A literatura austríaca como questão para a historiografia literária alemã: a provocação formal em Heldenplatz, de Thomas Bernhard

Autores

  • Alexandre Villibor Flory Universidade Estadual de Maringá

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1982-88372010000200005

Palavras-chave:

Thomas Bernhard, Literatura Alemã (Teatro), Historiografia Literária, Estética da Provocação Formal

Resumo

Este artigo é formado por dois momentos distintos, porém articulados. Em primeiro lugar, pretende-se colocar algumas questões centrais para a discussão sobre a historiografia literária. Isso será feito tanto pelo questionamento de seu estatuto nos dias de hoje, bem como das dificuldades de se estabelecer uma história literária em língua alemã, quando se tem em vista autores austríacos contemporâneos. Num segundo segmento, a partir das considerações anteriores, iremos discorrer sobre a pertinência de uma perspectiva imanente. Para isso discutiremos alguns aspectos sobre a última peça do austríaco Thomas Bernhard, Praça dos Heróis (Heldenplatz), de 1988. Todo seu processo de escrita e encenação foi marcado por um escândalo programado pelo autor. Deste modo, a própria concepção da peça envolve a recepção em uma dialética entre arte e sociedade muito fecunda, resultando numa provocação elevada ao nível da forma, e não meramente acidental. Assim, questiona uma concepção de obra de arte orgânica e fechada, atualizando uma tradição épica decisiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2010-01-01

Como Citar

FLORY, A. V. A literatura austríaca como questão para a historiografia literária alemã: a provocação formal em Heldenplatz, de Thomas Bernhard . Pandaemonium Germanicum, São Paulo, n. 16, p. 89-121, 2010. DOI: 10.1590/S1982-88372010000200005. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/pg/article/view/38089. Acesso em: 27 out. 2021.

Edição

Seção

Literatura/ Cultura - Literatur-/Kulturwissenschaft