Valores da paisagem: os significados dos rios e manguezais da cidade do Recife

Autores

  • Onilda Gomes Bezerra
  • Vera Lúcia Mayrinck de Oliveira Melo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.v0i34p95-106

Palavras-chave:

Paisagem. Valores da natureza. Patrimônio natural e cultural.

Resumo

Este trabalho apresenta uma reflexão acerca dos valores atribuídos à paisagem dos rios e manguezais da cidade do Recife, aqui representados pelo rio Capibaribe e pelo Manguezal do Pina, da interpretação dos significados evocados por grupos humanos que vivenciam e mantêm relação direta ou indiretamente com esses ambientes. Busca-se desenvolver subsídios para a construção de instrumentos de avaliação da conservação patrimonial como diretrizes norteadoras de políticas públicas de proteção do patrimônio natural e cultural. Parte-se do pressuposto que o meio ambiente é constituído por bens naturais e culturais, que se expressa na paisagem. Compreendendo que o sítio natural tem papel fundamental na formação fisiográfica, estruturação urbana e no uso e ocupação da cidade, constitui-se como marco patrimonial representativo da identidade sociocultural de sua paisagem. As paisagens podem ser interpretadas no tempo e no espaço de formas distintas, ao serem representadas segundo os valores atribuídos pelos olhares e pelas percepções, formados dentro de contextos socioeconômicos e culturais específicos. Na análise, adotou-se como fundamentação teórica a abordagem da paisagem cultural sob a ótica da Nova Geografia Cultural, e como resultados identificaram-se diferentes valores obtidos a partir da interpretação das representações dos grupos humanos investigados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Onilda Gomes Bezerra

Arquiteta e Urbanista, mestre em Geografia e doutora em Desenvolvimento Urbano pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Especialização em Gestão Ambiental pela Universitat Politècnica de València e em Desenvolvimento Urbano e Rural pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP). Professora do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da UFPE. 

Vera Lúcia Mayrinck de Oliveira Melo

Arquiteta e Urbanista, mestre em Desenvolvimento Urbano pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Doutora em Geografia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Pesquisadora do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Professora do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da UFPE.

Referências

BEZERRA, Onilda Gomes. O Manguezal do Pina: a representação sociocultural de uma paisagem. 2000. 337 f. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana) – Departamento de Ciências Geográficas da Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2000.

BEZERRA, Onilda Gomes. A conservação do patrimônio natural/cultural: um sistema de indicadores para o monitoramento da significância dos parques nacionais patrimônios da humanidade. 2011. 319 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Urbano) – Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011.

CASTRO, Josué de. Um ensaio de Geografia Urbana: a cidade do Recife. In: Ensaios de Geografia Humana, Parte II. São Paulo: Brasiliense, 1966, p. 155-226.

CHACON, Vamireh. O Capibaribe e o Recife: história social e sentimental de um rio. Recife: Secretaria de Educação e Cultura de Pernambuco, 1959. 138 p.

CONNOR, Steven. Teoria e valor cultural. São Paulo: Edições Loyola, 1994. 276 p.

COSGROVE, Denys. A geografia está em toda parte: cultura e simbolismo nas paisagens humanas. In: CORRÊA, Roberto Lobato et al. (Org.). Paisagem, tempo e cultura. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1998, p. 92-123.

DUARTE Jr., João Francisco. O que é beleza. São Paulo: Brasiliense, 2009. 94 p.

MELO, Vera Lúcia Mayrinck de Oliveira. Um recorte da paisagem do rio Capibaribe: seus significados e representações. 2003. 273 f. Tese (Doutorado em Geografia Humana) – Faculdade de Ciências Geográficas da Universidade do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2003.

MELO, Mário Lacerda de. Metropolização e subdesenvolvimento: o caso do Recife. UFPE, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de Ciências Geográficas, 1978. 256 p.

OLIVEIRA, Waldemar de. Geologia da planície do Recife: contribuição ao seu estudo. Tese de concurso à cátedra de História Natural da Escola Normal Oficial de Pernambuco. Recife: Oficinas Gráficas do Jornal do Comércio. 1942.

PONTES, Carlos Antonio Alves. Urbe água vida: ética da proteção aplicada ao estudo das implicações morais no acesso desigual à água potável. 2003. 283 f. Tese (Doutorado em Saúde Pública) – Escola Nacional de Saúde Pública/Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2003.

SANTOS, Milton. A redescoberta da natureza. Estudos Avançados. São Paulo: Edusp, v. 6, n. 14, janeiro-abril, 1992, p. 95-106.

SILVA, Elmo Rodrigues da. O curso da àgua na história: simbologia, moralidade e a gestão de recursos hídricos. 1998. 190 f. Tese (Doutorado em Saúde Pública) – Escola Nacional de Saúde Pública/Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 1998.

Downloads

Publicado

2014-12-07

Como Citar

Bezerra, O. G., & Melo, V. L. M. de O. (2014). Valores da paisagem: os significados dos rios e manguezais da cidade do Recife. Paisagem E Ambiente, (34), 95-106. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.v0i34p95-106

Edição

Seção

Ambiente