Avaliação do caráter da paisagem: abordagens européias

  • Virginia de Luca Universidade Federal de Santa Catarina. Departamento de Arquitetura e Urbanismo. Florianópolis (SC)
  • Alina Golçalves Santiago Universidade Federal de Santa Catarina. Departamento de Arquitetura e Urbanismo. Florianópolis (SC)
Palavras-chave: Caráter da paisagem. Avaliação do caráter da paisagem. Convenção europeia da paisagem.

Resumo

O caráter da paisagem resulta da combinação particular dos atributos definidores do padrão de paisagem por meio dos elementos que distinguem uma paisagem da outra, cujo arranjo é modelado pelas ações culturais e naturais de cada local. A abordagem de cunho teórico perpassa por alguns autores e algumas organizações internacionais europeias, principalmente do Reino Unido e da Espanha. O presente estudo tem como objetivo apresentar uma breve proposta para o estudo da paisagem a partir do enfoque da Convenção Europeia da Paisagem (CEP). A CEP, aprovada em 2000 em Florença, compreende a relação entre os aspectos naturais e culturais da paisagem com foco no desenvolvimento sustentável e na relação equilibrada e harmoniosa entre as necessidades sociais, econômicas e ambientais de cada comunidade, e tem como objetivo promover a proteção, a gestão e o ordenamento da paisagem. Sendo assim, é possível proteger a paisagem por meio de ações de conservação e manutenção dos traços significativos ou característicos de uma paisagem, justificadas pelo seu valor patrimonial resultante da configuração natural ou da intervenção humana. Como as paisagens sempre mudaram e continuarão a mudar, seja por processos naturais ou pela ação humana, faz-se necessário o acompanhamento das mudanças no sentido de enriquecer a diversidade e a qualidade de cada uma delas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Virginia de Luca, Universidade Federal de Santa Catarina. Departamento de Arquitetura e Urbanismo. Florianópolis (SC)
Arquiteta e urbanista, mestre em Arquitetura e Urbanismo e doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Santa Catarina (PósARQ/UFSC), Quapá-SEL Floripa. Arquiteta do Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional de Santa Catarina (IPHAN-SC). Campus Reitor João David Ferreira Lima, 88040-900, Caixa Postal 476, Trindade, Florianópolis, SC, Brasil.
Alina Golçalves Santiago, Universidade Federal de Santa Catarina. Departamento de Arquitetura e Urbanismo. Florianópolis (SC)
Arquiteta e urbanista pela Universidade de Brasília (UnB). Mestre pela Université de Paris 12. Doutora pela Université Paris 1 Pantheon-Sorbonne. Professora no Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Santa Catarina (PósARQ/UFSC), Quapá-SEL Floripa. Campus Reitor João David Ferreira Lima, 88040-900, Caixa Postal 476, Trindade, Florianópolis, SC, Brasil.

Referências

CATALUNYA. Llei 8/2005, de 8 de juny, de protecció, gestió i ordenació del paisatge. Diari Oficial de la Generalitat de Catalunya, 2005. Disponível em: < http://www.catpaisatge.net/fitxers/llei_paisatge.pdf >. Acesso em: 29 jun. 2012.

COUNCIL OF EUROPE. Recomendación CM/Rec (2008)3 del Comité de Ministros a los estados miembros sobre las orientaciones para la aplicación del Convenio Europeo del Paisaje (versão em castelhano). Disponível em: < http://www.jcyl.es/web/jcyl/MedioAmbiente/es/Plantilla100/1213710556304/_/_/_ >. Acesso em: 24 out. 2013.

COUNCIL OF EUROPE. 2000, Florença. EUROPEAN LANDSCAPE CONVENTION, Florença, 2000. Disponível em: < http://conventions.coe.int/Treaty/en/Treaties/Html/176.htm >. Acesso em: 14 mar. 2015.

JUNTA DE ANDALUCÍA. Estrategia de paisaje de Andalucía. Sevilla, 2012. Disponível em: < http://www.juntadeandalucia.es/medioambiente/portal_web/web/temas_ambientales/evaluacion_integracion_planificacion/planificacion_ambiental/estrategias/estrategia_paisaje/Estrategia_de_Paisaje_de_Andalucia_2012.pdf >. Acesso em: 5 nov. 2013.

MATA, Rafael Olmo. La dimensión patrimonial del paisaje. In: MADERUELO, Javier (Org.). Paisaje y patrimonio. Madri: Abada Editores, 2010, p. 31-73.

NOGUÉ, Joan; SALA, Pere. Prototipus de catalog de paisatge: bases conceptuals, metodològiques i procedimentals per elaborar els catàlegs de paisatge de Catalunya. Olot i Barcelona. Catalunya: Observatori del Paisatge, 2006. Disponível em: < http://catpaisatge.net/fitxers/Prototipus2006.pdf >. Acesso em: 21 set. 2011.

RIBEIRO, Rafael Winter. Paisagem cultural e patrimônio. Rio de Janeiro: IPHAN/COPEDOC, 2007. 152 p.

SWANWICK, Carys. Landscape Character Assessment: guidance for England and Scotland. Scottish Natural Heritage & The Countryside Agency, 2002. Disponível em: < http://www.naturalengland.org.uk/ourwork/landscape/englands/character/assessment/ >. Acesso em: 17 jul. 2011.

ZOTANO, José Gómez; CHUECA, Pascual Riesco (Cord.). Marco conceptual y metodológico para los paisajes españoles: aplicación a tres escalas espaciales. Sevilla: Consejeria de Obras Públicas y Viviendas, Centro de estúdios Paisaje y Territorio, 2010. 467p. Disponível em: < http://www.paisajeyterritorio.es/index.php?option=com_docman&task=cat_view&gid=42&Itemid=95〈=en >. Acesso em: 10 ago 2013.

Publicado
2015-12-08
Como Citar
Luca, V., & Santiago, A. (2015). Avaliação do caráter da paisagem: abordagens européias. Paisagem E Ambiente, (36), 37-46. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.v0i36p37-46
Seção
Fundamentos