Freud, tradutor do instinto

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/1982-88372547306

Palavras-chave:

Freud, Trieb, Tradução, Instinto, Pulsão

Resumo

Neste artigo, pretendemos reavaliar a querela tradutória em torno do Trieb freudiano. Primeiro, destacamos trechos em que Freud, ao citar Frazer, Trotter e Le Bon, traduz o termo “instinct” ora por “Instinkt”, ora por “Trieb”, de forma indiferenciada. Também retomamos a tradução que Freud fez de livros de Bernheim, em que emprega “Instinct” para traduzir o “instinct” francês. Na segunda seção do artigo, abordamos criticamente a opção tradutória hoje mais aceita no Brasil: “pulsão”. Esboçamos uma pequena história dessa escolha tradutória, tendo em vista que, enquanto Freud era vivo, ele jamais se opôs ao uso de “instinto”. A escolha por “pulsion” (arcaísmo obsoleto por séculos) ocorreu primeiramente na França, porém não somente por motivos etimológicos ou semânticos, pois também fez parte de toda uma reinterpretação (antinaturalista) da teoria freudiana. O termo “pulsion” – de certa forma o epicentro vocabular dessa releitura francesa – disseminou-se, tornando-se uma verdadeira visão consolidada, aceita tacitamente por boa parte dos tradutores de Freud não só na França, como no Brasil, na Argentina, na Itália. A partir de considerações teóricas sobre o estatuto do Trieb na teoria freudiana, e munidos dos fatos tradutórios discutidos na primeira seção do artigo, esboçamos então uma crítica ao uso de “pulsão”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADORNO, Theodor. Dialética Negativa. Tradução de Marco Antonio Casanova. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2009.

ANDRADE, Oswald de. Um homem sem profissão. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1974.

BERNHEIM, Hippolyte. Hypnotisme, suggestion, psychothérapie : Nouvelles études. Paris: Octave Doin éditeur, 1891.

BERNHEIM, Hippolyte. Neuen Studien über Hypnotismus, Suggestion und Psychotherapie. Tradução de Sigmund Freud. Wien: Franz Deuticke, 1892.

CARONE, Marilene. “A Negação”: um claro enigma de Freud. Discurso, v. 15, 125-132, 1983.

CASSIN, Barbara (Org.). Vocabulaire européen des philosophies – Dictionnaire des intraduisibles. Paris: Éditions du Seuil, 2004.

ESTRUCH, Joan. Un altre Freud, si us plau. Papers: revista de sociologia, 117-131, 1991.

FRAZER, James George. Totemism and Exogamy, Vol. IV. London: MacMillan and Co, 1910.

FREUD, Sigmund. Gesammelte Werke, in 18 Bänden. Frankfurt am Main: Fischer Verlag, 1999.

FREUD, Sigmund. Obras Completas de Sigmund Freud, em 20 volumes. Tradução ao português e notas de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010-2021.

FREUD, Sigmund. Obras completas de Sigmund Freud, en 24 volúmenes. Tradução ao espanhol de José L. Etcheverry. Buenos Aires: Amorrortu Editores, 1982.

HANNS, Luiz. Dicionário comentado do alemão de Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

LACAN. Jacques. Écrits. Paris : Éditions du Seuil, 1966.

LAPLANCHE, Jean. Vida e morte em psicanálise. Tradução de Cleonice Paes Barreto Mourão e Consuelo Fortes Santiago. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985.

LAPLANCHE, Jean; PONTALIS, Jean-Bertrand. Vocabulário da psicanálise. Tradução de Pedro Tamen. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

LE BON, Gustave. Psychologie der Massen. Tradução de Rudolf Eisler. Leipzig: Verlag von Dr. Werner Klinkhardt, 1908.

LE BON, Gustave. Psychologie des foules. Quarantième édition. Paris: Librairie Felix Alcan, 1937.

ROUDINESCO, Elisabeth. Sigmund Freud na sua época e em nosso tempo. Tradução de André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2016.

SILVEIRA, Léa. Fantasia, analogia e narcisismo: Um argumento contra a tradução de “Trieb” por “instinto”. Cadernos de Filosofia Alemã, v. 19, n. 1, 189-204, 2014.

SIMANKE, Richard Theisen. A psicanálise freudiana entre ciências naturais e ciências humanas. Scientiae Studia, v. 7, n. 2, 221-235, 2009.

SIMANKE, Richard Theisen. O Trieb de Freud como instinto 1: sexualidade e reprodução. Scientiae Studia, v. 12, n. 1, 73-95, 2014a.

SIMANKE, Richard Theisen. O Trieb de Freud como instinto 2: agressividade e autodestrutividade. Scientiae Studia, v. 12, n. 3, 439-464, 2014b.

TROTTER, Wilfred. Instincts of the Herd in Peace and War. London: Bouverie House, 1916.

ZUANON, Átima Clemente Alves. Instinto, etologia e a teoria de Konrad Lorenz. Ciência & Educação (Bauru), v. 13, 337-349, 2007.

Downloads

Publicado

2022-07-12

Como Citar

SOUZA, P. F. de . Freud, tradutor do instinto. Pandaemonium Germanicum, São Paulo, v. 25, n. 47, 2022. DOI: 10.11606/1982-88372547306. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/pg/article/view/199783. Acesso em: 29 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos