Ortodoxia da criatividade: experiência com artistas em Salvador

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2021.166022

Palavras-chave:

Artista, Cidade criativa, Experiência, Salvador

Resumo

O objetivo deste trabalho é compreender a concessão do título de “cidade da música” para Salvador pela Unesco e possíveis redefinições na vida e no trabalho de artistas locais. Indaga-se: como equilibrar a promoção internacional, o desenvolvimento da economia local e a participação dos artistas? A pesquisa informa que a prefeitura municipal ainda está com dificuldades práticas para tornar Salvador a cidade da música proposta por sua candidatura e propaganda iniciais. Isto é perceptível, pois não existe um alinhamento entre discursos e práticas no tocante aos direitos dos artistas, falta uma política cultural clara, há baixo investimento e manutenção precária de espaços de socialização artística. Chegou-se a essa conclusão depois da análise de legislações, relatórios de gestão e entrevistas com artistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jefferson Dantas Santos, Universidade Estadual de Campinas - Unicamp

Doutor em Ciências Sociais pela Unicamp. Estuda as artes a partir da categoria trabalho, atento ainda aos marcadores sociais da diferença. 

Referências

ALVES, M.A. O trabalho de técnicos de palco no contexto de um teatro público: décadas de 1950 a 2000. Campinas: Revista Proa: Revista de antropologia e arte. IFCH-UNICAMP, nº 01, vol. 01, 2009.Disponível em: http://www.ifch.unicamp.br/proa. Acesso em: 10 nov. 2018.

ARAGÃO, Verlane; BOLAÑO, César; LOPES, Ruy S. Uma economia política da cultura e da criatividade. In: Claudia Leitão; Ana Flavia Machado. (Org.).Por uma Brasil Criativo: significados, desafios e perspectivas da economia criativa brasileira. 1ed. Belo Horizonte: Código Editora, 2016, v. 1, p. 9-23.

ARANTES, O. Uma estratégia fatal: a cultura nas novas gestões urbanas. In: A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. (Orgs). ARANTES, O., VAINER, C. e MARICATO, E. Petrópolis: Editora Vozes, 2000.

BAHIA. Governo do Estado da Bahia. Infocultura: ocupação e trabalho na economia criativa do estado da Bahia – 2010. V.1, n.7, (dez. 2014). Salvador: Secretaria de Cultura do Estado da Bahia, 2014.

BAHIA. Governo do Estado da Bahia. Mapa musical da Bahia.Fundação Cultural do Estado da Bahia. Disponível em: http://mapamusical.ba.gov.br/o-projeto/. Sem data. Acessoem: 23 set. 2019.

BOLAÑO, C. R. S.. “Trabalho Intelectual, Comunicação e Capitalismo. A reconfiguração do fator subjetivo na atual reestruturação produtiva”. Revista da Sociedade Brasileira de Economia Política, Rio de Janeiro, v. 00, n.11, p. 53-78, 2002.

BORGES, V; COSTA, P.(orgs.) Criatividade e Instituições: novos desafios à vida dos artistas e dos profissionais da cultura. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2012.

BOTELHO, Isaura. A política cultural &o plano das idéias. In: Políticas culturais no Brasil / (orgs.) BARBALHO, A. e RUBIM.A.A.C —Salvador: edufba, 2007.

BRASIL. Lei Complementar nº 128, de 19 de dezembro de 2008. Altera a Lei Complementar no 123, de 14 de dezembro de 2006, altera as Leis nos 8.212, de 24 de julho de 1991, 8.213, de 24 de julho de 1991, 10.406, de 10 de janeiro de 2002 – Código Civil, 8.029, de 12 de abril de 1990, e dá outras providências, 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lcp/lcp128.htm. Acesso em: 26 fev. 2021.

BRASIL. Emenda constitucional nº 71, DE 2012. Acrescenta o art. 216-A à Constituição Federal para instituir o Sistema Nacional de Cultura. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/emecon/2012/emendaconstitucional-71-29-novembro-2012-774688-publicacaooriginal-138236-pl.html.Acessoem: 23 set. 2019. 23/09/2019.

BRASIL. Lei n. 14.017, de 29 de junho de 2020. Dispõe sobre ações emergenciais destinadas ao setor cultural a serem adotadas durante o estado de calamidade pública reconhecido pelo Decreto Legislativo n. 6, de 20 de março de 2020. Diário oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 123, p. 1, 30 jun. 2020. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/lei-n-14.017-de-29-de-junho-de-2020-264166628. Acesso em: 26 fev. 2021.

CALABRE, Lia. Políticas culturais no Brasil: balanço &perspectivas. In: Políticas culturais no Brasil / (orgs.) BARBALHO, A. e RUBIM. A.A.C —Salvador: edufba, 2007.

CANEDO, Daniela; KHOURI, Ricardo. Salvador Mais Criativa: atores e Redes Culturais e Criativas de Salvador. In: Prefeitura Municipal de Salvador. Fundação Mário Leal Ferreira (Coord.). Plano Salvador 500 anos abrangendo o Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano -PDDU e a Lei de Ordenamento do Uso e Ocupação do Solo – LOUOS. Salvador, 2015.

CANEDO, D.P.Trabalho e renda na economia criativa de Salvador.In:Os trabalhadores da cultura no Brasil: criação, práticas e reconhecimento / Alexandre Barbalho, Elder Patrick Maia Alves, Mariella Pitombo Vieira (organizadores). - Salvador: EDUFBA, 2017.

CERQUEIRA, A. Paradoxos da atividade artística na narrativa de músicos denominados independentes. Tese de doutorado. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Universidade Estadual de Campinas. Campinas, São Paulo, 2017.

CONDE, Idalina. Artists as vulnerable workers. CI2009ESe-working papers, n° 71/2009, Lisboa, 2009.

CONNOR, B; GILL, R; TAYLOR, S. Gender and creative labour. The Sociological Review. The Editorial Board of the Sociological Review, 63: S1, 2015, p. 1–22.

DANTAS, Jefferson. Mise-en-scène da precarização: estudo sobre o trabalho de jovens atores em Salvador. In: Juventudes e movimentos/Frank Marcon; Danielle Parfentieff de Noronha (organizadores). Aracaju: Criação, 2018.

DANTAS NETO, P. F. Tradição, autocracia e carisma- a política de Antônio Carlos Magalhães na modernização da Bahia (1954-1974). Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2006.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo. Ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

DELOUMEAUX, L. Desequilíbrios persistentes no fluxo de bens e serviços culturais. In: Re|pensar as políticas culturais: criatividade para o desenvolvimento 2018; relatório global da Convenção de 2005. – Brasília: UNESCO, 2018.

DE MARCHI, Leonardo. Construindo o conceito de economia criativa no Brasil: Política cultural no contexto neodesenvolvimentista brasileiro, Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Fortaleza, 2012.

DINARDI, Cecilia. Creativity, informality and cultural work in Rio de Janeiro’s favelas.International Journal of Cultural Studies, Sage Journals, 2019, p.1-16.

EHRENBERG, Alain. O culto da performance. Da aventura empreendedora à depressão nervosa/ Alain Ehrenberg. Organização e tradução Pedro F. Bendassoli. - Aparecida, Sp: Ideias &Letras, 2010.

EL BENNAOUI, Sobreviver aos paradoxos da mobilidade. In: Re|pensar as políticas culturais: criatividade para o desenvolvimento 2018; relatório global da Convenção de 2005. – Brasília: UNESCO, 2018.

FALCÃO, Caio Valério Gondim Reginaldo, SOARES FILHO, Sidney S. Direito autoral e ecad: análise jurisprudencial do papel do escritório central de arrecadação e distribuição na cobrança judicial pela execução pública de obras musicais e congêneres. RJurFA7, Fortaleza, v. IX, n. 1, p. 53-64, abr. 2012.

FERREIRA, V.M.S. A rede de cidades criativas da Unesco: uma perspectiva das cidades brasileiras. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Artes visuais, Programa de Pós-graduação em Arquitetura- projeto e cidade, Goiânia, 164 pgs, 2017.

FIRJAN. Mapeamento da indústria criativa no Brasil. Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro Sistema.FIRJAN. Rio de janeiro, 2016.

HARTLEY, J. Creative Industries. London: Blackwell, 2005

HARVEY, David. Condição Pós-Moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. 6 ed. São Paulo: Loyola, 1996.

HARVEY, David. A arte de lucrar: globalização, monopólio e exploração da cultura. In: MORAES, D. (org.). Por uma outra comunicação: Mídia, mundialização cultural e poder. Rio de Janeiro: Record, 2003.

HARVEY, David. O novo Imperialismo. São Paulo: Edições Loyola, 2005.

HAUNSCHILD, Alex. Managing employment relatiosnship in flexible labour markets: the case osgerman repertory theatres.Human Relations. Volume 56(8), 2003.

HESMONDHALGH, D. & BAKER, S. Creative Work and Emotional Labour in the Television Industry. Theory, Culture & Society (SAGE, Los Angeles, London, New Delhi, and Singapore), Vol. 25(7–8), 2008.

HOWKINS, J. The Creative Economy: How People Make Money From Ideas. London: Allen Lane, 2001.

HUWS, Ursula. Mundo material: o mito da economia imaterial. Mediações, Londrina, v. 16, n.1, p. 24-54, Jan./Jun. 2011.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. PNAD.4° trimestre, 2019. Disponível em:https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/trabalho/9173-pesquisa-nacional-por-amostra-de-domicilios-continua-trimestral.html?edicao=26895&t=destaques>. Acesso em: 26 fev. 2021.

ISAR, Y. Visão Global: Das Inquietações Conceituais a uma Agenda de Pesquisas. In: REIS, A.C.F. Economia criativa: como estratégia de desenvolvimento: uma visão dos países em desenvolvimento / organização Ana Carla Fonseca Reis. – São Paulo: Itaú Cultural, 2008.

MEDEIROS, A.K; LIMA, L.P.B. Descentralização e articulação enquanto estratégia de expansão de políticas públicas: estudo de caso do programa cultura viva. In: Cultura viva: as práticas de pontos e pontões / Ipea, Coordenação de Cultura. Brasília: Ipea, 2011.

MENGER, Pierre-Michel. Retrato do artista enquanto trabalhador:metamorfoses do capitalismo. Lisboa: Editora Roma, 2005.

NETO, A. C. M. Unesco reconhece oficialmente Salvador como 'Cidade da Música'. G1. Rede Bahia. Entrevista. Salvador, 2016. Disponível em: http://g1.globo.com/bahia/noticia/2016/06/unesco-reconhece-oficialmente-salvador-como-cidade-da-musica.html. Acesso em: 24 fev. 2021.

OBEC/BA.Observatório de Economia Criativa da Bahia, Boletim 3, 08/05/2020, 2020. Disponível em:https://ufrb.edu.br/proext/economiacriativa-covid19/.Acesso em: 26 fev. 2021.

OLIVERA, R.G. Multiactividad e intermitenciaenelempleo artístico. El caso de los músicos de conciertoen México. Universidad Nacional Autónoma de México-Instituto de InvestigacionesSociales. Ciudad de Mexico. Revista Mexicana de Sociología, 76, núm. 1, enero-marzo, 2014.

OLIVIERI, Cristiane. O direito autoral e a produção cultural. In: Organização e Produção da cultura. (orgs) RUBIM, Linda e BARBALHO, Alexandre. Salvador. Edfuba. Facom/Cult, 2005. Pp.161-169.

PEREIRA, Luiz Carlos Bresser.A Reforma do estado dos anos 90: lógica e mecanismos de controle. Brasília: Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado, 1997.

REIS, A.C.F. Cidades Criativas: análise de um conceito em formação e da pertinência de sua aplicação à cidade de São Paulo.Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Planejamento Urbano e Regional, São Paulo, 2011.

