrográficas rurais: um desafio atual para a sobrevivência futura. Revista Agroecologia e Desenvolvimento Rural, Porto Alegre, v. 3, n. 4, 2002, p.1-7.

MICROSFT. 2013. ICE - Image Composite Editor. Versão 1.4. Programa de Computador. Disponível em: http://research.microsoft.com/en-us/um/redmond/projects/ice/. Acesso em: 15 set. 2013.

MINAS GERAIS. Lei nº 12.503, de 30 de maio de 1997. Cria o Programa Estadual de Conservação da Água. Disponível em: http://www.siam.mg.gov.br/sla/download.pdf?idNorma=627. Acesso em: 18 jul. 2015.

MOREIRA, Maurício Alves. Fundamentos do sensoriamento remoto e metodologias de aplicação. 3. ed. UFV, 2005, 320 p.

SANTOS, Rozely Ferreira. Planejamento ambiental: teoria e prática. São Paulo: Oficina de Textos, 2004, p. 40-41.

SCHEUENSTUHL, M. C (Org.). Águas do Brasil: análises estratégicas. São Paulo: Instituto de Botânica, 2010. I224 p.

SMITH, Val H.; SCHINDLER, David W. Eutrophication science: where do we go from here? Trends in Ecology and Evolution, 24, p. 201-207.

YAHN, Armando Gallo. Água x população: um balanço mundial e regional. Campinas: SEMINÁRIO, SOCIEDADE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO S7A. SANASA, Campinas, 1999, 105 p.

Publicado
2015-12-08
Como Citar
Guimarães, L., & Santos, C. (2015). Análise ambiental como subsídio ao planejamento urbano: o caso de Boa Esperança (MG). Paisagem E Ambiente, (36), 69-90. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.v0i36p69-90
Seção
Ambiente