A arena do patrimônio cultural no século XX

trajetórias institucionais e o contexto brasileiro

Autores

  • Artur André Lins Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2020.160788

Palavras-chave:

patrimônio cultural, intelectuais e Estado brasileiro, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional

Resumo

A partir de fontes primárias e secundárias, materiais documentais e bibliográficos, este ensaio almeja discutir os vetores de institucionalização da política do patrimônio cultural no Brasil do século XX. Propomos dois principais vetores: 1) a escala do monumento; 2) a escala do cotidiano. O objetivo, portanto, é compreender as trajetórias institucionais erguidas na contingência do campo de produção simbólica e seus respectivos conflitos. Tem-se em vista, dessa maneira, localizar os principais agentes intelectuais mediadores e a formação dos quadros administrativos em uma arena de disputa política, institucional e, sobretudo, discursiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANASTASSAKIS, Zoy. “A cultura como projeto: Aloísio Magalhães e suas ideias para o IPHAN” In. Revista do Patrimônio nº 35, pp. 65-78, 2017.
ANDRADE, Rodrigo Melo Franco. Rodrigo e o SPHAN. Rio de Janeiro: Ministério da Cultura; Fundação Nacional Pró-Memória, 1987.
ARANTES, Antônio Augusto. “A salvaguarda do patrimônio cultural imaterial no Brasil”. In. Barrio, Ángel Espina; Motta, Antônio; Gômes, Mário Hélio. (Org.). Inovação Cultural, Patrimônio e Educação. Recife: Massangana, v. 1, p. 52-64, 2010
AZEVEDO, Paulo Ormindo. “Patrimônio Cultural e Natural como fator de desenvolvimento: a revolução silenciosa de Renato Soeiro, 1967-1979” In. Revista do Patrimônio nº 35, pp. 45-64, 2017.
BARBATO Jr., Roberto. Missionários de uma utopia nacional-popular: os intelectuais e o departamento de cultura de São Paulo. São Paulo: Annablume; Fapesp, 2004.
BRASIL. Patrimônio Cultural – Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2014.
BRASIL: Legislação sobre patrimônio cultural – 2. ed. – Brasília : Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 349 p. – (Série legislação ; n. 92), 2013.
BOURDIEU, Pierre. Meditações Pascalianas. 2ª Ed. – Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.
CÂNDIDO, Antônio. “A Revolução de 1930 e a Cultura”. Revista novos estudos CEBRAP – ed. 8 v. 1, abril, 1984.
CALABRE, Lia. Políticas Culturais no Brasil: dos anos 1930 ao século XXI. Editora FGV, Rio de Janeiro, 2009.
CHAGAS, Mário. “O Pai de Macunaíma e o patrimônio espiritual” In. Memória e Patrimônio: Ensaios Contemporâneos. Rio de Janeiro, Lamparina, 2009.
CHUVA, Márcia. “Por uma história da nação de patrimônio cultural no Brasil” In. Revista do Patrimônio nº 34, 2012.
COHN, Gabriel. “A concepção oficial da política cultural nos anos 70”, In. Estado e Cultura no Brasil. Sérgio Miceli (org.), Difusão Editorial S.A, São Paulo, 1984.
DINIZ, Eli. “Engenharia institucional e política públicas: dos conselhos técnicos às câmaras setoriais” In. PANDOLFI, Dulce (Org.) Repensando o Estado Novo. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 1999.
FALCÃO, Joaquim. “Política cultural e democracia: a preservação do patrimônio histórico e artístico nacional” In. Estado e Cultura no Brasil, Sérgio Miceli (org.), São Paulo, Difusão Editoria, 1984.
FALCÃO, Joaquim. “A política cultural de Aloísio Magalhães” In. E Triunfo?. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira; Fundação Roberto Marinho, 1997.
FONSECA, Maria Cecília Londres. O Patrimônio em Processo: trajetória da política federal de preservação no Brasil. Rio de Janeiro: UFRJ/MinC-IPHAN, 1997.
FONSECA, Maria Cecília Londres. “Referências Culturais: base para novas políticas de patrimônio” In. O Registro do Patrimônio Imaterial: Dossiê Final das Atividades da Comissão e do Grupo de Trabalho Patrimônio Imaterial, IPHAN, 2012.
