Esgarçamento do futuro

transformações nas representações do destino de São Paulo na década de 1950

  • Bruno de Macedo Zorek Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Representações de futuro, Cidade de São Paulo, História da sociologia, História do urbanismo

Resumo

Ao se acompanhar as representações de futuro da cidade de São Paulo produzidas ao longo da década de 1950, percebe-se uma importante mudança no sentimento hegemônico em relação a ele. No início da década, o futuro da cidade era visto com otimismo e dominantemente representado como o de um crescimento contínuo e ilimitado. No final da década, em contraste, continuava-se imaginando que o destino da metrópole seria crescer indefinidamente, mas isso passara a ser motivo de preocupação e pessimismo. A passagem de um sentimento ao outro é marcada, em um primeiro momento, pelo acirramento das discussões entre urbanistas que ocupavam posições importantes no campo político. No entanto, foi a partir da entrada vigorosa
das ciências humanas nos debates sobre a cidade, que o pessimismo se consolidou como sentimento dominante. Como se procura argumentar ao longo do artigo, a
mudança dos ânimos não foi fruto exclusivo da argumentação dos cientistas sociais e veio acompanhada de transformações na divisão do trabalho de dominação: figuras antes importantes nos debates sobre a cidade perderam espaço para um grupo de novos intelectuais, que se impuseram e passaram a controlar o debate público sobre São Paulo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno de Macedo Zorek, Universidade Estadual de Campinas

Doutorando em História pela Unicamp, Bolsista Fapesp.

Publicado
2018-08-13
Como Citar
Zorek, B. (2018). Esgarçamento do futuro. Plural - Revista De Ciências Sociais, 25(1), 226-247. https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2018.148913