RUBIM, A. A. C.; RUBIM, Iuri e VIEIRA, Mariella Pitombo. Políticas e redes de intercâmbio e cooperação em cultura no âmbito ibero-americano. In: CONVÊNIO ANDRÉS BELLO. Siete cátedras para laintegración. Bogotá, Convênio Andrés Bello, 2005, p.129-170.

RUBIM. A.A.C.Políticas culturais no Brasil: tristes tradições, enormes desafios. In: Políticas culturais noBrasil / (orgs.) BARBALHO, A. e RUBIM. A.A.C —Salvador: edufba, 2007.

RUBIM, Antônio Albino Canelas. Políticas culturais na Bahia contemporânea / Antônio Albino Canelas Rubim; edição e preparação de texto, Iuri Oliveira Rubim. - Salvador: EDUFBA, 2014.

REIS, Cacilda Ferreira. Sonhos, incertezas e realizações: as trajetórias de músicos e dançarinos afro-brasileiros no Brasil e na França. 2012. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2012.

SALVADOR. Prefeitura Municipal de Salvador. Diagnóstico do desenvolvimento cultural de Salvador, Secretaria Municipal de Cultura e Turismo. Fundação Gregório de Mattos, Salvador, 2017.

SALVADOR. Prefeitura Municipal de Salvador. Lei de diretrizes orçamentárias,Casa Civil, 2019. Disponível em: http://casacivil.salvador.ba.gov.br/index.php/menu-orcamento/lei-de-diretrizes-orcamentarias-ldo/2019. Acesso em: 26 fev. 2021.

SALVADOR. Prefeitura Municipal de Salvador. O Programa de Desenvolvimento do Turismo na cidade de Salvador (PRODETUR Salvador). Secretaria de Culltura e Turismo. Salvador, 2019.Disponível em: http://www.prodeturssa.salvador.ba.gov.br/index.php. Acesso em: 23 set. 2019.

SANTOS, J. D. Para além do espetáculo: o trabalho de atores de teatro em Salvador. Tese de doutorado. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo, 2020.

SEGNINI, L.R.P. Música, dança e artes visuais: especificidades do trabalho artístico em discussão. In: Trabalho artístico e técnico na indústria cultural[recurso eletrônico] / organização Liliana R.P. Segnini, Maria Noel Bulloni; tradução Marisa Shirasuna; textos Maria Aparecida Alves et. al. – São Paulo: Itaú Cultural, 2016.

SEGNINI, L.R.P. Trabalho, imigração e relações de gênero no contexto da mundialização: músicos do Leste europeu no Brasil. Revista latinoamericana de estudiosdeltrabajo, v. 23, p.221-250, 2018. Disponível em: <http://alast.info/relet_ojs/index.php/relet/article/view/336>. Acesso em: 31 jul. 2019.

SELDIN, Claudia.Da capital de cultura à cidade criativa: resistências a paradigmas urbanos sob a inspiração de Berlim.Tese (Doutorado em Urbanismo) – Programa de Pós-Graduação em Urbanismo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Rio de Janeiro: UFRJ/FAU, 2015.

THROSBY, David. Economics and culture.Cambridge: Cambridge UniversityPress, 2001.

UNESCO.Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. International flows of selected cultural goods and services, 1994-2003: defining and capturing the flows of global cultural trade.UNESCO Institute for Statistics, Montreal, 2005.

VILHENA, D.F. Produção teatral: da prática à teoria. A sistematização de uma disciplina.V ENECULT- Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador, 2009.

WEBER, Max. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Vol.2

tradução de Regis Barbosa e Karen Elsabe Barbosa; Revisão técnica de Gabriel Cohn - Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília: São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 1999.

WILLIAMS, Raymond. Marxismo e Literatura.Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

YÚDICE, George, A Conveniência da cultura: usos da cultura na era global. Belo Horizonte: UFMG, 2006.

Downloads

Publicado

2021-07-19

Como Citar

Santos, J. D. (2021). Ortodoxia da criatividade: experiência com artistas em Salvador. Plural, 28(1), 302-324. https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2021.166022