FOUCAULT, Michel. A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 8ª ed., 2014.
GONÇALVES, José Reginaldo S. A retórica da perda: discurso nacionalista e patrimônio cultural no Brasil. Rio de Janeiro. Editora da UFRJ, 2004.
__________________________. “Os limites do patrimônio” In: LIMA FILHO, Manuel Ferreira, ECKERT, Cornelia & BELTRÃO, Jane (orgs.). Antropologia e patrimônio cultural: diálogos e desafios contemporâneos. Blumenau. ABA, Nova Letra, 2007.
HARVEY, David C. “Heritage pasts and heritage presents: Temporality, meaning and the scope of heritage studies.” International Journal of Heritage Studies, 7(4): 319–338, 2001.
IPHAN. Proteção e Revitalização do Patrimônio Cultural no Brasil: uma trajetória. Publicações da Secretaria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. N. 31. Brasília: MEC; SPHAN; Fundação Nacional Pró-Memória, 1980.
KIRSHENBLATT-GIMBLETT, Barbara. “Intangible Heritage as Metacultural Production.” Museum international 56 (1-2), 2004.
LAVINA, Laís Villela. Um animal político na cultura brasileira: Aloísio Magalhães e o campo do patrimônio cultural no Brasil (anos 1966-1982), Dissertação de Mestrado, Programa de Pósgraduação em História da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, 2014.
MAGALHÃES, Aloísio. E Triunfo? A questão dos bens culturais no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; Fundação Roberto Marinho, 1997.
MAGALHÃES, Aloísio. “Bens Culturais: instrumento para um desenvolvimento harmonioso”. In. Revista do Patrimônio nº 20, 1984.
MARTINS, Luciano. “A Gênese de uma Intelligensia: os intelectuais e a política no Brasil 1920 a 1940” In. Portal da ANPOCS, 1986.
MENESES, Ulpiano Toledo Bezerra de. “O campo do Patrimônio Cultural: uma revisão de premissas”. In: IPHAN. I Fórum Nacional do Patrimônio Cultural: Sistema Nacional de Patrimônio Cultural: desafios, estratégias e experiências para uma nova gestão. Brasília: IPHAN, 2012, p. 25- 39. (Anais v.2, t.1)
MICELI, Sergio. Intelectuais à brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.
MICELI, Sérgio. “O processo de “construção institucional” na área cultural federal (anos 70).” In. Estado e Cultura no Brasil. Sérgio Miceli (org.), Difusão Editorial S.A, São Paulo, 1984.
ORTIZ, Renato. A Moderna Tradição Brasileira: cultura brasileira e indústria cultural. São Paulo: Brasiliense, 2001.
ORTIZ, Renato. Cultura Brasileira e Identidade Nacional, São Paulo, Editora Brasiliense, 1985.
POULOT, Dominique. “A Razão Patrimonial na Europa do Século XVIII ao XXI”. In Revista do Patrimônio n° 33, Brasília: Iphan, 2007.
POULOT, Dominique. Uma História do Patrimônio no Ocidente. São Paulo, Estação Liberdade, 2009.
SANTOS, Mariza V. “Nasce a Academia Sphan.” In. Revista do Patrimônio nº 24, p. 77-95, 1996.
_________________. O Tecido do Tempo: a ideia de patrimônio cultural no Brasil (1920-1970). Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade de Brasília, Brasília, 1992.
_________________. “O Fetiche do Patrimônio.” In. Revista Habitus, Goiânia, v.4, n.1, p. 437-454, jan/jun, 2006.
SANT’ANNA. “A face imaterial do patrimônio cultural: os novos instrumentos de reconhecimento e valorização” In. Memória e Patrimônio: Ensaios Contemporâneos, Mário Chagas e Regina Abreu (orgs). Rio de Janeiro, Lamparina, 2009.
SMITH, Laurajane. “The discourse of heritage.” In: Uses of heritage. Londres: Routledge, 2006.
VILHENA, Luis Rodolfo. Projeto e missão: o movimento folclórico brasileiro 1947- 1964. Rio de Janeiro, FGV E Funarte, 1997

Downloads

Publicado

2020-12-22

Como Citar

Lins, A. A. (2020). A arena do patrimônio cultural no século XX: trajetórias institucionais e o contexto brasileiro. Plural, 27(2), 305-330. https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2020.160788