Partes do mito de Orfeu como topoi da poesia em Heiner Müller: aproximações e distanciamentos do poeta “entre instrumentos de arar”

Autores

  • Danilo Serpa Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/1982-88372238

Palavras-chave:

mito, Orfeu, Heiner Müller, literatura na DDR

Resumo

Analisando menções ao mito de Orfeu feitas por Heiner Müller, principalmente o poema em prosa “Orpheus gepflügt” e a peça Der Bau, inquire-se em que medida e como a exposição desse mito pode relacionar-se com uma caracterização do poeta que serve de referência ao autor e, porventura, até justificar elementos de sua poesia e poética. Como resultado dessas investigações, indica-se que, no contexto de “Orpheus gepflügt”, distinguem-se objeções à figura de Orfeu. Não obstante, a representação de seu mito conforma uma justificativa para o fazer do poeta em H. Müller. Em Der Bau, ele é inicialmente uma figura repelida, da qual se distancia e até se escarnece, contudo, delineiam-se, por fim, convergências e mesmo uma identificação entre o poeta que se apresenta na peça e Orfeu. Considera-se que, com essas designações do mito de Orfeu, H. Müller expõe um tipo de defesa e legitimação do seu “trabalho com mitos” na própria poesia. Ao longo deste escrito, a articulação de fontes antigas para a representação do mito por H. Müller é perscrutada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2019-06-13

Como Citar

SERPA, D. Partes do mito de Orfeu como topoi da poesia em Heiner Müller: aproximações e distanciamentos do poeta “entre instrumentos de arar”. Pandaemonium Germanicum, São Paulo, v. 22, n. 38, p. 183-209, 2019. DOI: 10.11606/1982-88372238. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/pg/article/view/158867. Acesso em: 25 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos